https://www.poetris.com/
Poemas : 

Bebe-me a alma e morre em mim.

 
Os teus olhos meu amor, são como o sossego
das baías plácidas, espairecidos nos meus.

O teu olhar é como o véu da neblina que se abre
ao sol que se espreguiça lentamente,
para me olhar com os seus raios cintilantes,
e permaneces em mim, nesta brisa que me toca,
como um arrepio quente no movimento lento
das tuas mãos.

No entardecer dos teus olhos calam-se os gestos,
para irromperem os silêncios dos sentidos.

E há margens de amor na polpa dos sonhos,
O tempo cresce e com ele crescem as vontades,
os dias e todas as horas, e o que ouço?

Ouço a melodia afinada da tua voz murmurar-me
o canto do amor, e eu que quase inexistia antes de ti,
falo-te naquele timbre de voz cuja profundidade enleia,
perto, bem perto de ti...

Olha-me demoradamente meu amor, até coexistires
na contemplação e depois, depois segura as minhas mãos,
bebe-me a alma e morre em mim.

(Alice Vaz De Barros)


Alice Vaz De Barros

 
Autor
AliceVazDeBarros
 
Texto
Data
Leituras
82
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ALFA
Publicado: 14/03/2021 12:12  Atualizado: 14/03/2021 12:12
Colaborador
Usuário desde: 14/04/2015
Localidade:
Mensagens: 1084
 Re: Bebe-me a alma e morre em mim.
Nesse morrer apaixonado
Depois da alma possuída
De um amor aprisionado
Volta de novo a ter vida!