https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

A TI, POESIA

 
POESIA

Vestes o meu corpo depois de o enfeitares
de calma, e, nas secretas luzes do
meu grito quando pronuncio o teu nome.

Na companhia dum vento de luz, és a sensibilidade da
minha pele e do amor que respiro
nos poros, com o cheiro dos lilases.

Na poesia celebro a saudade, a inocência
duma paixão, a paixão das palavras.

A saudade não é de ti, mas o divino
honrar do significado das doces palavras
que me enternecem enquanto escrevo
e na noite longa, sai sempre uma canção de amor.

Jamais, tu poesia me deixas só
Jamais, tu poesia me negas o beijo
Jamais, poesia me abandonas nas madrugadas.
Com uma vénia te agradeço, POESIA...


Amália LOPES
maio 22/2009
POESIA

Vestes o meu corpo depois de o enfeitares
de calma, e, nas secretas luzes do
meu grito quando pronuncio o teu nome.

Na companhia dum vento de luz, és a sensibilidade da
minha pele e do amor que respiro
nos poros, com o cheiro dos lilases.

Na poesia celebro a saudade, a inocência
duma paixão, a paixão das palavras.

A saudade não é de ti, mas o divino
honrar do significado das doces palavras
que me enternecem enquanto escrevo
e na noite longa, sai sempre uma canção de amor.

Jamais, tu poesia me deixas só
Jamais, tu poesia me negas o beijo
Jamais, poesia me abandonas nas madrugadas.
Com uma vénia te agradeço, POESIA...


Amália LOPES
maio 22/2009
POESIA

Vestes o meu corpo depois de o enfeitares
de calma, e, nas secretas luzes do
meu grito quando pronuncio o teu nome.

Na companhia dum vento de luz, és a sensibilidade da
minha pele e do amor que respiro
nos poros, com o cheiro dos lilases.

Na poesia celebro a saudade, a inocência
duma paixão, a paixão das palavras.

A saudade não é de ti, mas o divino
honrar do significado das doces palavras
que me enternecem enquanto escrevo
e na noite longa, sai sempre uma canção de amor.

Jamais, tu poesia me deixas só
Jamais, tu poesia me negas o beijo
Jamais, poesia me abandonas nas madrugadas.
Com uma vénia te agradeço, POESIA...


Amália LOPES
maio 22/2009
POESIA

Vestes o meu corpo depois de o enfeitares
de calma, e, nas secretas luzes do
meu grito quando pronuncio o teu nome.

Na companhia dum vento de luz, és a sensibilidade da
minha pele e do amor que respiro
nos poros, com o cheiro dos lilases.

Na poesia celebro a saudade, a inocência
duma paixão, a paixão das palavras.

A saudade não é de ti, mas o divino
honrar do significado das doces palavras
que me enternecem enquanto escrevo
e na noite longa, sai sempre uma canção de amor.

Jamais, tu poesia me deixas só
Jamais, tu poesia me negas o beijo
Jamais, poesia me abandonas nas madrugadas.
Com uma vénia te agradeço, POESIA...


Amália LOPES
maio 22/2009
POESIA

Vestes o meu corpo depois de o enfeitares
de calma, e, nas secretas luzes do
meu grito quando pronuncio o teu nome.

Na companhia dum vento de luz, és a sensibilidade da
minha pele e do amor que respiro
nos poros, com o cheiro dos lilases.

Na poesia celebro a saudade, a inocência
duma paixão, a paixão das palavras.

A saudade não é de ti, mas o divino
honrar do significado das doces palavras
que me enternecem enquanto escrevo
e na noite longa, sai sempre uma canção de amor.

Jamais, tu poesia me deixas só
Jamais, tu poesia me negas o beijo
Jamais, poesia me abandonas nas madrugadas.
Com uma vénia te agradeço, POESIA...


Amália LOPES
maio 22/2009
POESIA

Vestes o meu corpo depois de o enfeitares
de calma, e, nas secretas luzes do
meu grito quando pronuncio o teu nome.

Na companhia dum vento de luz, és a sensibilidade da
minha pele e do amor que respiro
nos poros, com o cheiro dos lilases.

Na poesia celebro a saudade, a inocência
duma paixão, a paixão das palavras.

A saudade não é de ti, mas o divino
honrar do significado das doces palavras
que me enternecem enquanto escrevo
e na noite longa, sai sempre uma canção de amor.

Jamais, tu poesia me deixas só
Jamais, tu poesia me negas o beijo
Jamais, poesia me abandonas nas madrugadas.
Com uma vénia te agradeço, POESIA...


Amália LOPES
maio 22/2009
POESIA

Vestes o meu corpo depois de o enfeitares
de calma, e, nas secretas luzes do
meu grito quando pronuncio o teu nome.

Na companhia dum vento de luz, és a sensibilidade da
minha pele e do amor que respiro
nos poros, com o cheiro dos lilases.

Na poesia celebro a saudade, a inocência
duma paixão, a paixão das palavras.

A saudade não é de ti, mas o divino
honrar do significado das doces palavras
que me enternecem enquanto escrevo
e na noite longa, sai sempre uma canção de amor.

Jamais, tu poesia me deixas só
Jamais, tu poesia me negas o beijo
Jamais, poesia me abandonas nas madrugadas.
Com uma vénia te agradeço, POESIA...


Amália LOPES
maio 22/2009
POESIA

Vestes o meu corpo depois de o enfeitares
de calma, e, nas secretas luzes do
meu grito quando pronuncio o teu nome.

Na companhia dum vento de luz, és a sensibilidade da
minha pele e do amor que respiro
nos poros, com o cheiro dos lilases.

Na poesia celebro a saudade, a inocência
duma paixão, a paixão das palavras.

A saudade não é de ti, mas o divino
honrar do significado das doces palavras
que me enternecem enquanto escrevo
e na noite longa, sai sempre uma canção de amor.

Jamais, tu poesia me deixas só
Jamais, tu poesia me negas o beijo
Jamais, poesia me abandonas nas madrugadas.
Com uma vénia te agradeço, POESIA...


Amália LOPES
maio 22/2009

 
Autor
Amáliapoemas
 
Texto
Data
Leituras
622
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Avozita
Publicado: 20/11/2009 21:56  Atualizado: 20/11/2009 21:56
Colaborador
Usuário desde: 08/07/2009
Localidade: Casal de Cambra - Lisboa
Mensagens: 4533
 Re: A TI, POESIA
A poesia nada nega...
Na poesia tudo é possivel...

Antonieta