https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de Juanito

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Juanito

Como a rosa

 
 
:

COMO A ROSA

Que fortuna tão distante,
que o pensamento imagina
luminosa.
Que esplendor tão rutilante,
daquela ilusão divina,
misteriosa.

Quanto andar, quanta fadiga,
quanta pena e sofrimento
que tortura.
Este evocar que fustiga,
a inclemência deste vento,
tão segura.

E esta vida que já é nada,
mas que noutro tempo fora
tão ditosa;
sem fragrância e desfolhada,
sente saudades e chora
como a rosa.

ALMA HERIDA

Qué fortuna tan lejana,
que la memoria imagina
prodigiosa.
Qué esplendor de la mañana,
de aquella ilusión divina,
misteriosa.

Cuánto andar, cuánta fatiga,
cuánta pena y sufrimiento
que tortura.
Este evocar que fustiga,
la inclemencia de este viento,
tan segura.

Y esta vida que no es vida
mas que yo viviera otrora
como un sueño,
el alma dejome herida,
de tanto como la añora
con empeño.
 
Como a rosa

Tan fuera de control

 
 
.

Cual es la luz del sol
tan alta fue mi dicha,
y hoy anda mi desdicha
tan fuera de control.

Por sueños inmortales
corrió la juventud
con la alegre virtud
de tiempos tan vitales,
mas queda en los anales,
en un bello arrebol,
aquel cielo distante
tan fuera de control.

Y ha quedado la rosa
que otrora florecía
sin saber que sería
espina dolorosa,
y aquella tan hermosa,
bajo la luz del sol,
sonrisa de tu boca
tan fuera de control.
 
Tan fuera de control

tristeza sem fim

 
 
.

TRISTEZA SEM FIM

Leva o rio profundo
A palavra tão leve,
A dos tempos fugidos,
A do instante tão breve.

Quanto sonho que brota
De passados momentos!
Quanta ausência que cria
Os mais duros tormentos!

A ilusão vai forjando
O que não vai voltar,
A fragrância de outrora
Que fugiu pelo ar,

O que nunca regressa,
O que já não será,
O que estando já morto
Nunca mais morrerá.

TRISTEZA SIN FIN

Lleva el río profundo
La palabra tan leve,
La de los tiempos idos
Y el instante tan breve.

¡Cuánto sueño que brota
De pasados momentos!
¡Cuánta ausencia que crea
Los más duros tormentos!

La ilusión va forjando
Lo que no ha de volver,
La fragancia de otrora,
El verdor del ayer,

Lo que nunca regresa,
Lo que fue y no será,
Lo que estando ya muerto
Nunca más morirá.
 
tristeza sem fim

Amor platônico

 
 
.

Buscar o teu olhar que me fascina,
Verdade tão imensa e céu tão puro,
Amor que tanto anseio e que procuro
Qual busca um cego o dom da luz divina.

Sentir que é uma quimera peregrina,
Andar detrás de ti num céu obscuro,
Saber que nos separa um alto muro;
Que apenas é um amor que se imagina.

Teu nome de mocinha tão amada
É como essa canção que em mim sentia
Ser voz duma paixão idolatrada.

Teu ser que é de ilusão e fantasia,
De boca carmesim tão anelada,
Transcende o vasto mar e até a poesia.

* * * * * *

Buscar ese mirar que me fascina,
Que es don de la verdad y es puro cielo,
Ese mirar azul que tanto anhelo,
Esa ilusión vivaz que tanto anima.

Sentir que es ilusión tan peregrina,
Que es ansia, que es pesar y que es desvelo,
Que es triste y afligido desconsuelo,
Que apenas es amor que se imagina.

Tu nombre de muchacha tan amada
Resuena como un eco que intuía
Ser canto de pasión idolatrada.

Tu ser que es de ilusión y fantasía,
De boca carmesí en sueño besada,
Trasciende el ancho mar y la poesía.
 
Amor platônico

a nau que me levava...

 
 
.

Algo há dentro de mim que me tortura.
Medo de me perder nalguma estrada,
Medo de não haver mais madrugada,
E enfim de não ter mais que desventura.

