https://www.poetris.com/
Poemas : 

Homérico Mefistófeles

 
A brisa quando sonha quem a leva
Quebranta o sol do mundo em dois em dois
Deixa uma trinca triste no depois
No sofrimento desde Adão com Eva.

Se o sonho do seu útero que espera
O filho de um futuro equidistante
A luz solar revela em seu semblante
Que o medo que transforma, regenera.

E quando o sol de gelo em primavera
Fazer a rocha vil mudar de cor
Pelo jardim da lua um beija-flor
Aguarda retornar a besta fera.

Quando surgir um vulto em tal caverna
Platão perecerá em seu saber
Em sombras que um Fausto faz gemer
Druidas, Mefistófeles etcetera.

E assim angeliciais augustos versos
Tecem manhãs de galos cabralinos
Castros negreiros versos nordestinos
Homéricos dilemas submersos.

Rosa do Guimarães e de Pessoa
Daquele que cantou a pobre Ismália
De um Dante destruído na Itália
Que a tradução indígena destoa.

E descortina a calma e os instantes
Revelações de pássaros divinos
Que o Homem é o mesmo Pai e o mesmo Filho
Que o tudo e o nunca mais é como dantes.

E neste instante já agora e aqui
Eu findo este poema sem canção.
Quem não tiver moinhos, meu irmão,
Jamais será Quixote de Dali.








Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
155
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
sendoluzmaior
Publicado: 21/01/2022 19:51  Atualizado: 21/01/2022 19:51
Subscritor
Usuário desde: 01/05/2012
Localidade: Belo Horizonte
Mensagens: 1075
 Re: Homérico Mefistófeles
Apreciei a leitura