https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de zakastraszkas

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de zakastraszkas

"Libertas"

 
Liberto-te.
Terás, assim, o direito ao refúgio.
Em ti, de ti para ti.
E no fim verás que também eu me libertei.
De mim para mim, em mim.
Iluminar-nos-emos e renasceremos.
O novo eu será isso mesmo: novo.
Será mais eu,
Será mais tu.
Será mais nós.
Seremos novos caminhos para quem nos quiser trilhar.
No entanto, existirá sempre a sinuosidade…
 
"Libertas"

Florbela, espanca-me...

 
Desculpa lá Florbela mas, amar perdidamente só a mim!
Não como o Narciso, que esse acabou mendigo do próprio corpo.
Mas amar a carne, os ossos e a pele. As mãos, os dedos e as unhas. Os nervos, as veias e o sangue. Tudo aquilo que me faz. E aí sim, serei mais alto, serei enorme.
E, assim, poderei perder-me de amor, nem que seja pela poesia, pois quando o vulcão vier e estoirar, saberei onde encontrar-me.
Depois, talvez o poeta…
 
Florbela, espanca-me...

Dolore

 
O amor só será amor
Quando dele provarmos a dor.
E aí as palavras só serão precisas estando caladas.
Outrora senti o amor, aquele pelo qual morreríamos.
Então provei a dor e morri.
Quando renasci trouxe comigo um pedaço de carne esburacado,
É por ali que não sinto dor, a dor de ter amor.
 
Dolore

acordes dissonates

 
Sou um alvo perfeito da banalidade.
Ainda vou a tempo de me desviar. Talvez.
Perco-me em acordes dissonantes que não levam a lado nenhum.
Dois ou três acordes. Sempre os mesmos.

Porque canto tão mal a minha vida?

Sou um actor em cena, no palco.
O palco é um mundo de máscaras, e este mundo é um palco, mascarado.
O actor, quando sai de cena desmascara-se. Assume o seu eu.
Eu não.
Eu estou sempre em palco.
A máscara cola-se-me como se quisesse assumir-me.
E eu, só sei dois ou três acordes.
Banais.
 
acordes dissonates

Mors

 
Sei que virás ao meu encontro.
É a inevitabilidade no seu estado mais puro.
Mas quando vieres, avisa-me,
pois quero sorrir
para que as nuvens me recebam em festa.
O medo vai deixando de correr em minhas veias,
o que sinto é pena.
A cada segundo que o cerco se encurta, aumenta a pena que sinto.
Peço-te uma única coisa: serve-te dum relógio bem grande e dá-me tempo para mais uns quantos onirogmos.
Eu sei que para ti o tempo é somente feito de espera. Não passas de uma puta sem cona.
Ao menos tivesses uma.
O tempo é feito de sonhos, e os sonhos precisam de tempo, por isso, dá-me corda.
Sabes, não tenho medo de ti.
Quando chegar a minha hora só irei ter pena de não ouvir o segundo seguinte.
 
Mors