https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de Marília L. Paixão

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Marília L. Paixão

quem me acha me planta

 
Não sou pouco
Não sou muito
Não sou nada
Sou muito é grata
Sou tudo um pouco
Perdida
Achada

Cada vez que me perco
Encanto-me com quem me acha
Cada vez que achada sou
Viro vaso
Viro flor

Pode me tocar
Com amor.
 
quem me acha me planta

FORÇA BELA

 
Ela veio
O nome dela
Formou um inteiro.
Ele foi
O nome dele
Ficou para sempre
Solto.
O nome dela
Ficou pelo meio
Como se tivesse faltando
Um início
Um fim
Um recomeço.
Mas ela tinha que zelar
Pela própria sobrevivência.
Reescreveu o nome
Inteiro
E em letras guerreiras
O ergueu para sempre.
 
FORÇA BELA

Não acorda, amor!

 
Aqui no meio desta noite escura
Vai um beijo para você
Mas por favor, não acorde
Não acorde...

Que um beijo assim soprado
Lhe tocará mais fundo
De fora para dentro de tudo
Do que conseguiria ver

Olha como ele já percorreu
Meio caminho
Entre seu céu e nosso paraíso
Enquanto você dorme sorrindo

Pode dormir!
Enquanto isso eu vejo para você.
Pode sonhar!
Enquanto desenho o seu amanhecer
 
Não acorda, amor!

AMANTE DAS SÍLABAS

 
Eu beijo a beleza do que escrevo
Não do que digo
Eu invejo minhas próprias letras
E me revitalizo

Quando uma sílaba me foge corro atrás
Não posso ficar com nenhum ar perdido
Aí eu me sinto
Um pouco aturdido

Ao alcançá-la
Beijo a danadinha e a chamo de amada
Ela sorri toda encantada

Confesso-lhe meu amor e sem ela
Minha insignificância
Nem me importo com redundâncias.

Marília L. Paixão
 
AMANTE DAS SÍLABAS

teimosia

 
Para que escrever o que não gosto
ou o que não posso
se mais vale o gosto de poder deixar escrito
tudo que sei
tudo que sinto
desde que vivo?

Para que lutar contra falas do meio dia
Se a as fadas da meia noite não te visitam?
Seria lutar sozinho em um tapete em branco
Seria desfalecer-me sem hora marcada
Diante o relógio atrasado que não me escutou.
 
teimosia

Resistência em glória

 
Eu não tenho uma casa
É a minha casa que me tem
Assim vou
Casa afora
Entre quartos
Entre paredes
Que dor me adora?
Que dor não me ensina?
Cada canto em que me derramo
Ou me acho
Cada canto em que me recolho
Sem voz
Ou sem um olho
Continuo a mesma
Fugindo do espelho dia não
Correndo para o espelho dia sim
Para ver refletida
A vida que aumenta
A vida que nunca diminui
Por mais que possa
Desejar
Que diminua por dentro
Vive a aumentar-me por fora
A alma que se apanha
Chora
A alma que aplaude
A resistência em glória.
 
Resistência em glória

POR TRÁS DA IGREJA -

 
POR TRÁS DA IGREJA – PART ONE

Por trás da igreja havia um morro belo.
E também havia
Um moço
Belo
Uma moça
Bela
E uma velha esquecida.

POR TRÁS DA IGREJA - PART TWO

Ela não era nenhuma bolsa rasgada
Em seu olhar cheio de vida
A vida sorria bondosa.
Seria louca?
Seria a deusa?
Seria uma nova vida?
Estava limpa
Estava tão calada
Estava como se está um silencio de madrugada.

POR TRÁS DA IGREJA – PART THREE

Enquanto isso o belo moço não sorria
A bela moça não sabia
Se sorria
Ou não sorria
O morro continuava belo
E a igreja
Bela todo dia
Também não sabia
Se estava ou não
Esquecida ali...
Aquela velha cheia de vida.
 
POR TRÁS DA IGREJA -

UM DIA SEM MISTÉRIO

 
Não tenho nenhum direito de lhe atirar palavras más
Mesmo quando me liga sem me falar das boas
Olho em volta e sua voz já foi
Deixando a minha muda pequena

Foi assim que hoje ao me telefonar, não me plantou, amor.
É assim que a noite ao chegar terá perdido o lindo mistério
Daquilo que costumamos chamar de lindo
Ou belo.
 
UM DIA SEM MISTÉRIO

CADA LINDO ESPAÇO NOVO!

 
Venha até aqui
sente-se um pouco
Olha o tanto que o mar já chorou
Parece pouco?

Olhe em volta
Sinta o ar
Ainda tem muito
Bastante para todo mundo

Tá vendo aquela parte ali?
Parece com você!
Corra lá...
Até daqui dá para ver

Está
Chamando
você.
 
