Poemas, frases e mensagens de Egéria

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Egéria

"Amor Sem Pele" - Corpos Editora

"A Espiral Do Amor" - Temas Originais

Mãe

 
Mãe
 
Existe um desafio por baixo do silêncio, que não volta mais se não for ouvido?!
Luzes psicadélicas. Sento-me na cadeira com os meus anjos a meu lado, e noite engole-me o olhar perito na investigação…
Quando soube que a presença da meia noite viria atrás de mim, o tempo foragido, aquele que nunca dorme…
Temi pelos meus sentimentos, loucura e abstracção.
Quem realmente voltaria dos sonhos?
Deixei o rasto pelo céu e as estrelas o vigiariam!!!
Rastejei no chão, impulsos histéricos de pânico.
Quando virá o dia para que assista ao nascimento, é verdade que a alvorada se fez formosa.
Ruptura na queda, instantes mãe!!! Pudesse eu sumir-te nos meus abraços todos os dias…
 
Mãe

Ataque

 
Preciso de pão!!! Os meus olhos ardem com o fumo, e o meu corpo está mordido com os estilhaços…
A angústia em sobreviver ata-me ao grito!!
As estrelas deixam-me com luz, mas como adormecer esta noite?? Como explicar se o sossego não existe.
Tento escrever, mas tenho que sair mais uma vez…!!! O bunker está perto.
O universo está circunscrito à violência. Vomito o ácido que me deram como alimento!!!
A mentira ou a verdade são algo que carregam a vergonha penitenciada. A sua existência cabe nas balas que atravessam a pele de um corpo indefeso. Eu consigo ainda ver!!!!!
O Universo come-se insatisfeito e apenas a fome vem quando se lambe o sangue que se esvai…
Em cada corpo apodrece tudo aquilo que seria nobre, ou justo.
Não quero morrer, porque não te entendo!!!
 
Ataque

Louca

 
Algo morto de insatisfação, plena transformação exacerbada… Que promessa tão estanque.
Nada morre se não for abandonado!!
Palmo de terra quase no fim, o frio é bravio na pele que se deixa só!!
E quando a noite se tornou em mágoa?!
Deixar o silêncio amotinado num paladar sem sabor, ainda há esperança que algum grito se levante!
Uma crosta endurecida verte raios brilhantes quando o sol lhe toca.
Não, não tenho como pedir um grito, preciso de um olhar… Inconstância proeminente no juízo de valor. Serei, serei um dia louca para sempre.
 
Louca

Legitima Defesa

 
Larguei a ancora ainda aos meus pés, chamaram-me pelo meu nome, mas não o partilhei…!
Deixei-me encontrar para quebrar o silêncio e abrir os olhos, não fiz promessas, estava partida!!
Retrai-me na estranheza do momento, fixei-me na contracção do meu tráfego de lágrimas…
Perto está a doçura que entra na luz, febre dos sentidos trocados num tom sem resguardo. Como se abraça o começo?
Cuidei do desamparo, mas deixei a agonia sem salvação. podes ser a minha companheira, pois como posso encontrar outra coisa??
E em minha legitima defesa tentei deixar a humanidade.
 
Legitima Defesa

Palavra

 
Apaixonei-me por ti palavra.
Tu que me definiste sem juras, ou compromissos. E os malabarismos não se agarraram ao meu sentimento!!
Possui o teu significado apreciei e depreciei…
Deixei-me deitar sobre a tua significância, e no meu peito os desabafos eclodiram contigo.
Sempre te amei, sem melindres ou ocasiões menos propicias.
Uso-te como uma paixão única, ando com os meus dedos sem fingimento para te escrever…
Penso e clareiam as ideias e agradeço-te na tua articulação.
És casulo, a espera, a recolha da minha sinceridade.
Olhos que me farão olhar para me converter à luz. Palavra pincelada a sopro como uma confissão…
 
Palavra

Força

 
Força
 
Entreguei-me à vida desistir finalmente ao cansaço da dor.
Recorri ao amor
Renasci no sustento do amor, mas comi a dor amargurada que se envaidecia cedo…
Longe dela extingui a loucura que alimentava aquilo que era só meu.
Para o bem dos momentos mais reais estou menos perto de mim e mais longe dela!!
Respiro, ainda um pouco adormecida pelos cálculos que fiz durante a noite.
A conclusão foi meritória.
Atravessei vales e montanhas e chorei mas esculpindo sempre a força de que iria chegar ao final dos finais.
 
