Poemas, frases e mensagens de Tânia Mara Camargo

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Tânia Mara Camargo

MEU LUSO DO MÊS DE JUNHO É EDILSON JOSÉ DE OLIVEIRA

 
MEU LUSO DO MÊS DE JUNHO É EDILSON JOSÉ DE OLIVEIRA

POETA, HISTORIADOR, PROFESSOR E GUERREIRO.

Edilson José de Oliveira: nascido a 12 de maio de 1972 na cidade de Assis, SP. Filho de Antonio de Jesus e Nair Laureano, caçula de uma "ninhada" de quatro. Aos seis anos de idade muda-se para a cidade de Ourinhos porque o pai foi ser gerente agrícola em uma usina de açúcar e álcool.
Nessa época, o pai o levava para o campo, onde notava o sofrimento dos trabalhadores rurais (cortadores de cana). Cursou o ensino fundamental em escola muito boa, mesmo sendo em tempos de ditadura militar, e, o ensino sendo tecnicista, não valorizava o pensamento próprio, a reflexão, o diálogo, enfim...
Volta para Assis aos 14 anos pelo fato de o pai estar desempregado e a família passar por dificuldades financeiras.
Motivo que o levaria a trabalhar em supermercados como pintor de paredes (gosta de fazer isso até hoje), como ajudante do avô e do tio nas plantações de algodão e de soja.
Nesse ínterim, mais ou menos aos 15 anos, descobre o gosto pela escrita, sempre tratando de questões sociais, pois via o sofrimento dos trabalhadores do campo.
Termina o ensino médio no período noturno.
Momento em que se interessa pelo Punk inglês e sua influência sobre o Punk de Brasília, de São Paulo... Fica bitolado no gênero e depois no Rock nacional dos anos 80 (bandas como Legião Urbana, Plebe Rude e Golpe de Estado passam ser suas referências musicais e comportamentais).
Aos vinte anos começa cursar história na Unesp (Universidade Estadual Paulista), de Assis. Ali transforma-se em socialista convicto. Filia-se ao PT e parte para as "lutas políticas". Porém, se desencanta com a política partidária devido às corrupções que nota, mas nunca deixando de ser político.
Termina a universidade e algumas especializações.
Nessa ocasião (início dos anos 90) torna-se pai pela primeira vez, aos 22 anos, de uma menina chamada Priscila. Casa-se. Há seis anos atrás nasce seu segundo filho, Ícaro.
Hoje trabalha como Professor de História na rede pública de SP e em colégios particulares...
Adora a profissão que não é tão gratificante do ponto de vista financeiro, mas edificante do ponto de vista humano.
Colaborou com alguns textos em revistas universitárias e em livros de alguns amigos.
Espera o momento certo para tentar publicar seu livro, pois só agora acha que está chegando perto de um estilo que considera próprio.
Gosta de futebol (enquanto manifestar-se cultural). Torce pelo São Paulo Futebol Clube.
(Hoje reside na cidade de Assis, SP).

Vídeo: Legião Urbana. Música: ‘Perfeição’. Uma das preferidas e marcantes para o Edilson. Ele a considera o Hino Nacional!
 
MEU LUSO DO MÊS DE JUNHO É EDILSON JOSÉ DE OLIVEIRA

Morte natural

 
Morte natural
 
Morte natural

À sombra dos desencantos
Jaz um único pensamento
Morte natural
Tanto faz a lágrima
Tanto faz a dor
Impossibilidades ...
Pode a folha caída
Voltar ao ramo?
Pode a chuva
Recolher-se em detrimento
De alguém?
Banalidades...
A futilidade, o desdém
Chegou-me em carta expressa
Rasguei-a ao vento
Ouvi então um lamento:
Morte natural!
 
Morte natural

EQUILIBRISTA

 
EQUILIBRISTA
 
Equilibrista

Floresta imponente, concreto puro
Chaminés com fumaça nas narinas
Faz-se frio, sente-se a neblina noturna
Aromas indecifráveis, talvez boninas

Num átimo de debilidade humana
Vez em quando, vejo-me equilibrista
Em meio à multidão na cidade insana
É preciso ser artista para algumas conquistas

Ser um espécime feminino, tão delicado
Frágil aos olhos másculos, que pecado!
Um bibelô, louça inglesa, fina porcelana
Só que sou cimento, areia, argila, alambrado

Faço minha guerra em crises de consciência
Luto pelo diário desejo de ser eu o progresso
Arregaço as mangas num trabalho decente
E vivo carente, pois tu só vives em recesso!
 
