https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de poeta_vagabundo

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de poeta_vagabundo

ANJO PERDIDO

 
ANJO
MANTO DE CORES
SINTO-TE SANTO
SOU O DIABO DAS DORES

PERDI-TE
RESOLVI NÃO RESPIRAR
MAS TIVE-TE
ANJO PERDIDO DO DANÇAR

E A NOITE SEM NEGRO
O VENTO SEM LEVEZA
A VIDA PEDE-ME EMPREGO
MAS DE MIM SÓ LEVARÁ TRISTEZA
 
ANJO PERDIDO

E EU...

 
diz-me onde caíste

onde te afundas-te nesse teu sono mortal

diz-me onde dançaste

essa tua jura fatal

o horizonte rompe o céu

encanta teu toque esquecido

chiuuuu....

caíste onde um beijo sorriu

onde o sorriso se fez de vivo

e eu!

onde fico eu

este ser sem amor

sem dor

ou cheio de cor

eu fico numa lágrima

num segundo que jurou fidelidade

perto de uma asa de cristal

onde o amor se fez saudade

sim!

e eu.....
 
E EU...

SUJO DE EMOÇÕES...

 
sujo de emoções
sou o juiz mago
por entre cortinas
de algo que se faz vago

o céu azul
manto de sol
imagina o delírio
de um feitiço
que se engole
esmaga
que mente

sujo de emoções
recupero do susto
da dança
da voz rouca
Cohen num segundo
onde a atrofiar é acreditar
onde o tempo é matar...
 
SUJO DE EMOÇÕES...

VYNIL...

 
o vynil derrama musica
esquece que as cores também choram

às vezes foge da fuga...

a tristeza vaga de si morre
em dó
um só que não esta só

o vynil ainda toca
ou será que é o sonho
aquele que me alimenta
que me dá ar
alimento de mim mesmo
de uma fuga perfeita...
 
VYNIL...

OLHAR NU

 
um olhar nevoeiro
sobre um seio de mulher
uma alma sem pudor
de um prazer que se quer

um bar
odor misturado
excitação
de um corpo recusado

o desejo livre
toque feminino
acordei de noite
vivo e sem destino...
 
OLHAR NU

E TU QUE PENSAS...

 
podes pensar no amanhã
naquele sonho sujo
voltar na noite
que se desfaz em bela

podes sorrir!
beber da sede
uma louca viagem
sentida...
ferida...
podes!
não querer
saber que viver
é pensar se foges
se morres
ou se apenas podes...
 
E TU QUE PENSAS...

UMA RUA...

 
um piano
a rua que sangra
que chora sabores
num desligar eterno

ao fundo a vida
a morte que é chorar-te
provar-te
sem te profanar

uma lágrima
lembras-te dela?
lembras-te!
de como o salgado foi doce

um piano
uma rua
um rosto
somos gémeos
do nada
do algo que se afoga

ao longe deixo-me ir
vou
sou
já te esqueceste!
fomos felizes
sabias!

uma rua
agora um rosto
uma rua...
uma rua...
ando nu do sujo
 
UMA RUA...

RUAS DE MIM...

 
está frio
a rua fala de dor
o encantamento desse sorriso
é a minha falta de cor

no caminho da noite
o vagabundo descontrói
a sua face abandonada
é silencio que mói

os cantos desse seu canto
são perfeitas imperfeições
que o tempo cobre com seu manto
num beijo feito de timidas emoções

sim!
está frio
o frio não tem medo
o medo sim é do silêncio rio
que trasborda em mim
e me aponta seu leve dedo
 
RUAS DE MIM...

SEDA...

 
seda assim és...
corpo estranho
que amamenta desejos

um olhar que aparece
que me toma
que me faz
em sabor a vaidade

seda assim parece.
nus nadamos
na intimidade
do que fomos
do se somos

vim-me em seda...
 
SEDA...

