https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de SonBar

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de SonBar

Emprego em Portugal

 
Será que vale a pena?
Correr atrás de um emprego, sem nada conseguir.
Estar-se sujeito ao gozo alheio,
Só porque se querem divertir.
Quantas vidas são precisa?
Para que o humano entenda?
Quem hoje é vencido,
pode ser que amanhã vença.
Será que o meu semelhante,
se acha assim tão importante.
Para ter a certeza,
de tamanha impunidade?
Hoje, posso estar a precisar,
mas, e amanhã?
É extremamente triste,
quando se procura um emprego.
Quando se faz uma selecção de despiste,
e o candidato se confunde com um cavalo.
Primeiro há os afilhados,
seguidos pelos familiares,
depois temos os primos e amigos
e para finalizar?
acabaram-se as vagas para empregos.

Vivemos numa quinta?
Há já sei, é a feira do cavalo que ai vem.
Será que o animal tem os dentes bonitos?
Será que o pelo foi bem lavado e escovado?
Espera lá amigo,
o animal está gasto e envelhecido.
Já sei,
faz-lhe uma trança com a crina,
não esqueças de lá meter uma fita colorida.
O preço?
Tenta um médio,
o importante, é ganhar facilmente este dinheiro.

Mas, como vou vender o animal?
A lista de espera é enorme.
Não há crise, não faz mal,
suborna o vigilante.

Ah pois é,
onde tinha eu a cabeça.
Viva a República,
e a bela da banana.

Trabalhar?
Deve estar tudo louco.
O belo do dinheiro,
só existe para quem o sabe ganhar.
Mas podes continuar a trabalhar,
Vai, eu não me importo.

Ó tu… aí?
Trabalhar?
É para quem pode,
serás tonto?
Ou sabes roubar,
ou morres à fome.

Mas eu sou honesto, quero trabalhar.

Pois queres um animal em vias de extinção,
não tas a ver bem a coisa.
Trabalho não há,
e podes roubar.
este pais tem particularidade,
vou passar a explicar:

Se és criminoso podes continuar,
a autoridade não pode actuar.
Se trabalhas, resume-te,
mais que trocos não ganhas e não te podes queixar.
Se não trabalhas, tens os subsídios,
ás assistentes sociais enganas e ainda és um anjinho.
Mas se fores daqueles que é realmente honesto e desempregado?
Paciência meu bom amigo,
trata da tua última vontade pois tens um tempo de vida reduzido.

Mas, vão-me matar?

Não, meu amigo,
para quê ter esse trabalho?
À fome morrerás,
por uma oportunidade que não terás,
e depois de tudo ter perdido.
 
Emprego em Portugal

A Dor

 
Se a sinto estou viva, faz parte da vida, com ela cresco, com ela aprendo.
A dor, que dá torpor, mas tambem um sentido à vida.
A dor quem é o causador?
Causa efeito, dá respeito e também valor.
Valor por um sentido. A dor é um ensino.
Não quero, recuso, mas continuo, a sentir.
Um dia, dixar-me-á, haja alivio.
Terei aprendido.
 
A Dor

A saga da AR

 
Passam os dias devagar,
mas ela, la dentro, continua a andar.
Durante anos esteve escondida,
e só depois de, muito penar, a consegui encontrar.
Exame aqui, exame ali,
o medico a falhar.
Os dias passavam e era urgente,
a cura encontrar.
Dia após dia,
a dificuldade aparecia.
Tinha as articulações a inchar,
as noites passadas em claro não vou recuperar.
De manhã as dores da noite continuam,
não me consigo movimentar.
De dia para dia me vejo,
a perder o movimento, a possibilidade de me movimentar.

Não é esquisita,
gosta de viajar.
Desde o maxilar, ombros, braços e mãos,
até ás pernas, joelhos e pés que me prendem o andar.
Hoje doi aqui,
amanhã doi alí.
Incha, fica vermelho e a suar.

Vou ao médico, não sei para quê,
não tenho posses para me tratar.

Vou deixar tar,
vou deixar andar.
Algum dia,
quando ja for tarde,
a solução hade aparecer.
Só não posso prometer,
que a solução,
ainda me va ca encontrar.
 
A saga da AR

Revoltas

 
Revoltas para quê? Revoltas, que são voltas, que dão voltas, e voltam a voltar.
Revoltas para quê? não a nenhum lugar.
Nenhum lugar, de lugar de alguém, se nenhum não há, haja lugar para alguém.
se haja para alguém, no mundo do ninguém.
Tem lugar, além, que voltas com revoltas, para quem?
de quem para alguem, haja porquê para ninguém.

