https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Desilusão : 

Amor à distância eu mato

 
Esperei e recebi o seu cartão postal.
Pois tal cartão-rascunho chega e não alivia.
Via ali você, talvez, noutro Natal.
Tal na festa que outrora, ou nunca, não havia.
Há via de ida e via de contramão,
Mão contrária ao lápis, mão contra o cartão,
O cartão contra mim e eu contrário a tudo.
Doto-me com um manto molhado de choro.
Roxo está meu rosto e quase que me mato.
Toma o que lhe cabe – o rumo – e se alinha.
Linha e agulha à mão, um olho ao outro olha.
Alho, dente, e cebola até que me protegem:
De gente que promete, voz mansa que soa,
Aço que enverga então padre abençoa.
Soa boa palavra, embora bem mal dita.
Dita mal a regra do jogo que joga.
Gajo, para entender, demoro um pouco, custo.
Tosco, em meus pensamentos, grotesco, concluo:
Amor,
Morra!


Mário Piccarelli

 
Autor
Mario Piccarelli
 
Texto
Data
Leituras
1963
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Paloma Stella
Publicado: 01/08/2007 14:48  Atualizado: 01/08/2007 14:48
Colaborador
Usuário desde: 23/07/2006
Localidade: Barueri - SP
Mensagens: 3514
 Re: Amor à distância eu mato
Um Amor assim,
Mesmo que ainda não morra,
A distância pode até ser boa.
Mas que não seja como um jogo,
Seja um amor gostoso.

Beijinhos