É o medo que se alastra e que coíbe,
E faz que se desmanche até a esperança,
Que perca a lucidez duma criança,
Do pássaro, o trinar com que ele vive.

Não sei como fugir deste tormento,
Deste amargo penar, deste lamento,
Pois naufragou a nau que me levava

Ao mundo que foi meu numa outra era,
Ao sonho duma eterna primavera,
E ao mágico luar que me extasiava!
 
a nau que me levava...

Estátua de sal

 
 
.

ESTÁTUA DE SAL

Ao compasso das lágrimas a palavra amanhece,
Os versos são escravos de um firme e grande amor,
Um amor bem distante e que sempre floresce
Mesmo estando cortado o caule dessa flor.

Um amor florescido de profunda raiz
Que navega no sonho por um mar misterioso
Tem deixado na alma tamanha cicatriz
E a pegada indelével dum passado ditoso.

Noite e dia caminho pelos mesmos lugares
Onde em tempos remotos o olhar verdecia
Com encantos do Sol, com feitiços lunares,
E o alento do gozo, inconsciente, sentia.

O destino insensível me conduz ao final
Ou talvez me eternize numa estátua de sal.
 
Estátua de sal

Delírio

 
 
.

DELÍRIO

Em anos que viveram e perduram,
Em terras embruxadas pelo fado,
Lugares sem futuro nem passado,
Até as feições da Dor se desfiguram.

Existem sensações que inda perduram,
Transitam por um mundo imaginado
Dentro dum coração enfeitiçado
Por astros que morreram mas fulguram.

Luz fugaz, melodia embriagadora,
Aroma de esplendor num outro céu,
Ilusão que desvenda e rememora.

Porque houve aquela hora, aquele dia,
Aquele que mostrou, quando nasceu,
Minha alma desterrada da alegria?
 
Delírio

Falando estou de ti

 
 
FALANDO ESTOU DE TI

Falando estou de ti a essas tão belas
montanhas orvalhadas de luar,
a tudo o esplendor dessas estrelas
que mostram seu discreto palpitar.

Falando estou de ti e fico triste
ao relembrar os gozos fenecidos,
o puro amor por ti que tu já viste,
as cinzas dos meus sonhos mais queridos.

Falando estou de ti e agora eu sinto
saudades que ocasionam tanta dor,
momentos dum outrora não extinto,

o aroma de uma oculta e rara flor.
E evoco aquele mundo tão distinto,
repleto de feitiço e de esplendor.

PORQUE MUERO

Hablando estoy de ti a las estrellas
y a toda la extensión del ancho mar,
a todo el esplendor de las esferas
que ostentan mi sentir y mi soñar.

Les hablo así de ti puesto que fuiste
el éter de misterios florecidos,
el puro amor por ti que tú ya viste,
el bosque de mis sueños más queridos.

Les hablo así de ti puesto que muero
sin comprender por qué tanto esplendor,
herido por un golpe tan certero,

marchita sin remedio cual la flor:
aquella que dio aroma a un mundo entero
regido por el ansia de tu amor.
 
Falando estou de ti

Mocedad

 
.
MOCEDAD

Silencio que me hiela toda el alma,
Ausencia que tortura el corazón,
Y estrellas que en la noche oscura y calma,
Evocan con su luz y con tesón

Un sueño que titila en las esferas:
Cadencia inmemorial de una canción
Que otrora floreció en claras riberas
Contrarias a esta triste cerrazón.

¿Dónde quedó aquel ritmo de la vida,
Triunfante cual un astro luminoso,
Aquella mocedad ya tan perdida
Y aquel amanecer limpio y dichoso?
 
Mocedad

Mágico farol

 
 
Qual é a luz do sol,
alta foi minha dita;
e é luz que ressuscita
de um mágico farol.

Por sonhos imortais
correu a juventude
com a alegre virtude
de tempos tão vitais,
mas fica nos anais
perdida no arrebol
aquela luz distante
de um mágico farol.

