https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de Peta

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Peta

Se a saudade for pouca

 
Se a saudade for pouca
 
Se a saudade for pouca
A paixão dissipa-se com o tempo,
O coração esquece o passado
E o amor precocemente morre

Choram corações no silêncio
Sem lágrimas nem lástimas,
E se premedita o enterro do amor
No cemitério dos enfados

Peta
 
Se a saudade for pouca

Querido Tejo

 
Querido Tejo
 
Ó queridoTejo !
Tuas águas cristalinas
Correm pelas planícies
levando maná ao povo
E no teu profundo leito
Trazes vida à vida
Que levo à tua margem

Peta
 
Querido Tejo

O efeito das sombras

 
O efeito das sombras
 
Sombras são sempre sombras
E nada mais,
Quando assombram a alma
A dor nasce e magoa corações,
É impossível livrar-se das sombras
Elas caminham ao nosso lado
E quando possível, saem das sombras
Pra assombrar destinos prescritos

Peta
 
O efeito das sombras

Boca, fonte do bem e do mal

 
Boca, fonte do bem e do mal
 
A boca é fonte das delícias,
Se dela saem palavras medidas
Com a doçura da alma

É um lago das tormentas
Se dela soltam palavras agoirentas
Que magoam corações

Peta
 
Boca, fonte do bem e do mal

O tempo só tem uma frente; o desgaste

 
O tempo passa lentamente
Mas passa todo o tempo
Se no tempo de dar rumo ao tempo
Fizer do tempo o desperdício do tempo,
O tempo te ajuizará no tempo,
Pois, o tempo só tem a frente
E pra trás não volta jamais

Peta
 
O tempo só tem uma frente; o desgaste

Toxina aqui, jamais

 
Toxina aqui, jamais
 
Bramem Espanhóis
Na candura dos Portugueses,
Até resíduos tóxicos
Querem semear à nossa porta

Peta
 
Toxina aqui, jamais

No céu despido de nuvens

 
No céu despido de nuvens
 
No céu despido de nuvens
Nunca cai uma gota
Por mais que faça vento
A limpidez mantem-se
Longe dos forçados trovões

Peta
 
No céu despido de nuvens

Se é poeta, sabe amarrar palavras

 
Se é poeta, sabe amarrar palavras
 
Se poetizar fosse mero jogo de palavras,
Haveria tantos manuscritos poéticos
Soltos em (in)versos no branco do papel.
Ser poeta é saber amarrar palavras.

Peta
 
Se é poeta, sabe amarrar palavras

o pomo e o pecado

 
o pomo e o pecado
 
do pomo à cobra,
a cobra cobra
e nada sobra,
até a sombra do homem
paga o pecado original

Peta
 
o pomo e o pecado

Siga a luz do Criador

 
Siga a luz do Criador
 
Fervor e Criador
Rimam com o amor,
Deixe florir tu’alma
E com fervor, ama
A vida longe da dor

Não pactue com o terror
Que rima com a dor,
Faça do teu amor
O canto de esplendor

Da luz do Criador,
Renasce teu vigor
E sem pudor,
Siga com fervor
A luz do Senhor

Peta
 
Siga a luz do Criador

O dinheiro corrompe a alma

 
O dinheiro corrompe a alma
 
Ter tanto dinheiro
É ter o diabo n'alma,
Por tantos mendigos se passa,
E nenhuma tostão se deixa tinir
Em mãos estendidas ao vento

Peta
 
O dinheiro corrompe a alma

O Amor

 
O Amor
 
Hoje quem por amor chora
É porque ama tanto
Ou não soube amar
Quando o amor lhe sorria

Peta
 
O Amor

Chuva amiga

 
Chuva amiga
 
Chuva amiga,
Me dê tuas lágrimas,
Lágrimas que dão vida
À terra poeirenta

Lágrimas parteiras
Que da terra molhada
Dão luz à existência
E perpetuam gerações

Da terra molhada
A vida brota, revitaliza
Pinta de verde os pastos
E dá fartança aos homens

Peta
 
Chuva amiga

Por quê sofres meu anjo?

 
Por quê sofres meu anjo?
 
Olho nos teus olhos de menino
E vejo dor latente
A devorar tua alma pequenina,
Por quê sofres meu anjo?

Meus pais me puseram n’olho da rua,
Simplesmente disse… disse chorando,
Uma torrente de lágrimas alagou-me as faces,
Abracei-o e choramos compulsivamente

Mas onde, onde está o coração dos homens?
O que é feito do amor dos pais?
Não percebo os homens, nem adivinho seus sentimentos,
Por um simples carinho, nasce amor no rosto duma criança

Peta
 
Por quê sofres meu anjo?

Passear o cão

 
Passear o cão
 
Diz-se passear o cão,
Mas entre homem e cão
Quem passeia quem?

Peta
 
Passear o cão

As guerrinhas

 
As guerrinhas
 
não sei encurtar asas
às sombras
nem podar cabelo rebelde
que de mim se levanta
e tece guerrinhas no pó
dos meus olhos

Peta
 
As guerrinhas

O plagiador e o ciumento

 
O plagiador furta bons poemas
Pra se adentrar furtivamente
No mundo dos poetas,
O ciumento difama bons poetas,
Pra inseri-los no seu submundo.

Se a verdade é pra ser dita,
Dos dois, quem é o pior inimigo
Da literatura?
Se é amante da poesia e da verdade,
Não vire a página sem responderPeta

Peta
 
O plagiador e o ciumento

A submissão da razão à mentira

 
A submissão da razão à mentira
 
Quando a razão submete-se à mentira,
A verdade é refém da injustiça
E a corrupção eterniza sua presença
Nas instituições estatais sob sua mira

Peta
 
A submissão da razão à mentira

A dor do desamor

 
A dor do desamor
 
Na dor do desamor
Coração chora com vigor
E a alma é banhada de lágrimas
No silêncio de quem desama

Peta
 
A dor do desamor

Careço do teu beijo

 
Careço do teu beijo
 
Eu sou pedaço dum céu
Num jardim sem flor,
Namoro beija-flor
À espera do beijo teu

Nas folhas caídas do jardim
Careço de teu beijo
Pra acalentar este desejo
Que me veste de cetim

Peta
 
Careço do teu beijo

PegoSilver