CADA LINDO ESPAÇO NOVO!

apresentação

 
Uma Marília a mais
Nunca uma a menos
Entre a Marília um que não pude ser
Entre uma Marília dois que acabei sendo
Entre todas as que eu gostaria de ler
começaria por mim mesma
apenas por me conhecer
inteira
metade a de todo dia
sempre verdadeira
metade a dos versos
que me criam
novamente
por inteira
 
apresentação

A VIDA BANDIDA

 
Toma aqui um pouco de dor
Para parar de reclamar da vida
Doeu bem forte?
Ou doeu menos que suas palavras malditas?

Toma uma recado
Daqueles bem dados
Para saber
Que a vida não se enfeita
Com meia dúzia
De palavras bonitas

A vida
Só é bela
Com coisas sentidas
Seja dor
Ou verdade bandida
A vida é de quem dela se delicia.
 
A VIDA BANDIDA

O conto dos olhos

 
Vamos sentar ali
Pediremos uma bebida
Cheia de vida
Pediremos um tira gosto
Para evitar muito
Olhar de rostos
Olhar de rosas
Olhar...
De carícias.

Bastará sua voz
Engoli-la em cada
Provar da bebida
Degustá-la em cada
Provar de olhos
E me entupirei de dizer
Apenas com eles
O tanto que te adoro
Olh E enquanto me conta um conto
Ou uma história
Ouço tudo
Me enchendo de glória
E é o seu sorriso
que faz uma festa
Verdadeira
em todo o meu ser
Este sorriso
que me conta
Que possui olhos
Só para me ver.
 
O conto dos olhos

fechando a porta em mim

 
FECHANDO A PORTA EM MIM

Pensei num abrigo
Diferente dos meus braços para ofertar-lhe
Mas você já o tinha
Pensei em como poderia mudar o céu dos seus dias
Mas você me disse que a minha presença
Já o tinha mudado
Pensei então em mudar do interior de ti
Para o interior de mim
Mas estava tudo mudado
Quase não me reconheci
Quase me pedi licença para entrar
Dentro de mim.

Marília
 
fechando a porta em mim

AS NOVIDADES

 
Se a moça saísse da janela
O moço não veria o quanto ela era bela
Se o moço não passasse pela janela
A moça não viveria debruçada nela

Assim são as mangas penduradas nas mangueiras
Assim são os cocos nos altos dos coqueiros
Até que surgiram os postes

Então uma luz elétrica
Ousou clarear tudo
E tudo ficou claro para os que quisessem ver.
 
 AS NOVIDADES

PÉ DE UM NOVO MUNDO

 
Não há falta de beijos
Não há falta de laços
Não há falta de nada
Mesmo quando perdemos a graça.

As janelas estão abertas e o sol por vir
A porta que se fecha também abre
Basta pedir
Mas se for por ai...
Se por ai for...
Para não mais voltar

Não deixe nem um peso
Daqueles difíceis de tirar depois
Leve junto
Faça um pé de um novo mundo
Mas faça para nós dois.
 
PÉ DE UM NOVO MUNDO

ESPELHO SUJO

 
Não estava ali comendo poeira
Tava me alimentando
Estava
Tava matando minha sede
Estava
Tava varrendo por dentro
Estava

Varri tudo.
Sobrou pouca coisa
De útil.

Um espelho sujo
Que sequer serve para nos cortar a cabeça.
 
ESPELHO SUJO

QUENTE COMO UM FERRO

 
TENHO DITO QUE SE CHORO É POR FALTA DE RISO
TENHO DITO QUE SE RIO
É POR QUE CHORAR JÁ INUNDARIA O MAR DA SECA FONTE
ONDE EU TE ESPERAVA ANTES

TENHO DITO PARA MIM MESMA
FRASES COM CARAS AMARROTADAS
TIPO AQUELAS EM QUE O GRAMPEADOR NÃO FUNCIONA DIREITO
DEPOIS QUE TUDO VIRA UMA PÁGINA OU DUAS
PRONTAS PARA SEREM ESQUECIDAS

E SE TE GUARDO AO INVÉS DE TE RASGAR DENTRO DE MIM
DEVE SER POR AINDA TER ALGUM GRANDE VALOR BOQUIABERTO
DO TIPO QUE NÃO DÁ PARA PASSAR UM FERRO OU FURAR COM PREGO
SENDO ASSIM, VEZ OU OUTRA BERRO FRASES LOUCAS MESMO SE FOR
SÓ PARA DIZER QUE SE AINDA EXISTE
É PORQUE ME PERMITO O CALOR DA SUA LEMBRANÇA.
 
QUENTE COMO  UM FERRO

DONA DA CHAVE

 
Cansada
Estaria
Guardada
Debaixo da sombra
De alguma gaveta

Estaria dormindo
E nunca acordada
Sonhando contigo
E nunca morrendo
Pelo seu bem infindo

Sequer seu desespero
Me acordaria
E falas comuns de amor
Nem me fariam rir

O bom de estar cansada
Seria me curtir
O bom de estar guardada
Seria poder descansar
Até dos versos que lhe fiz.
 
DONA DA CHAVE

Marília L. Paixão