https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Eflúvios

 
Eflúvios das flores que desabrocham
Somente em noites de prateado luar
Em danças libidinosas rodopiam no ar
Colorindo todo ambiente onde exalam.

Eram essências das camélias e roseiras
Amalgamadas em deliciosas fragrâncias
Das hortelãs e das flores das laranjeiras
Em mescla divina com outras substâncias.

Penetram e aprofundam em si mesmos
Num revoar de névoas novas e líquidos
Enriquecidos pelos goivos e pelos lírios
Que balouçavam as folhas, a esmo.

Num espetáculo colorido de absintos
Numa tarde crepuscular que já morre.
O tempo, meu amigo, não passa: Corre.
Depois apenas eflúvios, distantes, distintos,...




Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
847
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
5
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
JOSÉMANUELBRAZÃO
Publicado: 25/09/2010 18:58  Atualizado: 25/09/2010 18:58
Colaborador
Usuário desde: 02/11/2009
Localidade: Lisboa, PORTUGAL
Mensagens: 7775
 Re: Eflúvios
Sei que no Brasil dão muito apreço ao inicio da Primavera e se fiz leitura correcta o Gyl fez Apologia com o poema! ESTOU CERTO?

A minha parceira de Poesia Graciele Gessner (Santa Catarina) fala-me de:Tabebuias... (popularmente ipês)

Abraço do ZÉ



Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 25/09/2010 22:04  Atualizado: 25/09/2010 22:04
 Re: Eflúvios
Gyl, parabéns pelo texto poeta amigo... isso mesmo o tempo não passa corre, gostei poeta, Beijos.