https://www.poetris.com/
 
Contos : 

Que noite, que mulher!

 
 
De noite, espero-te à tua porta. Apareces...
Momentos assim deveriam surgir diante de mim em câmara lenta, bem devagar. Sinto-me egoísta, quero parar o tempo para que possa absorver cada passo teu, cada jeito do teu vestido em cada movimento do teu andar.
E o teu sorriso. Esse teu sorriso...Bem que a lua se podia multiplicar por mil que não iluminava a minha noite como o teu sorriso. Fechas a porta. Cheiras a mar em dia de Inverno, perfumas o ambiente, a minha roupa e o meu corpo também.
Pelo caminho, contas-me como foi o teu dia, ris em voz alta, sem inibições e sinto-te alegre, alimentas-me a alma a cada gargalhada.
Saímos, jantamos, conversamos mais um pouco.
E volta de novo, o egoísmo apudera-se de mim em mais um momento em que quero que tudo páre e só tu, apenas tu, dances junto a mim. Voltam a ser os teus cabelos que rodam, os teus olhos que brilham por entre as luzes, o teu corpo que desliza, que me toca, que me provoca e dás-me sem qualquer aviso ou permissão a banda sonóra de uma vida, o som do teu beijo...música nos meus ouvidos.
Já de volta, à porta de tua casa páras diante de mim. Tocas-me o rosto e com um sorriso de satisfação, com um brilho no olhar, focas os meus olhos como quem foca uma mira e dizes-me num tom tão doce quanto sincero: "Que noite. Obrigada"; e voltas para casa, com a mesma graça com que saíste, em camâra lenta. De volta a minha casa, recosto-me no banco do jardim e suspiro fundo. Tento absorver toda uma noite num só momento.
Qual lua, qual perfume, qual jantar ou qual dança...Apenas tu, que noite, que mulher. Obrigado eu.

 
Autor
CarlosFélixRodrigues
 
Texto
Data
Leituras
442
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.