https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de rubens j.de Oliveira

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de rubens j.de Oliveira

Farmacêutico-Bioquimico
Membro da academia mineira de Médicos escritores.
Cardiologista-Med.Interna
Quatro livros publicados:Reminicências
Sonetos em dó maior
Caleidoscópio
Coletâneas

O Riacho

 
O Riacho
Quão extasiado eu fico ,
Pela mansidão do riacho
Que dando gritinhos
Começa bem devagarinho
Sua trajetória no mato!

Tranquilo e muito prudente
Vai dando voltas sem cansaço
Banhando terras e matinhos
Vencendo ,sem muito compasso
As rudezas do seu caminho

Assim ,também é nossa vida.
Possui a mansidão do regato
A beleza da cahoeira e do mato
A fôrça da corredeira
A não parar ..até o infinito do mar....

Rubens
Reconheço

De mim conheço
E reconheço
Infinitude e nada.
Meu mar não me cabe
Se espraia além ..
Deságua em vastos oceanos
A esfera do sagrado .
É o meu plano
Mesmo nos aspectos mais profanos.
Não esqueço donde venho
E creio desde o aquém de mim
Ao presente altar
De alegria e sacrifício.
Trancendo além
Rumo a paz sem fim....

Rubens :
 
O Riacho

O Grande Conflito

 
Deus costuma usar a solidão para nos ensinar sobre a convivência .
Às vezes usa o conflito ,para compreender o infinito valor da paz.
Outra vezes usa o tédio ,quando nos quer mostrar a
importância da aventura e do abandono.
Deus costuma usar o silêncio para nos ensinar sobre a responsabilidade do que dizemos.
Às vezes usa o cansaço para compreendermos o valor do despertar.
Usa outras vezes a doença ,quando quer nos mostrar a importância da saúde.
Outras vezes usa a morte ,quando quer nos mostrar a importância da vida.

Rubens
 
O Grande Conflito

Devaneios

 
Semi encarquilhado
Em dorso errante
Passos arrastados
Ohos profundos
Lagos lacrimejantes
A pele ressequida,e fria
Misterioso
o seu interior
O seu balanço é neutro
Filtra os pensamentos
Sem saber o que restou
Para o que viveu
E se sabe não o diz
Eterno aprendiz
Jamais o decifrei
Agora resta a penas
A sensação vazia
Do que houve entre nós
E uma ponta de saudade
Que acontece a certos pais
Que acontece a certos filhos
Rubens
 
Devaneios

O que Falar

 
Há muitos quilômetros de tudo
Numa profundidade insustentável
Onde fui esquecido..
Nem sei o endereço.
Só tenho de mim a superfície
E o mergulho pode ser sufocante.
Tento ser anfíbio ao inverso
E despejo em versos
Tudo que me afoga.
Enquanto aspiro a mão que afaga
E fujo do frio sinistro das adagas
Que penetram a lama sem cortar
Vou alem de fantasia
Porque o concreto deste dia
Me chama ao compromisso

Teclo
Penso
Emudeço
E nem mais sei o que falar
Rubens
 
O que Falar

Vida

 
Insetos no ar
Brisa do mar
Sonhos do anoitecer

No jardim a flor
No lar o calor do amor..

Pasarinhos no ninho
No caule o linho
Tecido com carinho

Na colmeia ,o mel ,
Horas amargas sem o sabor de fel
Reste entre nós
Frutífero vergel.

No berço a criança
Na terra a bonança
A fé no trabalho como no.... templo
Para deixarmos exemplo

Na escola a instrução
Futuro desta nação
Centrada no homem a ação.

No pulsar dos dias resplandece
A beleza do ser e
O Fulgor do amor permanece.

Pela vida sem cessar ficaremos atados num laço
sem dor.
Esperando sem sacrifícios ,doação e perdão sem mágoas..
Levaremos êste barco a navegar nas águas ..
Até que um dia nos leve o CRIADOR.

Rubens
 
Vida

Lamento aos Banqueiros Internacionais

 
Absorto...
Olho o mundo financeiro cruel e imundo
mergulhado em tremendo mal,
por banqueiros assassinos ,em cobiça universal.

