Poemas, frases e mensagens de Peta

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Peta

Querido Tejo

 
Querido Tejo
 
Ó queridoTejo !
Tuas águas cristalinas
Correm pelas planícies
levando maná ao povo
E no teu profundo leito
Trazes vida à vida
Que levo à tua margem

Peta
 
Querido Tejo

Chuva amiga

 
Chuva amiga
 
Chuva amiga,
Me dê tuas lágrimas,
Lágrimas que dão vida
À terra poeirenta

Lágrimas parteiras
Que da terra molhada
Dão luz à existência
E perpetuam gerações

Da terra molhada
A vida brota, revitaliza
Pinta de verde os pastos
E dá fartança aos homens

Peta
 
Chuva amiga

As guerrinhas

 
As guerrinhas
 
não sei encurtar asas
às sombras
nem podar cabelo rebelde
que de mim se levanta
e tece guerrinhas no pó
dos meus olhos

Peta
 
As guerrinhas

A dor do desamor

 
A dor do desamor
 
Na dor do desamor
Coração chora com vigor
E a alma é banhada de lágrimas
No silêncio de quem desama

Peta
 
A dor do desamor

O dinheiro corrompe a alma

 
O dinheiro corrompe a alma
 
Ter tanto dinheiro
É ter o diabo na alma,
Por tantos mendigos se passa,
E nenhuma migalha deixa tinir
Em mãos estendidas ao vento

Peta
 
O dinheiro corrompe a alma

Dás-me teu amor e dou-te meu afeto

 
Dás-me teu amor e dou-te meu afeto
 
Irmão!
Se me deres teu amor
Dou-te meu afeto,

Se me abrires teus braços
Dou-te meu abraço,

Se me soltares teu sorriso
Dar-te –ei minha alegria,

Se houver espaço
No teu coração,
Depositarei minh’alma,

E amaremos este mundo,
Onde todos cabemos
E sobra inda lugar,
Pra geração vindoura.

Peta
 
Dás-me teu amor e dou-te meu afeto

Afetos perfeitos do amor

 
Afetos perfeitos do amor
 
Do amor, conheço afetos perfeitos,
como gaivotas conhecem
caminho de regresso ao ninho,
levando no papo, o maná
pra filhotes desfrutarem
no calor perfeito dos afetos do amor

Peta
 
Afetos perfeitos do amor

Bastam mil e um sorrisos pra alegrar corações

 
Bastam mil e um sorrisos pra alegrar corações
 
Quando cai a noite,
Te contarei quantos sorrisos me ofertaste,
Tive a contar durante o dia e eram mil e um,
Voltei a contar quando distribuías rebuçados às crianças
E são mil e um.
Mil e um sorrisos apenas, bastam pra alegrar corações.

Peta
 
Bastam mil e um sorrisos pra alegrar corações

As arestas do tempo

 
As arestas do tempo
 
No fio da vida gasta,
Adormecem segredos
Corridos nas arestas do tempo.

Peta
 
As arestas do tempo

Os rancores da vida

 
Os rancores da vida
 
Numa dança do sapateado
Só entra na onda
Quem do sapateado percebe

Peta
 
Os rancores da vida

Se a saudade for pouca

 
Se a saudade for pouca
 
Se a saudade for pouca
A paixão dissipa-se com o tempo,
O coração esquece o passado
E o amor precocemente morre

Choram corações no silêncio
Sem lágrimas nem lástimas,
E se premedita o enterro do amor
No cemitério dos enfados

Peta
 
Se a saudade for pouca

Toxina aqui, jamais

 
Toxina aqui, jamais
 
Bramem Espanhóis
Na candura dos Portugueses,
Até resíduos tóxicos
Querem semear à nossa porta

Peta
 
Toxina aqui, jamais

Se é poeta, sabe amarrar palavras

 
Se é poeta, sabe amarrar palavras
 
Se poetizar fosse mero jogo de palavras,
Haveria tantos manuscritos poéticos
Soltos em (in)versos no branco do papel.
Ser poeta é saber amarrar palavras.

Peta
 
Se é poeta, sabe amarrar palavras

Siga a luz do Criador

 
Siga a luz do Criador
 
Fervor e Criador
Rimam com o amor,
Deixe florir tu’alma
E com fervor, ama
A vida longe da dor

Não pactue com o terror
Que rima com a dor,
Faça do teu amor
O canto de esplendor

Da luz do Criador,
Renasce teu vigor
E sem pudor,
Siga com fervor
A luz do Senhor

Peta
 
Siga a luz do Criador

A moderação das forças

 
A moderação das forças
 
Se a lua ilumina os prados
E dá pés às ondas do mar,
É porque há força oculta,
Que a guia, na sua caminhada
Pelas almas forjadas de dor.

Se o mar corre nos campos floridos
E as ondas nas copas das árvores,
É porque há algo de errado,
Que merece meditação dos homens,
Pautada pela tolerância
E minuciosa análise das causas do mal,
Que devem ser recicladas
Pra que haja moderação das forças.

Peta
 
A moderação das forças

O Amor

 
O Amor
 
Hoje quem por amor chora
É porque ama tanto
Ou não soube amar
Quando o amor lhe sorria

Peta
 
O Amor

Na barca do amor

 
Na barca do amor
 
Na barca do amor,
A visão guia
A alma ordena
A paixão coordena
O coração segue as coordenadas
Traçadas pra amar.

Peta
 
Na barca do amor

Fazer-se de rei

 
Fazer-se de rei
 
Fazer-se de rei,
É apegar-se a elegância
No reino da ganância,
Que desmoronará
Com peso da consciência,
E nada mais de ti esperarei,
Senão da verdade que te julgará.

Peta
 
Fazer-se de rei

Os porquês duma criança…

 
Os porquês duma criança…
 
Os porquês duma criança…
Que pergunta a mãe:
-mamã, porquê partiu minha mana?
A mãe banhada de lágrimas responde:
-filho, ela foi brincar com os anjos lá do céu,
Um dia ela há de voltar.
-mãe, mas hoje é aniversário dela,
Porquê não podia voltar mais cedo?
Ó filho, o céu é distante e ela levará dias
Pra chegar a tempo.
-mamã, mas dizem que há renas no céu,
Ela podia pedir boleia ao pai natal…
-sim podia, mas o pai natal foi de férias
E só vem à terra pra próximo ano.
Ó mamãe, mas é muito tempo!
-não filho, o natal é já amanhã, vá dormir.
A criança ficou muito alegre, e foi deitar-se
Com intuito que no dia seguinte
Reveria sua irmã, que morrera há duas semanas.

Peta
 
Os porquês duma criança…

Se a morte escolhesse…

 
Se a morte escolhesse…
 
Neste universo repleto de mistério,
O pobre luta sem meios para viver
E o rico vive da miséria do pobre,
Indiferente a sua dor, o deixa morrer,
Onde estará o coração dos homens?

Peta
 
Se a morte escolhesse…

PegoSilver