Ficaram essas rosas
que outrora floresciam
sem saber que seriam
saudades tão ansiosas,
lembranças luminosas
num imenso lençol
de mar que a luz reflete
de um mágico farol.

* * * * * *

Cual es la luz del sol,
tan alta fue mi dicha,
y hoy anda mi desdicha
tan fuera de control.

Por sueños inmortales
corrió la juventud
con la alegre virtud
de tiempos tan vitales.
Mas queda en los anales,
en un bello arrebol,
aquel cielo distante
tan fuera de control.

Y han quedado las rosas
que otrora florecían
sin saber que serían
espinas dolorosas,
al evocar las cosas
que en un rojo crisol
fundiolas el destino
tan fuera de control.
 
Mágico farol

Passarinhos

 
 
Ouço um lindo canarinho
Que canta na sua prisão;
Na gaiola, coitadinho,
Ele chora a sua paixão;

Com certeza porque clama
Pela amada canarinha
À quem ele muito ama,
E também, presa e sozinha.

Ele não pode fugir
Nem da prisão nem do fado
De nunca poder sentir
O calor do ser amado.

Mas a sua voz é tão bela,
Tão sentido o que ele canta,
Que mesmo desde a sua cela
Vibra o céu na sua garganta.
 
Passarinhos

Vêm do norte, vêm do sul

 
 
Vêm do norte, vêm do sul,
as aves sulcando os céus,
atravessando montanhas,
altas cumes, calmos rios,
planícies, desfiladeiros
e as ondas do imenso mar.

Vêm do norte, vêm do sul;
elas são irmãs do vento,
que as sustenta, quando passam,
nesse mágico momento.

Vêm do norte, vêm do sul,
as lembranças, os suspiros,
daqueles ventos perdidos.
 
Vêm do norte, vêm do sul

Relógio

 
.

RELÓGIO

Este relógio da vida
as horas segue marcando,
umas criaram a luz
outras não vou relembrando.

Horas que prazer derramam,
encantadoras e amáveis,
as que sua ausência tortura
com suplícios implacáveis.

Este mísero tormento!
Esta falta de esperança!
Este anseio de alcançar
o que nunca mais se alcança!...

RELOJ

Este reloj de la vida
las horas sigue marcando,
unas forjaron la luz,
otras se van olvidando.

Horas que gozo derraman,
horas que son imborrables:
las que su falta lacera
con cilicios implacables.

Este mísero tormento,
esta ausencia de esperanza,
son el ansia de alcanzar
lo que ya nunca se alcanza.
 
Relógio

Cego de nascença

 
.

Ele é cego de nascença,
este Amor que já me invade,
por vezes desejo ardente,
por vezes pura saudade.

Ele está dentro de mim,
dançando na noite escura;
ele não precisa ver,
ele é luz, ele é tortura.

O seu fado misterioso
leva meu sonho, minh'alma,
por um mar embravecido,
por um lago em noite calma.

Anseio de entrar em ti,
alma elevada na altura,
olhos absortos de gozo,
vento de imensa ternura.

Ele é cego de nascença
e fere com a poesia,
colocou luz nos teus olhos
sem saber que eu morreria.
 
Cego de nascença

Vento, canção e mudança

 
 
.

Qual é o meu maior sustento?
O vento.
Minha grande inspiração?
Canção.
E a minha grande esperança?
Mudança.
É assim como meu ser dança
Por entre campos de bruma,
Neste sonho que perfuma
Vento, canção e mudança.

* * * * *

¿Cuál es mi mayor sustento?
El viento.
¿Y mi gran aspiración?
Canción.
¿Cuál es mi gran esperanza?
Mudanza.
Así es como mi ser danza,
Por entre campos de bruma,
En un sueño que perfuma
Viento, canción y mudanza.
 
Vento, canção e mudança

Alma com sonhos de poeta

 
 
.

A esta alma entristecida,
Quanta saudade lhe cabe?
Quanto sofre porque sabe
Da sua terrível ferida?

Ela canta ensimesmada
Àquele seu doce lar,
Àquela dita sempar
Da que vive desterrada.

Ela é uma alma inquieta
Que evoca mundos sonhados,
Pelas musas inspirados
Como os sonhos do poeta.

