https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

História Sucinta da Antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (U.R.S.S.)

 
.



Martelo
e
Foi-se



.

 
Autor
MarioRevisited
 
Texto
Data
Leituras
979
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
8
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
FelipeMendonca
Publicado: 04/07/2012 20:47  Atualizado: 04/07/2012 20:47
Luso de Ouro
Usuário desde: 01/12/2011
Localidade: Rio de Janeiro
Mensagens: 509
 Re: História Sucinta da Antiga União das Repúblicas Socia...
Lembrou-me os poemas-pílula de Drummond e Oswald. Gostei deveras. Vou postar lá no blog. Grande abraço.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 05/07/2012 13:08  Atualizado: 05/07/2012 13:10
 Re: História Sucinta da Antiga União das Repúblicas Socia...
"foi-se, mas;
custou ir-se,
após décadas...
"

'sucintar' é uma arte 'maneira'. gostei.rs

meu abraço caRIOca.
zésilveira


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 05/07/2012 18:31  Atualizado: 05/07/2012 18:31
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29490
 Re: História Sucinta da Antiga União das Repúblicas Socia...
O pior de tudo é essa democrácia plutocrática que vivemos. 'LA LUTAVAM PELA IGUALDADE
AQUI HOJE CONTROEM A DESIGUALDADE". Uma liberdade que é confundida, é uma verdeira libertinagem. Bandigagem, politícos que cada vez mais se ensaiam para o roubar.

Os filósofos limitaram-se a interpretar o mundo de diversas maneiras; o que importa é modificá-lo.

As ideias dominantes numa época nunca passaram das ideias da classe dominante.

Vamos, caia fora! Últimas palavras são para tolo que não falaram o bastante!

A história da sociedade até aos nossos dias é a história da luta de classes.

"A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”

Karl Marx

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/07/2012 19:13  Atualizado: 06/07/2012 19:13
 Re: História Sucinta da Antiga União das Repúblicas Socia...
A introdução, a cargo do editor Stéphane Courtois, declara que "…os regimes comunistas tornaram o crime em massa uma forma de governo". Usando estimativas não oficiais, apresenta um total de mortes que chega aos 94 milhões, não contando as mortes os decréscimos de população decorrentes da queda das taxas de natalidade. A estatística desagregada do número de mortes dado por Courtois é a seguinte:

20 milhões na União Soviética
65 milhões na República Popular da China
1 milhão no Vietname
2 milhões na Coreia do norte
2 milhões no Camboja
1 milhão nos Estados Comunistas do Leste Europeu
150 mil na América Latina
1,7 milhões na África
1,5 milhões no Afeganistão
10 000 mortes "resultantes das acções do movimento internacional comunista e de partidos comunistas fora do poder" (página 4).
O livro defende explicitamente que os regimes comunistas são responsáveis por um número maior de mortes do que qualquer outra ideologia ou movimento político, incluindo o fascismo. As estatísticas das vítimas incluem execuções, fomes intencionalmente provocadas, mortes resultantes de deportações, prisões e trabalhos forçados.

Uma lista parcial mais detalhada de alguns crimes cometidos na União Soviética durante os regimes de Lenin e Stalin descritos no livro inclui:

As execuções de dezenas de milhares de reféns e prisioneiros e de centenas de milhares de operários e camponeses rebeldes entre 1918 e 1922.
A grande fome russa de 1921, que causou a morte de 5 milhões de pessoas.
A deportação e o extermínio dos cossacos do Rio Don em 1920.
O extermínio de dezenas de milhares em campos de concentração no período entre 1918 e 1930.
O Grande Expurgo, que acabou com a vida de 690 000 pessoas.
A deportação dos chamados "kulaks" entre 1930 e 1932.
O genocídio de 10 milhões de ucranianos - conhecido como "Holodomor" - e de 2 milhões de outros durante a fome de 1932 e 1933.
As deportações de polacos, ucranianos, bálticos, moldavos e bessarábios entre 1939 e 1941 e entre 1944 e 1945.
A deportação dos alemães do Volga.
A deportação dos tártaros da Crimeia em 1943.
A deportação dos chechenos em 1944.
A deportação dos inguches em 1944.
O livro, entre outras fontes, usou material dos recentemente abertos ficheiros do KGB e de outros arquivos soviéticos.


Levantamento histórico e documental que traz à tona os crimes e horrores cometidos em nome do comunismo

http://www.slideshare.net/caixapretad ... -livro-negro-do-comunismo

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/07/2012 19:22  Atualizado: 06/07/2012 19:25
 Re: História Sucinta da Antiga União das Repúblicas Socia...
Em 1929, cerca de 20 milhões de propriedades familiares podiam ser encontradas nas áreas rurais da Rússia. Cinco anos depois, todas elas estavam concentradas em 240 mil fazendas coletivas
Stalin começou a estabelecer metas de produção de grãos impossíveis de serem cumpridas sem que os próprios camponeses morressem de fome. O não-cumprimento dessas metas era considerado sabotagem deliberada e, por fim, Stalin acabou por autorizar o confisco da produção para que se cumprissem as metas. As pessoas eram condenadas a dez anos de prisão por colherem batatas ou até por arrancarem espigas de milho nos pequenos sítios que o governo lhes permitia possuir.

O resultado era bastante previsível: as pessoas começaram a morrer de fome, em contingentes cada vez maiores, ao ponto de que o camponês que não aparentasse estar morrendo de fome era considerado suspeito pelos soviéticos. Conta um historiador que "um militante, ao fazer uma busca na casa de um camponês cujo corpo não tinha ficado inchado, finalmente encontrou um saco que continha farinha misturada com cascas esfareladas e folhas, jogando-o então no açude do vilarejo".

"Eu ouvia as crianças... engasgando, tossindo aos gritos. Era aterrorizante ver e ouvir tudo isso. Pior ainda era tomar parte nisso... Eu explicava a mim mesmo e me persuadia de que não devia me deixar enfraquecer e me entregar à compaixão... Estávamos cumprindo nosso dever revolucionário. Nós estávamos recolhendo grãos para a pátria socialista

Naquela terrível primavera de 1933, eu vi pessoas morrendo de fome. Eu vi mulheres e crianças de barriga inchada, ficando azuis, respirando ainda, mas com os olhos vagos, sem vida... Eu [não] perdi minha fé. Como sempre, eu acreditava porque queria acreditar."


fonte:http://www.midiasemmascara.org/arquiv ... or-e-fome-na-ucrania.html

Enviado por Tópico
sampaiorego
Publicado: 15/07/2012 17:55  Atualizado: 15/07/2012 17:55
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2010
Localidade: algures virado para o mar com gaivotas
Mensagens: 1150
 Re: História Sucinta da Antiga União das Repúblicas Socia...
como um vez tive oportunidade de te dizer o homem mais de / à esquerda que conheci era do cds (para quem não está dentro da nossa realidade partidária é o partido político[mais] à direita em portugal) - esse homem era o meu pai [saudade] - também hoje acredito que um dia. um dia que chegue rapidamente. com nova roupagem e com homens mais sábios. essa doutrina possa ser reinventada - não quero martelo nem foice. mas a estrela. essa que guiou os nossos homens pelos mares. essa. essa estrela. quero muito - este mundo necessita urgente de alguém que o guie para outro mundo - grito mas ninguém me ouve -

abraço