Poemas, frases e mensagens de Danclads

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Danclads

Cosmovisão

 
Cosmovisão
 
Um homem sozinho
(guardado em si)
Olha o céu e suas estrelas;
É um abismo
Que olha o outro.
É o presente olhando
O passado.
É a repetição de séculos
Diante do insondável.
São sólidas solidões
Se encarando.
Um homem que olha estrelas
Nunca é o mesmo que as vê depois.

(Danclads Lins de Andrade).
 
Cosmovisão

Indigente

 
Indigente
 
Não lhe sabiam do rosto
E das marcas da vida
Em sua pele.
Não conheciam seus sonhos,
Nem nunca lhe indagaram
O que queria ou desejava.
Não houve quem quisesse saber
De seus tropeços e estrada.
Seu coração sempre foi
Uma incógnita a todos.
Ignoraram-lhe por completo
A existência.
Agora, mesmo sabendo o nome,
O tem como indigente.
 
Indigente

Fugaz

 
Fugaz
 
No tempo
Em que o tempo
Passava lento,
Eu metia
A mão no bolso
E o relógio de algibeira
Parecia não gastar
As horas.
Hoje, nem tempo
Tenho para olhar
As horas:
Os segundos fogem
Em debandada
E eu desconfio,
Que escondida
Em alguma brecha,
A vida foge também.
 
Fugaz

Golpe

 
Golpe
 
Empresta-me tua felicidade
Preciso beber novamente
O elã ilusório do porvir.

É que enquanto planejava o futuro,
As horas, insubordinadas,
Urdiam ardis assassinos
De minhas esperanças.
 
Golpe

Fractais

 
Fractais
 
Por mais que almejes
A originalidade,
Tudo o que fazes
Sempre sai à tua imagem
E semelhança.

(Danclads Lins de Andrade).
 
Fractais

Hakai do amor noturno

 
 Hakai do amor noturno
 
Amei a noite.
À meia-noite
Amei-a... Noite.

(Danclads Lins de Andrade).
 
 Hakai do amor noturno

Alzheimer

 
Alzheimer
 
Guardo comigo
As memórias
Da minha
Vida.

...
As memórias
Da minha
Vida.

...
...
Da minha
Vida.

...
...
...
Vida.

...
...
...
...

(Danclads Lins de Andrade).
 
Alzheimer

Confuso

 
Confuso
 
Declaro estar
No gozo
Das minhas
Dificuldades mentais.
 
Confuso

Enigmática

 
Enigmática
 
És,
Finge.
Decifro-te.

(Danclads Lins de Andrade).
 
Enigmática

Antes...

 
Antes...
 
A bala, ainda sem a carne;
A lâmina, ainda sem o pescoço;
A vida, ainda sem a morte;

O instante, ainda sem o flash
A foto, ainda sem o tempo;
O tempo, ainda sem passar;

O verso, ainda sem o papel;
A tecla “salvar”, ainda sem o toque;
O poema, ainda sem leitura.

A solidão, ainda sem amar;
O “Eu te amo”, ainda sem declarar;
O ventre, ainda sem gerar;

Ações, ainda sem ocorrer...

(Danclads Lins de Andrade).
 
Antes...

Nômade

 
Nômade
 
Colho aqui
E ali
Costumes
E filosofias.
Vou moldando
Princípios
E me desfazendo
De certezas.
E me basto
(In)concluso.
 
Nômade

Signo de mercúrio

 
Signo de mercúrio
 
Oriundo de forças centrípetas
Vem corrosivo e deletério,
Invadindo poros,
Aniquilando ilusões…
E deságua pesado e intenso,
Á revelia dos desejos,
Explodindo no ar
E deixando para trás
Um rastro de nada…
 
Signo de mercúrio

Vaso

 
Vaso
 
Alvo e imaculado
Ansiava a essência humana
Em sua expectativa ilusória

Mas viu-se logo desenganado,
Pois esta, que a todos engana,
Só lhe retribui com escória...
 
Vaso

Gravidade

 
Gravidade
 
A cabeça erguida
Pendeu,
Vergada.

A liberdade dos pulmões,
Já não sentia.

Uma corcunda
Em seu dorso
Já pontuava
E o massacre
Persistia.

Sem perceber,
Já rastejava
E aos poucos
Ele sumia...
 
Gravidade

Notícia

 
Notícia
 
Extra!
Extra!
Cientistas descobrem gelo
No coração do Homem.

- A presença de água
Em estado sólido
Indica que ali
Já houve vida.

(Danclads Lins de Andrade).
 
Notícia

Narciso

 
Narciso
 
Há algum tempo
O observo olhando
Para mim.
Habituei-me ao rosto
Visto no reflexo
Da água.
Mas, quem está
Do outro lado do espelho?
Quem é este estranho?
Em que lugar me encontro
Neste reflexo?
E continuamos a nos interrogar
Com os olhos...
 
Narciso

À sombra

 
À sombra
 
("O homem velho", tela de Rembrandt).

Eu sou
A contagem
Dos dias,
A testemunha
Do tempo,
O acúmulo
Das experiências:
eu sou velho.
E não posso
Burilar palavras;
Mas dizer o necessário.
Não posso idealizar;
Mas ser realista.
Não tenho tempo
Que já me fez perder
Tanta coisa.
O rosto das mulheres,
Os amigos,
A cidade onde nasci...
A memória, mesmo assim,
Teima em visitar
Meu cérebro confuso
E vive fossilizada
Em fotos e objetos...
Quando ela me vem,
Mesmo fragmentada em lapsos,
Sinto-me viajando para casa;
Estou voltando à pátria
Das minhas sensações;
Estou voltando ao ventre
Primordial.
 
À sombra

Informação aos consumidores

 
Informação aos consumidores
 
(Tela "Operários", de Tarsila do Amaral).

Qual o teor de suor
Existente naquele
Cabernet-sauvignon?

Qual o percentual de lágrimas
Que há na confecção
Daquele casaco de pele?

Quantos litros de sangue
Derramados na descoberta
Do diamante daquela milionária?

Quanta velhice precoce
E quanta invalidez existem
No fabrico daquele carro do ano?

Quantas infâncias perdidas
No carvão que aquece a chaminé
Daquela mansão?

(Danclads Lins de Andrade).
 
Informação aos consumidores

Suicida

 
Suicida
 
A crisálida
Dos dias
Rompe a manhã.
Os raios sanguíneos
Do Sol ferem a retina
Em sua última visão.
A vida, esta sanguessuga,
Exigindo esforços colossais
Colocaram em ruínas
O somatório do seu tempo.
Sensações de perdas
E pedras.
Apagaria todo saber,
Queimaria memórias,
Aniquilaria o passado.
Neste teatro de cegos
Teria o esquecimento
Por prêmio;
O nada, como legado.
 
Suicida

Caos

 
Caos
 
Nada é tão organizado
Que não arruíne;
Nada é tão imenso
Que não reduza;
Nada é tão previsível
Que não surpreenda;
Nada é tão duradouro
Que não acabe...
Poincaré descobriu,
Lorenz confirmou:
O caos é latente...
Em tudo...

(Danclads Lins de Andrade).
 
Caos