Força

Etapa

 
Etapa
 
Escuto a sombra que rasteja atrás de mim, a perda e a saudade são avenidas a percorrer…
Que o meu sangue quente me vele esta noite!!
Não existe forma mais triste do que sentir a perda, ficam estilhaços de dor, e de gemidos silenciosos.
Interroguei ninguém, já que a culpa não existe!
Só a saudade está comigo…
E eu mesma sou vagabunda nesta nova etapa. Eu sei o que são as lágrimas – são AMOR.
Mas lamento a extensão da minha generosidade, e o meu queixume enfeita a minha tristeza. Mas vai…
 
Etapa

Olhar

 
Olhar
 
Onde brilham os olhos? Fora da timidez olho-me em ti.
O amor dentro do coração é luz, que aprendeu a restaurar a eternidade.
Dentro de meu corpo tenho os teus gestos!!
Tenho um ápice de desejo. Fixei-me na clareira do teu corpo.
Que gentileza servires-me a esperança, e o amor… Com os beijos que me deste.
O silêncio é uma sinfonia apenas de carinhos…
O tempo não foi combinado, cada enlace no teu corpo é uma curiosidade para o descobrir…
Amar-te mais já não é possível.
Oh amor, serei sempre o que estará dentro de ti.
 
Olhar

Impacto

 
Estou preparada para os impactos, pela madrugada já estou acordada!
Ilumino os olhos firmes já sem cansaço.
Despertei para enfrentar a espingarda que se atou aos dedos!!
Cuidado, desarme. Ai o descuido da minha tristeza, flores apanhadas na mingua de um sorriso.
Jogo onde se põe os dividendos dos amparos...
Quem está na fronteira da fé?
Nem sequer uma semelhança
 
Impacto

Reviravolta

 
Reviravolta
 
Onde poderei morar? O sossego sossega-se numa lágrima. Onde poderei lembrar-me?
Sim eu sei, às vezes o sonho não fala no meu pensamento.
Agora como te posso encontrar?
Eu quero movimentar-me…É engraçado mas não te esperava nesta altura, mas acho-te tão feliz que me tornas feliz.
Talvez bebamos um café no fim da linha…
As nossas histórias são glórias, leio-te no olhar que se deita no meu!!
Se me trouxeste uma parte de algo que roubou a tristeza porquê não a deixar?!
Pareceu-me que nunca iria sentir nada assim, tenho que aproveitar. Começar.
Tudo dá uma reviravolta, e nada fica igual, sentei-me contigo nas escadas do metro e deixamos as incertezas. E nos abraçamos.
 
Reviravolta

Honra

 
Honra
 
Escuridão submersa depois de um surto na queda de um abraço!!
Tenho os pés no silêncio quando antes o grito era soro nas veias;
Abri os olhos na primeira vez que me vi certa na alvorada.
Regressei ao meu destino, deitei-me no amor e carimbei-o com o peso do meu corpo.
O vento que nada suspende nem os degraus do céu!
Sou livre e chamo-me amor. Desatei os nós apreendidos troquei-os por uma folhagem mais quente.
Polvilhei os meus ombros de amor e cá estou eu, identificada com honra.
 
Honra

Mudança

 
Não era uma miragem nem um eco. Nem sucumbi à estranheza de tal aparecimento.
Aprendi a entoar uns cânticos, mais melodiosos, talvez me ajudassem a divulgar melhor toda a metamorfose.
Tudo derivava das artérias por onde o sangue quente se conduzia, e eu percebi que a mudança estava mais do que perto.
Fenecia a antiga disposição para alterar tudo.
Encontrei a solução para dispensar o medo. A aceitação é a aceitação que corresponde à melhoria do momento e do alívio do contacto com o stress.
Conquistas medalhadas, um princípio de coragem e atrevimento.
 
Mudança

Renascimento

 
É estridente o silêncio que se move nas minhas lágrimas…
Paralisia da alvorada, e o sol não o vi.
Soubesse eu viajar na resistência!!
A saída estava asfixiada, esquecida e contaminada pela sentinela há muito.
Vesti o fato da fuga, alonguei os braços, enquanto o estomago me feria de fome;
Dizer o que senti, não é nada, dizer que tudo isto é AMOR é verdade!!!!!!!!!!!!
Cansada limitei-me a renascer de novo.
 
