https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Humilhação

 
Humilhação
 
Há momentos em que o cerrar de olhos
É o sentir de uma dor no coração desfigurando o rosto
Um aperto cruel na ausência de calor humano
O cansaço que anuncia a navalha afiada do desgosto
Um gesto obrigatório de altear a fronte
Explodindo no refalsamento um renascer intemporal
Hierarquia de valores num recobro de teimosia
Paradigma dum ressurgir vulcânico consumado dignidade
Porque o combate também é pelejado por quem silencia!

Algemas pesadas num estatelar moroso e aflito
Padrão de sorrisos em lágrimas que deslizam sob a pele
Qual rio subterrâneo que molda o ventre da Terra
Estigma de sulcos agonizantes na garganta do tempo
Onde a voz límpida dá lugar à rouquidão
Por ausências que ferem o alento
Por estrias gravadas com sabor a sofrimento!

Porque há sentires que se guardam unicamente na alma
E não têm objectiva e concreta tradução
Em nenhuma linguagem e código humano
Por aviltamento e censura à comunicação
Mas por milagre e imperiosa vontade
Eis que a tenebrosa humilhação
Solta um bramido desesperado de agonia
Transfigurado em louvor de redenção
E mesmo na batalha perdida há um clamor de alívio
Como se dos grilhões que nos amarram
Renascêssemos feridos mas em estado de libertação!
 
Autor
AnaMariaOliveira
 
Texto
Data
Leituras
2629
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
3
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 12/09/2010 11:08  Atualizado: 12/09/2010 11:12
 Re: Humilhação
Olá Ana. Senti o teu poema rasgando as veias. Peço desculpa se não posso sintetizar uma resposta ou analisar convenientemente o teu poema. Classifico-o como exímio.

Deixo-te o meu "Passageiros do Tempo", diz o que penso de "Nós"

Vivo na clausura de um corpo que não sei
Amarras do tempo, quando o tempo era rei
Seres errantes nesta nave á deriva

Conquistas de nada na noite furtiva
Densos nevoeiros acolhem o Sol
Perpetuam-se elefantes brancos
Nas eras do tempo
Nas espumas de vácuo sentados

Que será de nós passageiros do tempo
Se nele não existimos

Somos pó Divino
Enfeitados de um esqueleto
Vagabundo de alma
A ela presa de amores em perdas
Quando o Universo é tão Vasto e profundo



By Beijo azul

Enviado por Tópico
antóniobotelho
Publicado: 12/09/2010 11:09  Atualizado: 12/09/2010 11:09
Da casa!
Usuário desde: 13/04/2010
Localidade: Aguiar da Beira - Guarda
Mensagens: 312
 Re: Humilhação
Caríssima AnaMariaOliveira,
Adorei este poema! Uma constelação de sentimentos não expressos que tornam a pessoa diferente!
"...Porque o combate também é pelejado por quem silencia!..." Este verso deixou-me encantado pela categoria real que ele porta e que me invadiu a minha mente, pois também sinto isso.
Parabéns!
Cumprimentos poéticos,

António Botelho

Enviado por Tópico
AnaMariaOliveira
Publicado: 12/09/2010 12:35  Atualizado: 12/09/2010 12:35
Super Participativo
Usuário desde: 19/06/2008
Localidade: Lisboa
Mensagens: 158
 Re: Humilhação
Obrigada pelos comentários...adorei o poema, irmã de alma!
Acreditem que há seres humanos que têm conteúdos muito semelhantes... penso que é o caso de Nós...
Estes invólucros temporais que nos oprimem e não deixam a nossa alma voar e viajar para o que lhe será semelhante...a luz, o amor, o bem...
estes corpos materiais que nos sufocam e acorrentam, prendem-nos neste mundo sombrio, corruptível e efémero!

Bem hajam aqueles que fazem da poesia o seu canto de libertação!

Abraço sincero a todos.
Ana