Não mais a noite soturna
Nem a briza matutina
Sinto "asco" destas bestas sem rima.

Irão jogar o mundo em brutal recessão
Sem tomarem nenhuma precaução.

Que fique mais negra a treva
Mais triste o gemer do vento ameno
Mas que a humanidade os faça beberem o seu própio
veneno.
Rubens Oliveira
 
Lamento aos Banqueiros Internacionais

Madrugada

 
A Madrugada de leve se levanta
Formando no horizonte uma corola
De matizes misturadas de esperanças
De novas chances o dia se arrola !

Logo o frio da noite se esvai
Surgindo leves matizes no arrebol
Anunciando o nascer do velho sol
Na saída da madrugada que se vai...

Agradecidos ,nos postamos
Pela vida ,pelo sol e a magia
Em respeito nos curvamos
Recitando uma prece em melodia.

Rubens
 
Madrugada

As borboletas

 
Como são bonitas ao levantarem em revoada
Parecem as andorinhas em debandada.
Em rítmo suave ,vão e voltam na relva..
Douradas,vermelhas,azuis..vão voando sem fim
Deslizam para o infinito
como um serafim..

Logo ali..um riacho doce oferece a sua orquestra direitinho.
Com rumor das águas..ora cachoeira ..
Ora borbulhar de mansinho.

Batem as suas asas ,incessantes,
com fôrça ,vida ,rítmo e beleza
de uma bailarina.
Belas ..resplandescentes balançam perfeitas
como uma dançarina.

A tarde vai caindo, e os últimos raios de sol...
aos poucos vão se esmaindo
As belas dançantes se recolhem,com graça e já vão
indo..
O espetáculo de sincronia divina lentamente
vai mudando
Eu,extasiado,mil graças vou dando...
daquele dia lindo.

Rubens
 
As borboletas

O Fluxo da Vida

 
Quando chego a uma cachoeira
E contemplo aquela corredeira
Desnorteada,indecisa a passar
Procurando ligeira romper caminhos
Para no espaço se lançar

Percebo na beleza da natureza
A sinfonia de DEUS a criar.
Num murmúrio sempre constante
Naquele ruído bem conflitante
Procurando no atual instante
Os obstáculos,vencer e passar.
às vezes o invisível destino
Cerca-lhe a correnteza a passar
O fluxo encurralado se estaca.
Sem ter para onde espalhar.
Surpresas...as águas em poças cercadas
São obrigadas a estacionar.

Mas outro braço da correnteza
Mais forte e destemido
Nunca para de caminhar
Sabe do caminho a ser seguido
Para ultrapassar os empecilhos
Faz lindas acrobacias no ar.

Se os obstáculos da vida forem enormes
Para ultrapassá-los deveremos
Imitar a CACHOEIRA
Dando saltos grandes ,intermitentes
A todos venceremos e,novamente
O caminho,em frente seguiremos.

Rubens
 
O Fluxo da Vida

O dia

 
Se espraia o novo dia
Ergue-se no horizonte como magia
Cumpre-se determinado tempo,e se guia
Em direção a finda tarde que se vai...

Assim é nossa vida :Tudo a contento!
Ora governa o negro da noite fria
Ora a claridade de novo dia
Que permanece iluminando a seu tempo.

DEUS
Obrigado pela noite que sendo negra
Oferece-nos a lua como guia
Obrigado pela luz desse evento
Concretizado pelo nascer do dia ..

Rubens
 
O dia

O Vazio da Alma

 
O vazio da Alma

Vida
imersa em tristeza,
na solidão que se segue às perdas irreparáveis .

O vazio enche a alma
Dilue-se a certeza
avoluman-se as dúvidas
desaparece a grandeza,
e minúsculas imagens se agigantam.

Nêsta estágio de infinita claridade
o homem consegue lapidar pedaços de sua consciência ,
e num esfôrço supremo
consegue transformar em jóias verdadeiras
as pedras brutas do seu própio ser.
 
O Vazio da Alma