EQUILIBRISTA

Bazófias

 
Bazófias
 
 
Bazófias

Minhas póstumas escrituras
Lavras utópicas de bel prazer
Feelings em partituras
Muito tenho pra dizer

Minha lápide ambrosia pura
coberta por rubra rosa adscrever
meu romanesco viver em lisuras
qual cereja madura para sorver

Antes porém, vou destrambelhar
desfilar nua pelo passaredo
enterrar todos os meus medos

Em meio ao alvoroço vou gritar
Recitarei as prosas, meus segredos
Morrerei na poesia num dia azedo!

--------------------------------------
E de tanta arruça, pé quebrado
Farei folguedos com papéis
Culpa exclusiva dos menestréis
que trouxeram a lira do passado

Sonetos remendados, mal cozidos
em caldeirão de sensualidade
onde figuram calcinhas e a idade
da mente in (descente), empertigo

Jogarei as sílabas ao céu de arlequim
Sem contar uma sequer, é o fim
Bandeira negra, pintura a nanquim

E ainda perguntas qual o manequim?
Mortalha não tem número e enfim
um ataúde cheirando a jasmim!
 
Bazófias

Amor proibido

 
Amor proibido
 
AMOR PROIBIDO

Não posso estar contigo, tocar-te
Tremem as mãos, lágrimas escorrem
Pensar em teu sorriso sem beijar-te
É pecado... Ás regras morais, digo não

Deixa-me te amar intensamente
Consciente de que nossa relação
É mera ilusão e a quero loucamente
Amar sozinha, afastando a solidão

Pensar que tu me amas também
São sonhos que me levam além
Fantasias que não deixarei morrer

Podes alegar que estou insana
Mas meu sentimento nada profana
Não irei para o inferno sem antes viver!
 
Amor proibido

VEM NAVEGAR NO MEU CORPO

 
VEM NAVEGAR NO MEU CORPO
 
Vem navegar no meu corpo

Nobre cavalheiro que mares
Pensas em navegar?
Já lhe dei meus olhos, sabes
Que não são azuis como as
Águas que pretendes desbravar.

Tão pouco verdejantes como as
Campinas que está a pisar.
Olhas para a noite em prenúncio
Lá irás encontrar o meu olhar.

Deixes de bordejar, à espreita
Tem uma lua ansiosa para que
Tu digas que comigo quer ficar.

Já lhe dei minha mão e tu com
Lisura para meu constrangimento
Não parou de a beijar.

Levou-a sutilmente ao teu rosto
E sentiste a maciez do meu mar,
Digo acarinhar.

Ansiosa, digo-lhe que mais
Poderei te dar.
As primícias instigam-no, desejos
De seguir adiante no velejar.

E há segredos e muitos enredos
Que palpitam abaixo do umbigo,
Os quais há pretensão de lhe mostrar.

Porém há algo a considerar, se eu
Deixar á mostra as
Particularidades, tão íntimas
Verdades, aviso-lhe:

Outros mares tu nunca mais irás
Procurar!
 
VEM NAVEGAR NO MEU CORPO

Poema cansado

 
Poema cansado
 
POEMA CANSADO

Ora, cansei-me das lágrimas involuntárias
De chorar esse pranto que não tem sentido
Pois o amor é um embrulho de padaria
Tem que ter pão quente todo dia, sortido.

Há quem me condene e me aponte na rua
Uma cadela ser-lhe-ia mais fiel e submissa
Daqui para frente é ser moderna, andar nua
Sei que preferia ver-me santa numa missa.

Pois que rasguei os véus da pureza e indecente
Pinto minha boca de vermelho incandescente
Banho-me em um perfume barato. Dou as cartas

Então entras no meu jogo, porém sejas prudente
Teu destino está em minhas mãos e pacientemente
Entra ou sai, caso contrário, vá ao raio que o parta!
 
Poema cansado

EU ME ENTREGO!

 
EU ME ENTREGO!
 
EU ME ENTREGO!

Desejo que me invade.
Os olhos explodem.
Minam carícias e beijos.
Faz do querer um refugiado
Em montes eretos que emergem
De um território esbelto.

E nesse instante de furor,
O amor é um soldado,
Fiel servidor,
Na guerra da paixão como pecado.

Sentimento que aprisiona a alma,
Tira a razão e a calma.
Perdição é o país conquistado,
Onde a batalha só termina quando
A bandeira branca grita: Eu me entrego!
 
EU ME ENTREGO!

PEREGRINA

 
PEREGRINA
 
 
 
PEREGRINA

Lume que impregna n’alma,
Assaz acalma, revigora e
Aflora em redundância.
Absoluta em azul, desponta.

Lucerna em culminância
Com tua tez morena,
Estanca as lufadas, canta,
Ecoa e mantém-se em
Constância.

Sudeste,origem dos matizes
Do luzeiro.
A estrela noturna passeia
buscando
Um poeta altaneiro.