E tal como uma parábola, se refere uma revolta, que dá volta, á vida do ninguém. Por alguém, não há ninguém, que volte, porque não haverá, sobre a revolta, que volta... do alguém.
 
Revoltas

A noite

 
A noite é serena, com as suas estrelas, iluminada pela luz da lua.

Sente-se o cheiro da terra húmida, sente-se a paz.

Ouve-se o canto dos grilos.

Sente-se uma energia calma, a abraçar.

A natureza envolve, lá em cima, as nuvens, rendilhadas, seguem a sua viagem.

É Verão, a noite é agradavel apra se passear.

No Inverno, sente-se o cheiro da terra molhada, que nos leva á viagem da nossa infancia.
Sente-se o cheiro da lenha a queimar nas lareiras, e sonha-se com o natal, com reunião da familia, com a troca de presente, com os doces feitos pelas mães.
Sabe bem passear com uma companhia agradavel e sentir o ar fresco e húmido a bater no rosto.
sabe bem sentir o peso dos casacos quentes.
Sonha-se com um passeio num prado verde, onde se abre um caminho por entre a erva húmida, onde se encontra um rio e se aprecia a sua beleza.
 
A noite

Tenho o mais importante

 
Corro de uma ponta á outra, água só água.

Subo ao cume de um monte, água só água.

Podia ser uma encruzilhada, vejo-me sem nada... Será?
Estou rodeada, de um mar, água só água.
Estou rodeada de letras, palavras só palavras.
Rodeada de água encontro uma ilha.
Rodeada de letras, encontro um livro.
E nos dois encontro o amor.
Tudo, tenho tudo.
 
Tenho o mais importante

Penso ao vento

 
Penso, porque penso.

Ele são ideias,
ele são movimento.

Como o vento,
voo livremente,
pelo mundo fora,
ouço o lamento,
vejo o desalento,
que o mundo assola.

Mas penso,
que o vento irá mudar,
mais devagar,
pode uma brisa soprar.

Porque penso,
ao vento.
No rosto a fatigar,
e saborear um momento.

Num momento,
a pensar.
com uma brisa de vento,
e o sol a aclarar.
 
Penso ao vento

Sonho

 
Esta noite sou uma estrela,
um ponto de luz.
Uma estrela que brilha,
e a quem olha, seduz.

Hoje sou um pássaro,
voo alto e livremente.
Canto alto,
canto desalmadamente.

Sonho que sou um guerreiro,
que combate uma luta justa.
Conquisto o meu reino,
e reinarei de forma justa.

Sonho um sonho,
um sonho sonhado.
E como um desenho animado,
espero ver o sonho realizado.

Dia a dia a passar,
o sonho está a continuar.
Dia a dia a passar,
continuo a sonhar.

Sonho porque sonho,
já só me resta sonhar.
Se desaparece o sonho,
o que me poderá restar?

Também sonho que amo,
sonho realizado.
Continuo a sonhar,
porque ainda há muitos para realizar.
 
Sonho

Coisas da Vida

 
Dia após dia, existe uma luta, dia após dia, há uma guerra, dia após dia a vida continua, dia após dia se inicia um dia.
Todos os dias, diferentes, nenhum igual. Todos os dias se luta pelo ideal.
Num dia sonha-se, noutro luta-se, os contras são muitos, mas mesmo assim continua-se.
Contra tudo, contra todos, há um mundo, governado por tolos.
Entendimento? Será que existe? Não compreendo porque alguém insiste.
Para se viver, é preciso ter vida. Para se ter vida, é preciso viver. E... compreender?
Não estou a perceber. Há dias em que tudo está bem, outros com tudo aquem. Mas... O que fazer? Continuar a remar contra a maré? Obter de alguma forma uma força, como as das ondas do mar, para poder continuar.
Somos todos iguais e ninguém é de ninguém, todos nós, somos uno, poderei ir mais além?
As perguntas sucedem, as respostas não aparecem. Continuarei a procurar? Continuarei a lutar?
Sim, claro, não desisto, não páro, vou continuar, terei uma vida, serei alguém, alguém como ninguém. Continuarei a subir, para baixo ja não posso ir, mais fundo não há, é só subir, é só conquistar, irei ganhar.
Ganhar? Conquistar? Sim, o meu lugar, porque penso, porque existo, porque sinto e sou alguém. Quero o meu espaço, quero a minha vida, vou conseguir, vou subir vou conquistar e ganhar. E no fim?... sou livre... não sou de ninguém... posso ter a minha vida... poderei descançar.
 
Coisas da Vida

De cabeça na lua

 
De cabeça ao alto, pensamentos esvoaçantes, que se perdem no horizonte, que se perdem no espaço, lá bem ao longe.

Assim como uma cabeça na lua, que se permite voar, libertar, de ideias ao vento... livre.

