Poemas, frases e mensagens de vandin99

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de vandin99

Facebook Vandin QG

Sucinto

 
Escrevo simples sincero e singelo
Inspiracao do andarilho de chinelo
Simples senti escrevi
Escrevi o que senti
Vida no papel ou meu papel na vida?
Linhas tortas ou uniformes ? O que vale e a escrita
E que ela seja infinita
 
Sucinto

O homem que nao tinha nada

 
Era um homem que nao tinha nada mais tinha um coraçao de menino
Ele andava a pe pelas calçadas e era forte apesar de ser franzino
Seu coraçao era forte guerreiro e sonhador
E ele continuava sorrindo apesar de seu caminho ser de sofredor
Ele nao tinha nada entao usava roupa usada
Ele so tinha um caderno e uma caneta que era o que sua alma precisava
Ele ali descrevia o por do sol e o nascer da lua
E onde todos so viam lixo ele ainda via cor nas ruas
Ele descrevia o sorriso da sua amada que era sua alegria
A distancia nao influia em nada ja que ela estava presente em sua poesia
O homem que nao tinha nada tinha conhecimento e sabedoria
E entre businas motores e apitos ele ainda ouvia da vida uma doce melodia
O homem que nao tinha nada dava um tapa com luva de pelica
A quem vivia de aparatos na ilusao e ele de pe no chao so exibia uma alma rica
 
O homem que nao tinha nada

O Eu Cinico (inspirado no poema o plagio esta a solta do Upanhaca)

 
Se escrevo um verso alheio
Com minhas palavras
Sera mesmo que e meu sentimento que leio ?
Sera mesmo que escrevo aquilo que creio?
Por onde anda o meu eu lirico?
Sera que se tornou meu eu cinico?
E o que aconteceu com a inspiraçao pela vida pelas flores e pelas mulheres?
Nao sei! Acho que virei uma fabrica de produçao em serie
Muita quantidade
Pouca qualidade
Um vago eco de vaidade
E praticamente inexiste verdade
 
O Eu Cinico (inspirado no poema o plagio esta a solta do Upanhaca)

País da bunda

 
Vamos tirar o brilho das estrelas e do hino junto com a ordem e progresso da bandeira
Pular na pipoca ao som do hit da micareta para esquecer que a fome tambem habita em terra brasileira
O samba de carnaval com bateria nota 10 alegoria
10 em harmonia enquanto a mulata samba e os olhos negligentes observam o desfile a mente reclusa paga a garota que vende seu corpo a uma alma fria
Vamos abafar o grito as margens do ipiranga
Nos deixando ofuscar pelo brilho das miçangas
Purpurina brilha no corpo da globeleza
Diluindo o raciocinio do país do futebol que vive abaixo e acima da linha da pobreza
Ta faltando consciencia
Para o povo que nao sabe usar nem a violencia
Uma naçao tao vasta que tem uma cultura latente
Que exporta corpos ta na hora do país da bunda se tornar o país da mente
 
País da bunda

Rumo ao norte mais ao norte esta maringa

 
Fui obstinado a desembarcar em rio grandina mas peguei o santo andre
Desci no sao cristovao o resto fui a pe
Caminhei sozinho pelo deserto ate encontrar agua da arvore
Vi o passado onde as pessoas era pretas e brancas como marmore
Elas engordavam de fome e procuravam com paciencia
Pra nao servir ao tiro de guerra um comprovante de residencia
Do maria teresa e a pergunta e quanti qui ta ?
So sei que vou rumo ao norte mais ao norte esta maringa...
 