DOMINGO...

 
olho as tuas sombras
apalpo o teu destino
do teu beijo te destilo
para numa solidão animal
ser o teu preto e branco

não tenho medo de matar
de sofrer a lágrima humana
imaginar-me feito fantasia

fantasia demente que só me mente...
 
DOMINGO...

MOSNTRO FEITO LÁGRIMA...

 
chove lágrimas
de um céu monstro
cinzento de mágoas
feito criança

a brisa zangada teme
devasta a cor
do silencio que geme
por um raio de flor

o inverno ganhou
matou-me o sol
jurou sexo
a uma lua girassol
 
MOSNTRO FEITO LÁGRIMA...

RUAS E PALAVRAS

 
as ruas e as palavras,

já sentem a saudade desse teu andar

o cigarro que queimava

o olhar que mandava

e o mundo não parou

a roda não girou

mas durante um eterno segundo

o meu coração chorou
 
RUAS E PALAVRAS

UM POEMA...

 
um poema sofre

rasga desejos

mata sem viver

deseja sem saber

um amor viaja

numa seta de prazer

escondido do faz sofrer

que ama sem querer

um horizonte que se desfaz

que mente sem falar

e a resposta não é amar

é fazer da palavra a tua paz
 
UM POEMA...

Pecado vermelho

 
o pecado tem cor
vermelho
ou puro ardor

o sexo é chuva
lágrima doce
vinho feito uva

o toque é futuro
orgasmo infiel
pensamento impuro
desenhado em papel

e eu!
eu sou pecador
feito felino
esquecido no amor
que se diz feminino
 
Pecado vermelho

MATEI PARA EXISTIR...

 
um louco derrama o sangue numa página branca.
o mundo descobre que o perdão é tardio.
viste!
o suor tardio que esquece e aquece o vento
ouve!
o amor é orgasmo...
acaba onde o desejo morre...

tenho medo de não esquecer a felicidade e viver dentro do paraíso onde Lúcifer é anjo...
 
MATEI PARA EXISTIR...

CRIEI-ME ASSIM...

 
acordei na solidão do olhar

onde o sangue é puro divertimento

devaneios em sorte dupla

de um alguém que se esquece de respirar

mas onde estás tu!?

vingança de uma noite vaga

vaga de tão simples que não és

ou serás?

serás tu a crise de um beijo!

um beijo parco em sabor

desta sombra que sou eu

eu...

naõ o quero ser

mas sou do meu paladar criador

recrio-me constantemente em palavras

ora absurdas de tão leves

outras pesadas de tão sentidas

criei-me hoje assim...
 
CRIEI-ME ASSIM...

BEBIDO...

 
a noite é traição
é os seios de uma mulher
num beijo sedução
caiu um olhar que se quer

joguei armas em ti
o vento que foi desejar-te
caí
numa noite de luar

levanto-me
caminho para onde o não
a raiva que é gritar
por uma arma de medo
que não é para ti senão

a noite já não ama
já não rasga
mata
vive
venera o silêncio que dói
já não rasga
e rasga
rasga

existem cheiros
cães que vadiam a lua
que pensam no nada
no azar que é o ser
nada
nada demais
que é ser ave
voar
voar
deixar a traição que é o amanhecer...
 
BEBIDO...

LEMBRANÇAS...

 
sentes o meu corpo?
o doce da minha boca
que de roubar o teu açúcar
se tornou algodão...

lembras-te!
de como assim foi o passado...
 
LEMBRANÇAS...

APETECER...

 
apetece-me provar-te
descrever o teu perfil
viajar num sabor doce

apetece-me ter-te
escrever o meu beijo
em ti entrar
e saber que sabes
que sabes
que o meu desejo é só nosso...
 
APETECER...

MANHÃ QUALQUER...

 
a manhã perde-se
num manto branco
um desejo serve
entre o grito cego

e o dia acorda
devora a vida
vida droga
de um cego sem hora...
 
MANHÃ QUALQUER...