https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

O Amanhecer De Um Novo Dia

 
E o orvalho bento perolando os lenhos...
Depois os eflúvios florais feito fumaça
Nevoando minhas retinas e a vidraça
Onde os meus dedos faziam desenhos.

Lá fora imperando a lei livre dos ventos.
Dentro de mim reinando uma melosa melancolia.
Eu rabiscando o vidro com meus pensamentos
Esperando o amanhecer de mais um novo dia.

Esboço um coração torto. Não gosto. apago.
Tento novamente e traço agora dois corações.
Borro. Refaço o traçado: Coloco dois patos no lago.
Mas os patos me parecem mais com dois leões.

Ao lado escrevo o meu nome com letras garrafais.
Meço e ponho dentro de um dos traços cordiforme.
Erro o cálculo e percebo que dentro já não cabe mais.
Por isso esboço um outro coração. Porém agora enorme.

Fico ali a rabiscar e a contar as horas uma a uma.
No teto vejo uma aranha tecendo mais uma rede.
Lá fora os eflúvios florais parecendo uma espuma.
Enquanto isso meus dedos rabiscam agora a parede.

Na minha insonsa insônia vejo a lua machucada
Como que se fosse mordida por um gigante lobo.
Rio de mim mesmo e me autoproclamo de bobo
Por tentar desenhar a lua na superfície caiada.

E o orvalho bento perolando os lenhos
Depois os eflúvios florais feito fumaça
Nevoando minhas retinas e a vidraça
Onde os meus dedos faziam desenhos.

Lá fora imperando a lei livre dos ventos.
Dentro de mim reinando uma melancolia.
Eu rabiscando o vidro com meus pensamentos
Esperando o amanhecer de mais um novo dia.


Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
737
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
2
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Felisbela
Publicado: 20/07/2013 22:50  Atualizado: 20/07/2013 22:50
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2011
Localidade:
Mensagens: 2207
 Re: O Amanhecer De Um Novo Dia
Olá Gyl;

Adoro ler-te e ficar sonhando com as imagens que crias, tu sabes!

Amei a leitura e o degustar de cada sílaba! Muito bom...

Beijos mil, querido Gyl!

Felisbela