Rumo ao norte mais ao norte esta maringa

Inumanos

 
E cada um com seu umbigo
Seres inumanos competidores de orgulho ferido
Irracionais desleais atuantes por instinto
Seres corroidos vivem por si desde que seus cordoes umbilicais foram rompidos
Ingerem doses de egoismo
Injetam na veia o cinismo
Inalam seu poder ficticio
E vomitam suas leis sem sentido
 
Inumanos

Utilidade Operaria

 
Utilidade Operaria

Dentro dos seus carros com ar condicionado eles decidem
O que nos oprime semeiam discussoes que nos dividem
Aumentam passagens de onibus nos prendem na rotina
De gerar lucro a custo de entregar nossa vida ao trabalho quase escravista
Nos poroes das fabricas capitalistas
Esgotam crianças idosos alimentando a maquina consumista
Enquanto nosso sangue e suor coloca a sua imagem nas capas de revistas
Reluz o brilho do seu ouro no mundo escuro
A custo de paradas cardiacas pulmonares socializando a miseria nos lares
Ha 500 anos nos dominam discriminam subestimam tomam nossa terra invadem nossos mares
Nos poem nas plantaçoes
Tiram o folego do nosso peito arrancam a esperança de nossos coraçoes
Arrumam um pedaço de terra e enchem com indigencia nossos corpos presos a seus grilhoes
Liberdade dada por voces sera nosso repouso nos caixoes
Nossa alforria sera quando nossa força se esgotar e nao formos mais uteis a nossos patroes
 
Utilidade Operaria

contradiçao ( hino nacional )

 
Silencio as margens do ipiranga cala se o brado
Do povo heroico traz se o choro melancolico e o murmurinho acomodado
O por do sol da liberdade escassou seus raios
Apagou no ceu da patria trazendo um eclipse que apagou ate as estrelas do labaro
Com braço forte conquistamos a igualdade e se o penhor
E o nosso peito a propria morte surge a corrupçao e o teu futuro espelha a terra seca de esperança e amor
Teus risonhos lindos campos desmatamos
Nossos bosques habitam a morte nas petalas das flores caidas no chao onde pisamos
Que um brasil de eterno amor seja sonhado
Para um dia termos paz no futuro e gloria no passado
Mas enquanto a clava forte nao se ergue para justiça
Os filhos teus que nao fogem a luta os filhos deste solo se tornam orfaos da mae gentil amada e omissa
 
contradiçao ( hino nacional )

vivendo a poesia

 
A nova aurora traz os raios de luz acordando o sonho que acabou
Por tras da montanha ilumina o ceu nublado aquecendo a alma fria no horizonte de calor
Num papel em branco componho um arco iris com verde fluorescente da esperança
Em tempos de trevas o meu por do sol tem nuvens roxas com na vastidao do ceu laranja
Minha noite opaca e solitaria traz mais brilho nas estrelas
O choro das nuvens carregadas torna fertil a terra seca
Meus versos caem no chao brotando um gramado de poesia verde
Minha busca pela agua da vida traz desidrataçao no caminho do deserto de sentimento humano causa em mim cada vez mais sede
Irrigo a caatinga da alma com um oceano de lagrimas
Meu sangue nesse papel e pra provar que tem um pouco de mim em cada linha dessa pagina
 
vivendo a poesia

a poesia

 
A vida e uma tela em branco que ganha a cor dos meus olhos e a escrita da minha alma
Cada momento faz uma linha como cada gota que faz a chuva que cai em minha palma
Me inundando de palavras me fazendo transbordar em versos
Me tornando um eterno oceano de sentimentos intensos
A paz de escrever vem como onda sob a luz da lua serena tranquila
E cada poema no final tem meus olhos como minha filha
E cada olhar completa a alma vazia
Que retem meus olhos me tornando parte da poesia
 
a poesia

Hoje eu sei

 
Novos mitos se criam derrotam velhos moinhos
Os opacos na espreita atiram pedras no caminho
Pessoas deserticas inospitas como sahara
Se unem numa maquina de moer sentimentos que nao para
Novos rostos as claras
Entorpecidos por velhas mascaras
Os olhos brilhantes num rosto psicopata
Conhecem o cotidiano escravista num pensamento tecnocrata
Novos mitos se promovem criando seus proprios demonios
Forjam suas batalhas vitorias suas glorias e seus sonhos irrisorios

Hoje eu sei que com o passar dos anos todos querem ser reis
Cerceam nossa colheita ceifam a plebe impondo suas leis

