https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

soneto do sol germinal

 

Dizem que nos idos d’ abril ao mar se largou, antes um mês;
do meu nascimento passado, para ele a mais infausta notícia;
soube-o vivo minha mãe quando recebeu um perfume francês,
pelo correio chegado de terras distantes, uma vez da Galícia.

Ninguém mais o viu depois que da fragata ganhou o mundo;
quando comecei a engatinhar pela sala entre móveis antigos
crescendo solitário e triste, e de tantos sofrimentos fecundo,
fugaz apareceu uma vez em julho, só para beber c’os amigos.

A cada ano - find’a primavera, quando sint’ o sol d’um abril,
é como se dele[o sol] ’tra vez recebesse as mesmas caricias,
deslumbrando-me sob um velho salgueiro em doces delícias.

Jamais veio me conhecer, nem ao salgueiro, agora senhoril!
Dizem que se casou com uma rameira com sifilis terminal,
mas continuará a me aquecer e ao salgueiro sol germinal.

 
Autor
ReflexoContrito
 
Texto
Data
Leituras
261
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/11/2015 03:13  Atualizado: 19/11/2015 03:13
 Re: soneto do sol germinal
Sinto que o embate entre pai e filho suavizou.