Poemas : 

Confessionário

 
Tags:  violência doméstica  
 
Fiz-me de vítima
Fiz-me de agressor

Fiz-me agressão

Não há
meia desfeita

Não há ato de contrição


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra, não respondo.

Quantas mais mulheres terão de morrer??
 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
145
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
26 pontos
2
4
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 30/05/2024 00:14  Atualizado: 30/05/2024 00:14
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18321
 Re: Confessionário
Grande, soberbo, imenso. Genial. Não sei a resposta à tua pergunta. No Brasil, a cada três horas, uma mulher é assassinada. A única alegação, pasme; não aceitam o final do relacionamento. Essa é a agressão fatal. Esse silêncio é de décadas, só agora timidamente essas mulheres falam. A maioria é silenciada antes. Assisti um filme na HBO, que mostra o abuso no olhar da mulher… me rendeu um poema inacabado. Se gostei?! Bjs

Enviado por Tópico
MarySSantos
Publicado: 09/06/2024 13:32  Atualizado: 09/06/2024 13:32
Usuário desde: 06/06/2012
Localidade: Macapá/Amapá - Brasil
Mensagens: 5788
 Re: Confessionário/ ao Rogério Beça
a mulher perdeu a
liberdade quando
disseram que foi feita
da costela do homem,
e a mulher assimilou
a fragilidade ao entender o quanto
é fácil quebrar uma costela.
A mulher é muito forte
mas não se preparou
para entender sua força e com isso, perde

É tão bom te ler,
Rogério

Grata.