https://www.poetris.com/
 
Textos : 

monotonia

 
Tags:  republicação  
 
cristãos-novos enfrentam batalhas plásticas, fazendo de si mesmos seus próprios mercenários e alinhando-se nas trincheiras e na terceira pessoa. ordenando e coordenando ataques numa guerra, as faces reais permanecem impávidas na corte. em outro córner, um bufão de esgar sóbrio cria e atura de si mesmo um monólogo bifurcado, enfrentando o espelho, ansiando que este lhe dê uma visão diferente de sua própria. mais além, numa cadeira de espaldar alto, está o comendador, que chora de barriga cheia. por vezes, interrompe seu choro para observar uma mosca que busca em vão prolongar seus dias sobre um prato de comida macrobiótica.

então o comendador levanta sua mão.

de repente, todos param. para o choque entre espadins, cessam os gritos de guerra, as juras de morte, os desejos de sangue. dos dois lados, os guerreiros aguardam ordens. não se ouve mais o bufão. seus tiques dramáticos são substituídos por braços retos. sua sobriedade esvai-se numa cara de espanto. o mundo inteiro entra em colapso ao ver o comendador levantar a mão.

num átimo, sua mão cai sobre a mesa, causando um estrondo digno de malhetes. todos se rendem à solenidade daquele gesto e esperam. passa-se uma eternidade.

ao ver que todos o encaravam, o comendador ergue a voz, triunfante:

- matei!


alguns anos de solidão - blogue

"ah, meu deus do céu, vá ser sério assim no inferno!"
- Tom Zé


 
Autor
Caio
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1511
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 09/06/2017 13:10  Atualizado: 09/06/2017 13:10
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1943
 Re: monotonia
“Hoje estou sem palavras” gastei o que produzi