Renascimento

Renascimento

 
Quando vieres ao meu encontro eu dou-te um gesto de amor... Quantas milhas já percorri para me identificar!!?
Dá-me essa chave para fechar a solidão.
Disfarçado sonho que me conquista a ansiedade. Viver fora das paredes e com os versos justificados!!
Rimas sem opressões. O tempo é um corpo que respira fora do ventre.
Eu quero paz, eu quero o renascimento!!!
Grito a certeza mesmo que perca, mas tenho sede. Cada vez mais quebro a brecha... Chego perto...
 
Renascimento

Resgate

 
Resgate
 
Eu preciso, eu preciso de te escrever estas palavras que me são tão formosas…
Enlouqueço, ando desvairada pensando em ti. Saberás tu o quanto és para mim?!
Tenho que rasgar do pensamento a dor da saudade!
Anda, vem ter comigo estou a sair de mim!!!
Versos que mendigo só para me libertar, vem adormecer nos meus abraços, e fazeres latejar os meus lábios de prazer!!
Eu preciso, eu preciso de te escrever estas palavras para que me resgates.
Enlouqueço, se te ausentas dos meus recantos!!
Ama-me sabendo amar-me…
 
Resgate

Armadilha

 
Tenho a minha voz armadilhada, surripiei palavras que cozi umas às outras e fiz um diálogo!!
Quis falar para não azedar a minha saliva cativa na boca.
De facto, precisava de dizer que a cama estava fria, de novo.
A loucura não é vergonha deixa um artista mais apresentável!!
Quem me levou a minha passagem para lá?
Engordei a minha ansiedade, sei que os meus pensamentos pedem aplausos mas é necessário alimenta-los. Vou tentar desabotoar a dor da minha alma.
 
Armadilha

Jornada

 
Jornada
 
Desci as colinas que tinha visto ao longe, toquei nos meus cabelos esventrados pelo vento e senti algo tão forte que me engasguei!!
Movimentei os meus passos... Sentei-me numa rocha e esperei pelos anjos que me iriam glorificar.
E assim imaginei a luz a engolir a escuridão.
Trepei o relvado encrespado pelas pedras. Paciência pensei eu, sei que chegarei lá!
A contagem pelos dedos continuava ainda... Era cedo para baralhar as hipóteses de perda. E continuei a jornada...
Os pássaros rasavam a minha aritmética, e eu a pensar ainda...
Visitas em coro que debicavam o silêncio do ar!
Agora, tinha que decidir a liberdade ou a fumaça da indecisão??!
 
Jornada

Barcaça

 
Quem me disse que me iria transformar assim tão forte sem navegar na barcaça!!
Foi um caminho lento, larguei passos desparasitantes.
Marquei a cruz em cada página que li da minha vida, depois demolhei a dor num banho frio, senti-me leve.
O cuco batia nas árvores com o seu bico instrumental, o ritmo fazia-me bem, sonorizava os meus nervos.
O meu corpo não secou do frio que me entalou!!
Cresci anonimamente, em cada verso livre dou-lhe a verdade;
Não tenho caricatura, ou um engano sobre mim.
 
Barcaça

Bálsamo

 
Fora capaz de ser voluntária, mesmo na desconfiança da partida e da saudade.
Desconhecia, fugi, encontrei.
Esforço guerreiro
Consegui repor a paz e a intimidade… Oh! Bálsamo que te derramaste sobre o meu esquecimento.
Já passou o fim, e as perguntas já não arranham em cada madrugada.
Arranquei-te revolta. Agora vou arrumar-te num lugar sem detalhes.
A aridez da minha vinda era uma presença invasiva;
No depois, nunca tinha tacteado em tal perfeição.
 
Bálsamo

Sementeira

 
Antes de me alcançar escorreguei no trilho, estava a semear o campo… A sementeira deixou-me livre do meu quarto.
Se fosse algo assim tão fácil dragar os meus pensamentos, dava-me ao sono!
Quero-me ver de novo, não aquilo que tinha na mão ainda podre, aquelas sementes…
Decidi pintar-te, eu. A melhor atitude.
Telefonei e morei nesse telefonema tão visceral!!
Esperava saber o que se passava, se a fronteira ainda existia?!
O tempo foi meu amigo, gastei-o e deixei-o levar-me até ti.
Corri, arranjei umas pernas novas, e alguém se cruzou no meu oceano de saudades… Sou escritora e não nada peço para escrever.
Arranjei os meus ossos e ficaram articulados e decidi continuar a correr até chegar até ti.
 
Sementeira

Renascer de uma luta é sentir que a vitória é imparável!

Egéria