"Eu nao dormi mas nao quer dizer que eu nao sonhei"
 
Hoje eu sei

Cidade cinza

 
A aurora ja vem embassada pela fumaça
Nuvens cinzas encobrem o azul do ceu que lentamente se escassa
Os passaros migram em silencio de luto
Pelo ar funebre que jaz em acordo mutuo
Com a evoluçao que trabalha a todo vapor
O cinza agrega o interior do coraçao que nao reside o amor
O tempo anda junto com a ganancia que traz apatia no olhar da criança
Que vive no deserto de arranhaceus sufocando o verde da esperança
A terra seca folhas caem sem o sabor da brisa
E a prova que o homem conseguiu se igualar ao tom funebre da cidade cinza
 
Cidade cinza

lapidando

 
Palavras perfeitas frases eloquentes
Numa retorica contundente
Os erros de concordancia dao meu toque de escritor
Meu vocabulario reduzido nao assimila o que minha mao pode compor
Meus olhos veem uma vida diferente
Com palavras simples eu trago a tona um mundo emergente
Minha alma lirica apenas deixar cair no papel minha emoçao
Poesia ? Como ? se nao sei nem usar pontuaçao
 
lapidando

confidente e cumplice

 
O que dizer? se a caneta conhece meus sonhos e conta apenas para o  papel ! O papel os guarda por toda sua vida e eu por toda minha vida desabafarei com a caneta. Sim! A caneta e minha confidente e o papel e nosso cumplice.

"Caneta e papel meus dois melhores amigos confesso tudo a eles e eles sao tao simples a ponto de serem incapazes de me julgar"
 
confidente e cumplice

poeta do apocalipse

 
Quandos os griots sucumbirem
Quandos os acordes nao existirem
Veremos Corpos estaticos despidos
O vento ecoa o silencio nas cabeças ocas atraves dos ouvidos
Argumentos debates discussoes
Se calaram aquietaram se nas aceitacoes
Multidoes iguais faces sem sentimento
Intrinsecos ceticos sem amagos poeticos dirao quanto temos de afeto
Coraçoes duro como concreto
Talvez um dia um passaro cante e de a cultura um sopro de alento

"Elevaram o corpo alem da alma da mente e das emoçoes o desejo da pele assassinou as emoçoes as relaçoes padronizando o futil o superfluo e o material assim ceifaram a cultura"

"Seremos em pouco tempo objetos de uso e troca incapazes de crescer e amadurecer com os relacionamentos"
 
poeta do apocalipse

Pés no chão,cabeça nas estrelas

 
as vezes vivemos em um mundo onirico procurando quem somos e nos diluimos no mundo real nos encontraremos quando as duas essencias se tornarem homogeneas e caminharmos com os pes no chao mas com a cabeça nas estrelas

tambem e necessario sonhar para viver
 
Pés no chão,cabeça nas estrelas

a gente aprendeu

 
A gente aprendeu a construir maquinas e motores
A gente aprendeu a poluir o ar extinguindo o perfume das flores
A gente aprendeu a voar sem ter asas
A gente aprendeu a se afastar do mundo pra viver numa carapaça
A gente aprendeu a se comunicar a distancia
Pq o olho no olho morreu solitario e o olho cansado de ser sozinho hoje descansa
A gente aprendeu o egoismo tendo o olhar seletivo
A gente aprendeu a decair sendo indiferente com todos os seres vivos
A gente aprendeu a viver se camuflando
A gente so nao aprendeu a ser humano
 
a gente aprendeu

verso cálido

 
Seu sorriso escondido em sua corola derrama suas lagrimas de orvalho meu verso calido as evapora desabrochando uma mulher em seu galho
 
verso cálido

uma lagrima

 
Uma lagrima na carga da caneta
Transborda oceanos e poe o sahara na ampulheta
 
uma lagrima

quero seu olhar...

 
Quero seu olhar caloroso como o sol da alvorada abraçando o chao molhado pelo sereno e evaporando minhas lagrimas de orvalho
 
quero seu olhar...