Só versos sabe fazer
Mas a sua dor nunca acaba
Pois o mundo que ela amava
Nunca mais vai renascer!
 
Alma com sonhos de poeta

Alma

 
.
ALMA

El alma vaga por mundos
perdidos o imaginados;
pródiga en sueños fecundos
y en amores encantados.

El alma sale de mí,
lo hace cuando me descuido,
ve cosas que nunca vi
y rescata del olvido.

El alma es libre y yo no:
soy un ente naufragado,
un ser que todo perdió
y que vive encadenado.

Mas al alma puedo ver
por los cuernos de la luna
segura de poseer
los favores de Fortuna.

* * * * * *

Minh'alma vai pelos mundos
Perdidos ou imaginados;
Pródiga em sonhos fecundos,
Em amores encantados.

Gosta de sair de mim
Quando ando descuidado;
Vageia por um jardim
Que é de quimeras forjado.

Minh'alma é livre e não eu:
Sou um ente naufragado,
Um ser que tudo perdeu,
Infeliz e degredado!

Mas minh'alma vai e vem
Pelas ondas do luar,
Segura de que ninguém
pode o seu mundo quebrar.
 
Alma

sou...

 
 
.

Sou apenas um homem que pela vida passa,
Como passam os dias, como passam as horas.
Como a cinza que foge e a dispersa fumaça,
Sou um eco distante de dourados outroras.

Sou um ente vencido que perdeu a ilusão,
Que nos versos escreve como foi que sumiu
A esperança sentida pelo seu coração,
O seu canto querido que já nunca se ouviu.

Sou um ser que navega pelos mares do sonho,
Que perdeu o seu lar, seu semblante risonho,
E que vive a lembrar os momentos de outrora;

Quem anseia sem pausa a sua rosa perdida,
Seu jardim encantado, sua fragrância querida,
E o fulgor da esperança na sua última aurora.
 
sou...

Amor imprevisto

 
 
Boiar não quero mais nesta incerteza,
pois tudo neste mundo está marcado
pelo fado afinal, e com certeza
não poderá durar o bem sonhado.

Pensar não quero mais em fantasias,
num sonho florescido e bem amado,
se as minhas tão escassas alegrias
são chuvas que lá vão pelo beirado.

Gozar quero do amor quando ele chega,
amando nesse instante e com fé cega,
apenas ele pouse, de improviso.

Gozando dessa mão que assim me toca,
o amor que ela oferece e nada evoca
será meu bem amado paraíso.

* * * * *

De qué sirve esperar al amor puro
si todo en este mundo está marcado
por la suerte fatal y a buen seguro
no existe el paraíso tan soñado.

De que sirve soñar con fantasías,
con campos verdecidos y lejanos,
si al cabo las contadas alegrías
escurren como el agua entre las manos.

Gocemos pues de Amor cual éste llega,
gocemos de ese instante con fe ciega,
tan pronto como pose, de improviso.

Gocemos de esa mano que nos toca,
su amor que nos ofrece y nada evoca
será nuestro anhelado paraíso.
 
Amor imprevisto

uma linda melodia

 
 
UMA LINDA MELODIA

Uma linda melodia
perfuma com seu relato,
este luar de saudades,
este tão velho retrato.

Uma canção que se ouve
pelo mar do sentimento,
como uma lágrima à toa
é levada pelo vento.

Uma forte tempestade
dentro do meu coração
levanta as ondas dormidas
duma perdida paixão.

Pelos ares da memória
e sem que exista motivo
transita o eco fatal
do que não tem mais olvido.

SUAVE MELODÍA

Una suave melodía
alumbra con su relato
la noche de la añoranza,
el recuerdo de lo amado.

Una canción es capaz
de navegar por el tiempo,
como navega una lágrima
por la faz del sentimiento.

Un huracán de emociones
gira en pos de lo perdido,
soñando con horizontes
de otro más propicio sino.

Por el éter del recuerdo
y aunque nunca lo quisiera,
transita el eco inmortal
del resplandor de mi estrella.
 
uma linda melodia