https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

(nadas) mãe de todos os silencios...

 
brota
de meus dedos
um querubim
fatias de vida
feitio de joelhos em oração.

decora,
meu interior
como se não houvesse paredes ou chão
um berço de asas
(enroscado no tempo)

planto então, silencio.
pinto dias de origami
em um vaso da dinastia Ming

o silencio mata, estuda-me
como promessa
descolorindo nadas

deslocado por seus olhos
(tal) palavra
que perdeu o direito
de me imaginar.
(...) então voa.



Vania Lopez


Devo confessar que sou o contrário, meus passos seguem em contrário.
Sou uma pessoa inquieta, vou onde meu vento me leva. Artista Plástica e escritora, as vezes sem saber se pintoraqueescreve ou escritoraquepinta...
Procuro por algo, mas a intenção n...

 
Autor
Vania Lopez
 
Texto
Data
Leituras
1427
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
24 pontos
16
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 25/09/2013 03:04  Atualizado: 25/09/2013 03:08
 Re: (nadas) mãe de todos os silencios...
num tópico no fórum, pergunta-se: o que é poesia? e eis que tentei me fazer entender; 'poesia não é absolutamente nada, e é tudo que ao bel prazer de cada um, se ri, chora e canta... se vive. se mata, morre. cai e levanta.". e aqui, você, mininadiminas, dizes tudo que eu gostaria de ter dito; colhes com fartura o tanto do que semeias de poesia nos silêncios, o tanto de melodia que pões dos versos/canções, o poema é vaso de fina porcelana onde guardas as palavras.
bj e aquele meu abraço tão caRIOca


Enviado por Tópico
Asnoréctico
Publicado: 25/09/2013 18:07  Atualizado: 25/09/2013 18:07
Da casa!
Usuário desde: 12/06/2013
Localidade:
Mensagens: 283
 Re: (nadas) mãe de todos os silencios...
O titulo só por si só nos espanta de beleza e no silencia …
As imagens que o poema nos dá, nos fartam de beleza e nos prendem, a essa atmosfera poética e cinematográfica das suas palavras….
Talvez nos “nadas “ nascem nas telas empaladas, tintas de chuva, que por vezes alagam os sentidos… mesmo assim acto de criar a verdade na transparência do tempo (silêncio), alimenta o metabolismo próprio de um artista ou de um poeta.

Obrigado amiga Vânia e parabéns pelos “nadas” cheios de si, ou seja, um lago feito de mar doce …

Um abraço .


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/09/2013 01:30  Atualizado: 26/09/2013 01:30
 Re: (nadas) mãe de todos os silencios...
Pois é , querida Vânia,

fazes o que bem queres com as palavras, enches os 'nadas' de emoção com.sentido. A linguagem e esta aqui , que se deleita... agradecemos. Adorei!


Bjs,


ALICE


Enviado por Tópico
Sterea
Publicado: 26/09/2013 09:28  Atualizado: 26/09/2013 09:28
Colaborador
Usuário desde: 20/05/2008
Localidade: Porto
Mensagens: 3397
 Re: (nadas) mãe de todos os silencios...
...senti-me dentro do poema. senti, e tu sabes que senti...

tão lindo, Vânia! (mas isso também sabes que sinto...)


O meu beijinho de sempre, presente, mesmo quando ausente.


Teresa


Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 26/09/2013 21:37  Atualizado: 26/09/2013 21:37
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Fortaleza - Lisboa
Mensagens: 3687
 Re: (nadas) mãe de todos os silencios...
"planto então, silencio
o silêncio mata" e como descolora os nadas, que então voam. Ah como eu gosto do silêncio, deste teu, "como se não houvesse paredes ou chão". Bravo. Obrigado.

Agradeço-te Poetisa.


Enviado por Tópico
martims
Publicado: 29/09/2013 11:22  Atualizado: 29/09/2013 11:22
Colaborador
Usuário desde: 12/08/2013
Localidade:
Mensagens: 6798
 Re: (nadas) mãe de todos os silencios...
Seus poema são as verdadeiros encantos das palavras. Quanta maravilha. Fica o meu abraço


martims


Enviado por Tópico
veríssimo
Publicado: 25/10/2013 18:58  Atualizado: 25/10/2013 18:58
Colaborador
Usuário desde: 31/12/2008
Localidade: Contagem - MG
Mensagens: 815
 Re: (nadas) mãe de todos os silencios...
Minha alma grita, como grita um pincel de Picasso, ao enfrentar uma tela virgem...
cala-te ainda mais silêncio e desnuda por inteiro meu grito, talvez assim, mate minha alma te tão belo encanto, quanto fica, ao ler as belezas, que são seus textos, me confundem e me acabo por misturar entre palavras, silêncios e tintas de um pincel louco, pintando e dando cor e vida à vida.
Lindo seu texto.
Mais um lindo.
Acabo-me por tornar suspeito, de tanto encanto. Abraço amiga e parceira...a parideira das mais belas poesias das nossas Minas, quiça, de outros tantos lugares. Abraço...Veríssimo.


Enviado por Tópico
RaipoetaLonato2010
Publicado: 23/02/2014 19:34  Atualizado: 23/02/2014 19:34
Colaborador
Usuário desde: 13/03/2010
Localidade: Paulínia-SP
Mensagens: 2687
 Re: (nadas) mãe de todos os silencios...
Ao ler teu poema, voamos com os olhos úmidos e exaltados, deslocados no azul,horizonte do nada.