Ouvindo o seu interior, num mundo sem temor, num mundo de amor, assim, de cabeça no ar.

Pensamento esse, que ja vai além. Numa fantasia agreste, onde não pára ninguém.
 
De cabeça na lua

Corre, corre

 
Acorda-se cedo e vai-se para o emprego, tem-se hora para entrar.O fim do dia ainda não se pode sair, tem que se continuar. Os dias passam, as noites passam e tem que se permanecer.
Um dia vai-se parar ao hospital o excesso de trabalho, a falta de descanço fazem das suas. Acontece uma, acontece duas, perde-se uma parte da memória, perde-se uma parte da vida, o medico diz que a cura é largar o emprego. Aguenta-se, a vida está dificil é preciso orientar. Mas eis que o medico tem razão e larga-se o emprego.
Corre, corre, procura-se trabalho, em pouco tempo ja se tem, é duro e mal pago mas dá para desenrascar. O tempo passa não apaerece mais nada, o patrão, para alem de pagar pouco, é muito esquecido em relação ao que tem que pagar. Aparece outro, paga mais, é mais duro mas aguenta-se. Esse, fecha portas e eis que ... Corre, corre, emprego precisa-se, trabalha-se uns dias aqui, outros ali até que... parou, não aparece mais nada, por muito que se procure o mercado esta saturado de oferta. Corre, corre, atrás de um sonho... vai-se estudar mas a vida ta muito dificil. Corre, corre, procura-se a felicidade... e quando ja se desistiu, ela aparece. Há uma esperança, os sonhos voltam a existir e ... Corre, corre, é urgente orientar a vida, não se pode perder a felicidade, ha muito para fazer... Obstaculos, falta o emprego, as coisas estão dificeis. Mas... Corre, corre porque se lutar vai-se conseguir, kero la chegar, tenho uma felicidade para segurar... Assim a vida se passa... no corre, corre.
 
Corre, corre

Destino, ó destino

 
Destino, ó destino,
Tu, que dizes que a vida é bela.
Destino, ó destino,
estrada essa, e nós a caminhar por ela.

Vida bela,
Bela flor.
Faz parábola,
Como um beija-flor.

Beija-flor,
Passaro lindo.
Apresenta o amor,
Como se se trata-se de um ninho.

Ninho de amor,
Ninho acolhedor.
Num Outono frio,
Mas enternecedor

Mas...

Destino, ó destino,
Que me vens dizer?
Que existe um amor lindo?
É para se viver.

Pois...

Destino, ó destino,
Que heide eu fazer?
Se a vida é bela,
Então tenho de a viver.

Destino, ó destino,
As coisas da vida não parecem assim.
Se viver é lindo,
Porque tem k ser assim?

Há Ja sei...

Destino, ó destino,
A vida é bela de viver.
Pois com um amor lindo,
Eu vou conviver.
 
Destino, ó destino

Estatísticas

 
És inteligente, há pois és.
Haverá inteligência a mais?

Quantos são?
Aqueles que têm capacidades.
Pertencentes a uma sociedade,
onde a inteligência de nada vale?

Vamos estudar,
as estatísticas temos que igualar.
Será verdade?
Os números a apresentar?

Falam de analfabetismo,
falam de desemprego.
Será realidade?
O povo não querer trabalhar?

Somos "calões",
somos "burros".
Verdade seja dita na estatística,
o contador deve "tar perro"

Porque na realidade...

O povo estuda,
e o povo trabalha.

Mas...

Como pode ser?

Não há trabalho,
as empresas estão a fechar,
e os patrões cada vez mais podem roubar.

Não há estudos,
esses são caros.
Há a comida para garantir,
há prioridades para definir.

Mas e as estatísticas?

Serão apenas números para enganar?

Há muitos que querem estudar,
há muitos que querem trabalhar.

O trabalho pode existir,
mas se se tem contas a pagar.
Não se pode trabalhar,
sem a remuneração existir.

E poderemos estudar?
Há a bolsa de estudos.

Pois...

Concorre-se,
espera-se e desespera-se.
Luta-se para garantir os pagamentos,
a meio do ano lectivo,
a recusa a quem não tem nada aparece,
recorre-se.
E quem sabe,
não se ganhe nada lá pro ano seguinte.
Os estudos tem que ficar a meio,
porque não há meio,
de se poder prosseguir.

Mas a estatística está a baixar.

No centro de emprego,
inscreve-se.
Numa inscrição que,
passado pouco tempo desaparece.

Mas centro de emprego é bom.
É um local onde se perde tempo,
a dar conta de uma vida de desespero,
a quem não interessa.
Com um pouco de sorte seremos rebaixados,
a quem tens certos ordenados,
e um emprego garantido.
Temos por lá,
pessoas bem formadas.
Que não fazem nada,
quando uma ajuda lhes é requerido.

