https://www.poetris.com/
Poemas : 

QUANDO ESCREVO

 
Tags:  Poema; escrever.  
 
Quando escrevo,
Uma parte de mim morre
A outra grita.

Quando escrevo,
Os meus olhos cegam, 
Minha alma se ilumina.

Quando escrevo,
As correntes já não pesam,
Minha mente... libertina.

Saio e volto a mim,
Resta pouco e tudo me falta ainda,
Quando escrevo.



Gilquele Gomes de Araújo
Iguatu/Ceará/Brasil
Direitos Autorais Reservados
Lei N° 9.610 de 19/02/1998

 
Autor
Gilquele
Autor
 
Texto
Data
Leituras
163
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
19 pontos
5
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 01/05/2020 18:38  Atualizado: 01/05/2020 18:38
 Re: QUANDO ESCREVO
É belíssimo isso, há mesmo necessidade dessa sensação de tudo faltar, pois aí (co-)criamo-nos, fazemo-nos caleidoscópio, dezenas de minúsculos uni-versos espelhados.

Parabéns pela composição. Um forte abraço!

Enviado por Tópico
Marineuza
Publicado: 01/05/2020 23:54  Atualizado: 01/05/2020 23:54
Super Participativo
Usuário desde: 08/04/2020
Localidade:
Mensagens: 169
 Re: QUANDO ESCREVO
E continue a escrever. Porque quando escreve leio com prazer

Beijo

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 02/05/2020 06:55  Atualizado: 02/05/2020 06:55
 Re: QUANDO ESCREVO
eu gostava de saber escrever, mas de facto não sei, no entanto quando borro a pintura é como se fosse a espanha dançar com a princesa do monaco. que mulher... a vida anda para trás e para frente, a miséria desaparece e o luar é elouquente e dançamos loucos de paixão num doce e infinito êxtase... devo dizer que normalmente acordo nu. fui acusado de afogar a italia de tanto me vir! pois... eu nem tenho culpa, a rapariga é mais medicinal que o paraíso! eheh

BOM DIA

Enviado por Tópico
Ricardo_Barras
Publicado: 18/09/2020 02:58  Atualizado: 18/09/2020 02:58
Da casa!
Usuário desde: 03/04/2011
Localidade: Lisboa, Portugal
Mensagens: 384
 Re: QUANDO ESCREVO
Quando escrevo, penso no que escrevo, aceito aquilo em que penso.
Nada morre, nada grita, nada se perde, tudo se transforma. A escrita é antes o equilíbrio que permite à balança voltar a tender para o futuro, para não estarmos a ser arrastados pelo passado. É uma forma de fazer as pazes connosco.
Fica o pensamento