https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Privê

 
Vieste... Chegaste lírio
Então me fiz eu de planta
Depois eu me fiz de rio
Quando vieste de santa.

Como sombra tu chegaste
Num dia de sol luzidio
Vieste como um vento frio
Balouçando flâmulas e hastes.

Depois, muito estranha,
Vieste "fog" de densas brumas
No momento me fiz montanha
Para reter as espessas espumas.

Então viraste chuva suave e leve
Perolando a pelúcia do relvado
Feliz, eu não me fiz de rogado,
Sorvi gota a gota na minha pele.

E imitando as monções indiana
Vieste muitas, torrenciais e tantas
Então fiz fortaleza da nossa cabana
Para as noites amorosas e mansas.

E meu coração se desfez em festa
E o meu ser se fez outro no teu ser
E se fez luz e luar no meio da floresta
No momento único, sensual e... Privê!


Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
238
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Keithrichards
Publicado: 04/01/2022 15:24  Atualizado: 04/01/2022 15:24
Colaborador
Usuário desde: 17/03/2014
Localidade:
Mensagens: 2629
 Re: Privê
Um belo poema, expressando de forma sublime, momentos belamente íntimos...parabéns meu amigo, um abraço!


Enviado por Tópico
(Namastibet)
Publicado: 04/01/2022 15:39  Atualizado: 04/01/2022 15:39
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1474
 Privé
Open in new window