https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

Beijo no teu peito

 
Beijo no teu peito
 
É o teu peito que desejo beijar
Não me perguntes porquê
Não sou deste mundo infausto nem tu
Por isso lega o teu calor em mim como abrigo da gélida maresia
Os meus braços anseiam por te cingir o corpo
Num resguardo agregados de luz e serenidade em acalmia
Os meus lábios deliciam-se em percorrer cada espaço da tua pele
Apartados desta batalha cruel amargurada e fria

Compreendes-me a constrição, a demência
Permites que deslize suavemente por ti a minha mão
Como se lesse em Braille a história da tua existência
Detenho-me em esplendor junto ao teu coração!

Deixa que o calor da minha boca te acalente o espírito
Quero sentir as batidas e o ritmo da tua vida a latejar
Suplicando que permaneças nos segredos da minha alma
Porque é o teu peito que desejo em fulgor amimar!
 
Autor
AnaMariaOliveira
 
Texto
Data
Leituras
1606
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
GeMuniz
Publicado: 15/08/2010 19:37  Atualizado: 15/08/2010 19:37
Colaborador
Usuário desde: 11/08/2010
Localidade: Brasil
Mensagens: 7283
 Re: Beijo no teu peito
Apaixona e, portanto, belo...

bj

Enviado por Tópico
Edilson José
Publicado: 15/08/2010 19:39  Atualizado: 15/08/2010 19:39
Colaborador
Usuário desde: 12/04/2008
Localidade: SP
Mensagens: 5591
 Re: Beijo no teu peito
É..., não tem muito o que dizer; é lindo sim!!!
Parabéns Ana maria!
Bj,
Edilson

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 16/08/2010 11:32  Atualizado: 16/08/2010 11:32
 Re: Beijo no teu peito
Que ternura de beijo! Abraco!

Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 16/08/2010 15:00  Atualizado: 16/08/2010 15:00
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9702
 Re: Beijo no teu peito
Que belo poema Ana!!!
Parabéns, um abraço e o destaque...
Vóny Ferreira

[quote]É o teu peito que desejo beijar Não me perguntes porquê Não sou deste mundo infausto nem tu Por isso lega o teu calor em mim como abrigo da gélida maresia Os meus braços anseiam por te cingir o corpo Num resguardo agregados de luz e serenidade em acalmia Os meus lábios deliciam-se em percorrer cada espaço da tua pele Apartados desta batalha cruel amargurada e fria