E ele em cismas nem percebe
Que lá em cima
uma peregrina
O observa e vela querendo ser
Dele
o brilho derradeiro.
 
PEREGRINA

POEMA CORAJOSO

 
POEMA CORAJOSO
 
POEMA CORAJOSO

Dizes de um poema corajoso
Há nele ações habituais
Sexo entre seres, bem jocoso
Delicioso e cenas parafernais

Seria isso tudo pecaminoso?
No mundo da carne, os casais
praticam atos libidinosos
Corpos em lusco fusco viscerais

A carne tem lá seus designios
Somos irracionais frente ao desejo
Penso que somos meio símios

Peraltices e trejeitos num fio
dental que ora uso e prevejo
que a rima sexual deixou-te frio!

para alguém que disse-me de um poema corajoso
ao comentar o poema Calcinha
 
POEMA CORAJOSO

Gostava de contigo me casar

 
Gostava de contigo me casar
 
 
Gostava de contigo me casar!

Rosa palpitante a instigar
Pele suave exposta ao sereno
Porque os espinhos para maltratar?
Tens consciência deste veneno?

Tu poderias livrar-me das dores
És tão prestimosa e ao embelezar
O jardim de meus olhos com cores...
Flor! Gostava de contigo me casar!

Deixa-me tocá-la, tenha sensatez.
Acariciar teu rosto com ternura
Sejas bondosa, não digas talvez!

Tu és tão pura, a natureza assim a fez
Prometo não ir além, tenho lisura
Mas rosa sempre há a primeira vez!
 
Gostava de contigo me casar

ANGELICAL PARA ÂNGELA LUGO

 
ANGELICAL  PARA ÂNGELA LUGO
 
 
ANGELICAL

Dobram os sinos da majestosa catedral
O véu da pureza sobre os cabelos dourados
Pernas roliças, perfeição nunca vi igual
Repicam os sinos em contemplação, aplausos

Uma fragrância exótica me entontece
Alucinado vejo um anjo desfilando
Templo sagrado, o coração não obedece
Disfarço e finjo que estou cantando

Finjo-me adepto ao coro
Ou a murmurar um canto gregoriano
Na verdade estou a ti me declarando

Proibido desejo, boca e seios a provocar
Ângela, lábios rubis a me aliciar
Valha-me Deus, estou pecando!

Querida Fada, esse poema te fiz
logo que entrei no site, volto
a publicá-lo, pois aqui ele deve
permanecer.

Feliz aniversário!
 
ANGELICAL  PARA ÂNGELA LUGO

homenagem a Atlanta-Geórgia

 
homenagem a Atlanta-Geórgia
 
Homenagem a Atlanta -Geórgia

Um novo sul desponta com heranças
Creek e Cherokee
Trilha das Lágrimas...
A ferrovia ali terminou e o progresso
chegou...Términus...
O branco do algodão,
Atlanta se transformou...

…...............................................................

Geórgia tu és moça faceira
que caminha livre ao vento
e descansa à sombra altaneira
Pinherais que resistem ao tempo

De seus rios fez tua cintura
Floresta in natura onde a lua
adormece na paz e fulgura
tamanha beleza de tuas águas!

De granito fizeram o teu vestido
Stone Mountain altiva,
Peça que a transforma em diva

Ah Geórgia! Tu és parte do meu destino
Teu perfume magnólia deixa-me inebriado
Sou passáro menino por ti apaixonado!

Geórgia tú eres senhorita faceira
que camina libre al viento
y descansa a la sombra altaneira
Pinherais que resisten al tiempo

De sus ríos hizo tu cintura
Floresta in natura donde la luna
adormece en la paz y fulgura
tamaña belleza de tus aguas!

De granito hicieron tu vestido
Stone Mountain altiva,
ropa que la transforma en diva

Ah Geórgia! Tú eres parte de mi destino
Tu perfume magnólia me deja inebriado
Soy passáro niño por ti enamorado!
 
homenagem a Atlanta-Geórgia

SONHEI-TE

 
SONHEI-TE
 
SONHEI-TE!

Ontem quando o sol morria
Expectativas aguçavam-se
Entre meus dedos luz luzidia
Meus seios aguardavam-te

E vinhas com a leveza do ser
Kundera o aplaudiria
Tanto em teus olhos por dizer
Falavas de nós em fantasias

Plumas em teu caminhar
Asas de anjos e flores exóticas
Eu mulher de carne a te esperar

E ias... Nos meus sonhos abraçar
A utopia que eu fiz criar
Num sonho poético a divagar!
 
SONHEI-TE

LAÚDANO

 
LAÚDANO
 
 
LAÚDANO

Desabrochada flor, paixão, lauto
Ajeita rapidamente as melenas
A equilibrar-se nos longos saltos
Roupas amassadas e na mente falenas.

