https://www.poetris.com/
Sonetos : 

Soneto da expiação dos pecados ignatos

 

Se tivesse a expiar tal os pecados em si ignatos,
de seiscentos rubros diabos malditos adquiridos,
do destino da alma seriam de prumos e exatos,
nos desenhos dos esboços do mal entanguidos.

Não amaldiçoaria ter sido sua mãe a prostituta,
que com a tristeza o corpo vendia às tentações,
da má própria figura execradas da mente astuta,
do pai que não teve e só ele clama em negações.

Ah! Quanta tristeza e dor a rasgar esse seu carma,
fruto foi da paixão da pecadora para ele avassalar,
soer a cruz só valia qual aquela Cartuxa de Parma?

Mas,enfim, todos dizem que por amor vale a pena,
válido qualquer castigo que queiram por ele tomar,
qual ora tecidos de raios de estrela tomada amena.







[ ....... e que te atormentem o sono amaldiçoado as hostes dos seiscentos e sessenta e seis mil diabos discípulos de Belzebú, à direita de Satã com seu anel de rubis.......... ]

 
Autor
ReflexoContrito
 
Texto
Data
Leituras
168
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 12/12/2015 22:42  Atualizado: 12/12/2015 22:42
 Re: Soneto da expiação dos pecados ignatos
Por amor vale as penas, desde que ele seja real e não fruto de ilusão.