https://www.poetris.com/
Poemas : 

A Cidade de Papel

 
Na cidade de papel o céu ardia em chamas.
Eram nuvens incendiárias com mais de mil megatons.
Uma orquídea vicejou no asfalto
E o que era semelhante ao vidro
Simplesmente se evaporou .

Lembranças de antanho de algo que não se viveu.
Reminiscências antigas de intrigas que não se previu.

Quando passou aquele cometa
Algumas senhoras caíram de joelhos
E pediram aos deuses, em suas orações,
Que daquele trigo não fosse mais feito o pão.

E os cabelos do príncipe,
Não o de Maquiavel,
Nem o de Exupéry,
Mas do Enola Gay,
Lembraram à atmosfera do porvir do aloirado cogumelo que feriu aquele azul.

Quem se lembra da menina do diário nazista?
Quem, além de mim, lamentou a morte de Bertold Brecht?
Nenhum de Nós cantou a Marselhesa
No aniversário de morte do corso Napoleão.

O homem de lã parecia ao rei nu.
Em milésimos de segundos todas as crianças estavam mortas.

Os carros pararam na contramão.
Os pássaros voaram até morrer.
As mãos fizeram orações
E no céu um novo sol foi impedido
De nascer.

Não pude conter o meu grito de horror.
Não pude sequer segurar com as mãos.
Tentei sorrir, mas de tristeza eu chorei.


E o homem de lã apertou o botão.
A cidade de papel se calcificou com as chamas
E a única orquídea que brotou no asfalto morreu
Negando ao futuro o legado da nossa miserável existência.





Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
159
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
14 pontos
0
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.