Ergue-se em corola úmida
Visgo incolor e ensaia um riso
Dizia-se balzaquiana pudica
Rendera-se ao inimigo, sem siso

Na batalha entre o sim e o não
A carne traiu-lhe, esquecera o pejo
Láudano em excesso, louco desejo

Vejo-a mais bela a cada estação
Em carmim, oferece-me beijos
Sou um a mais a seguir o cortejo!
 
LAÚDANO

LIBERDADE Á POESIA

 
LIBERDADE Á POESIA
 
LIBERDADE Á POESIA

Condena-te o íntimo pensamento
Arde o fogo no olhar, desejo incauto.
Deixaste de ter o peito de um arauto
Guerras interiores, os sentimentos.

Nobre seria confessar-te á dama
Expor-te, despir-te da armadura.
Diligente e ávido leva-la á cama.
Livrar-te-ia de tristes amarguras

Escravizado estás por tais alusões
Porque não dar asas as tuas ilusões?
Permita-te alforriar o querer, a poesia.

Inspirado então por versos de amor
Realizarias o teu platônico furor
Ou inda crês que amar a bela é heresia?
 
LIBERDADE Á POESIA

NOITE DAS ORGIAS

 
NOITE DAS ORGIAS
 
Noite das orgias

Frêmitos e orgia louca dos ventos
Serpe a voltear pelas entranhas
veneno , seiva e descaramento
odor bacante a fazer artimanhas

Louca ânsia de um acasalamento
Volúpias evoluindo em façanhas
num ato febril de cravamento
na teia sutil espera a aranha

Carne viva lírica virginal
Véu de noiva seda gretadura
Candura, reflexo do arrozal

Boca da noite flor açucenal
Tragando inocente lua e perdura
o céu em sulferino magistral!
 
NOITE DAS ORGIAS

DEV(ORAÇÃO)

 
DEV(ORAÇÃO)
 
 
Dev(oração)

Velai por minha formosura
Candor em rosa rubra
Singelez de túnica alfaia,pura
olhos meus que te cubra

Pensai amado, lumem me atiras
revelando o segredo das anáguas
dos laços e das fitas e em giras
sobejam adejos e vão-se as águas

Crente na virginal carne morena
em préludios de foles e baforadas
sussurras ao pé de ouvido, cantilenas

Plenas em vigor , arrepiar de melenas
de súbito és rei ante a cena consagrada
olvido-me de quem sou e das novenas!

Ornada de flores astrais e ternura
desalinhando o horizonte
vão teus olhos até minha cintura
tens sede, vens beber da fonte

devorada pelo olhar e pelas juras
abro as portas do éden e os montes
expondo-me e com tremura
entrego-me até que a estrela desponte

perseguida pelos olhos exaustos
querendo reacender a éterea chama
firmamento de corpo inexausto

Resplandecem almas e num hausto
o querer deseja e reclama
Outra vez eu grito: Vem Fausto!
 
DEV(ORAÇÃO)

José Torres

 
José Torres
 
 
Querido amigo Torres, fiz esse poema há muito
tempo e devolvo ao site porque aqui é onde
ele deve permanecer.

Para José Torres (Grande poeta Português)

José como a tantos no mundo

Não sei ao certo de onde vens

Estás longe, em outras paisagens

Sei que um mar azul profundo

Faz da tua escrita algo fecundo

Na beleza de Helena em Ilíada

Vinte canções foram semeadas

E duas Torres edificadas, amor

Palavras juntarem-se, és escritor

Então não fale de adeus por nada!

Porque me acenas o lenço branco?

Ainda não li tua alma em versos

Falta ainda uma lauda e diversos

Livros onde te expões tão franco

Existem por aí muitos saltimbancos

Mas tu és original como Maria Cura

Queria eu ter tamanha desenvoltura

Ser masculino e feminino nas letras

Traços de assinatura onde a cetra

Faz de ti Poeta sem abreviaturas!
 
José Torres

Curriculum

 
Curriculum
 
CURRICULUM

Não queiras tu saber de minha vida
Hoje sou eu, apenas uma mulher
Suburbana, madura, bem vivida
Aos trancos e barrancos, que fazer!

Porque iria desenterrar o passado,
Remexer as dores, as feridas?
Relembrar amores já desgastados
Não altera meu dia-a-dia, a lida.

E tu quem és um deus?
Já te dizes tão cativo, enamorado
E sequer um beijo me ofereceu.

Se me desejas estejas preparado.
Homem que comigo viveu
Jamais se arrependeu, foi amado!
 
Curriculum

"A vida de um poeta é como uma flauta na qual Deus entoa sempre melodias novas." (Rabindranath Tagore)

http://taniamarapoesias.blogspot.com