https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

o fundo dos olhos

 







Do fundo do levante, do azul profundo,
chegas nas marés
para me ofereceres o teu sonho.

Em mistério, abres as margens,
jorram dos teus olhos
as águas que nos unem
como palavra que se une à poesia.
Num mar semeado
com os traços do teu corpo, entro em ti.

O sibilo do vento corre entre nós,
vem guardar os ecos da vontade
na abertura da tua boca
onde quero ser amado.
Na barca que te rompe o ventre, quero adentrar
e na cor do instante
que se solta dos teus olhos, quero estar.

No momento do desejo, os teus olhos
acordam o mar
e na imensidão do fundo
tornamo-nos pássaros.
É com o fundo dos olhos que nos amamos.













Zita Viegas















 
Autor
atizviegas68
 
Texto
Data
Leituras
1142
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
21 pontos
7
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 15/12/2017 16:49  Atualizado: 15/12/2017 16:49
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12449
 Re: o fundo dos olhos P/atizviegas68
Adorei! No fundo dos olhos está a nossa alma com todo o amor e sentimento mas é preciso ser um leitor enamorado inequívoco
que se apaixone pela leitura do amor... BEIJINHOS E UM SANTO E FELIZ NATAL Vó



Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 18/12/2017 12:34  Atualizado: 18/12/2017 12:34
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29155
 Re: o fundo dos olhos
Poema maie que belo. Lindos momentos que os corpos se pedem numa luxuria onde o desejo é pleno


Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 27/12/2017 16:22  Atualizado: 27/12/2017 19:55
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1863
 Aurélio Mesquita - Escombros -
Open in new window









No fundo os olhos, os ombros
Se crêem livres, os dois braços
Sendo iguais um e outro, deuses
I'nda que em mim somente cansaço

No fim dos olhos sem cores desertos
Baços e as mãos sem os deter
Ao caírem do meu rosto malmequer
Bem-me-quer tudo-ou-nada

Confundo o silêncio com o que digo
Como se fosse artifício a fala
E o corpo quem me sonha plos dedos
Pra me crer livre quando ponho o céu

Em fundo, no sopé dos olhos meus