E agora pergunto:
Como será possível?
é uma espécie de cega rega.
Se não há trabalho pago,
não se pode pagar os estudos.
Se não se pagar os estudos,
não se pode estudar.
As bolsas não são pagas ou,
são pagas com um ano de atraso.
Os estudos são parados,
não se tem futuro.
O centro de emprego não faz nada,
o país está desempregado.
Mas, incrível,
as estatísticas continuam a baixar.
Onde é que vamos parar?

Há já sei,
podemos sempre continuar a importar.
Além disso,
haverá sempre alguém,
de outro país,
que a miséria goste de documentar.

Assim um dia,
aparecemos na televisão internacional,
onde se fale de Portugal,
como um país de miséria.
 
Estatísticas

A Praia mar

 
Praia, ou praia, estás á beira do mar.
Onda vem e onda vai, a espuma branca desfaz-se de encontro as rochas ou espalha-se na areia.
O som... às vezes impõe um respeito ameaçador.
A briza que fustiga, o rosto do observador. É regenerador.
Umas vezes calmo, outras mais agitado, o mar.
Numa praia mar... onde se passeia, onde se recarrega, é regenerador.
Depois... encontram-se os barcos, pesqueiros, cheios de gaivotas a esvoaçar.
As gaivotas, que na praia mar, encontram o seu alimento, assim como os pescadores, o seu sustento. E no calor do verão... as pessoas encontram a sua fresca diversão.
 
A Praia mar

Ser Poeta

 
Poeta não sou, as palavras não combino.
Escrevo solto, escrevo com erro.
Poeta não sou, as frazes não rimo.
passo ao lado do verso e á pontuação não ligo.

Poeta não sou, mas tenho coração e sinto,
a alma fala, mas eu não ligo.
Poeta não sou, mas no coração tenho sentido,
um amor que ti tenho e por ti poeta tenho sido.
 
Ser Poeta

Musica

 
Musica minha,
som enternecedor.
Tem acorde na melodia
é a musica do meu amor.

Canto inspirado,
que do coração me sai.
Espero ter encantado,
o amor da minha vida.

Musica linda,
que acordes mais belos.
Musica linda,
que apelas aos momentos.

Musica essa,
que encantas.
a pessoa, minha amada.
È a musica do coração,
è a musica da minha paixão.

Musica de acordes belos,
espero ouvi-los, vindos com paixão.
Nas palavras belas do meu amor,
que me fala sempre com o coração.
 
Musica

E uma lâmpada acendeu

 
E uma lâmpada acendeu,
numa mente atarefada.

Penso, penso, penso
mas no final,
não concluo nada.

Mais uma ideia daqui,
mais uma ideia dalí.
Só sei que não sei nada.

Um momento,
páro e penso.
A mente brilha,
uma lâmpada acendo.

Seria o incrivel?
Seria o insight?

A lâmpada acendo,
a ideia flui.
Estudo e aprendo.
Dormir?
não posso,
estou cançada, mas aprendo.

A lâmpada apaga?
não, nem por isso.
A mente trabalha,
as ideias formam-se,
não chego a nada?

Então?
Como é que a lâmpada acendo?
 
E uma lâmpada acendeu

Por mim, por ti, por nós, por todos

 
Por mim luto, por ti vou em frente, por nós aprendo, por todos fica enxuto este grande enleio.
Por todos parei, ao nós eu dei, por ti acordei e por mim lutarei.
Por ti me apaixonei, por mim cresci, por nós eu não sei mas por todos continuarei.
Por todos tudo fiz, ao nós tudo dei, de mim me esqueci e por ti me lembrei.
 
Por mim, por ti, por nós, por todos

Esperança

 
Tinha vários sonhos e sempre vivi na esperança de os realizar, essa era a minha maior força para continuar.
Mas um dia, a esperança desapareceu e eu deixei de sonhar.
Abati-me, ja não queria mais nada, nada mais me interessava, adormeci.
Mas um dia aconteceu, aquela pessoa apareceu e eu voltei a sonhar... acordei.
E agora a esperança voltou a aparecer, os sonhos cresceram e eu? Bem ... eu estou a amar.
 
Esperança

As mil e uma noites

 
Calmamente, vou á rua, páro e inspiro... inspiro o cheiro da terra, humedecida pelo orvalho da madrugada.
Calmamente, vou á rua, páro e ouço... ouço os sons da natureza, que cortam o silêncio da madrugada.
De madrugada, quando vou á rua, sinto a calma, a paz e a leveza, de uma natureza, que apesar da hora, permanece acordada.
 
As mil e uma noites