Poemas, frases e mensagens de Pensadora

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Pensadora

Permita-se

 
Permita-se

A escrever, assim como as folhas caem das árvores
Permita-se a falar, como se fossem as últimas palavras a serem ditas
Permita-se que as emoções embarguem sempre a voz
Tornando-a suave ou estridente
Permita-se admirar o valor das fases da vida
Permita-se a cada momento eternizar
De tal forma que ele sempre volte
Seja como lembranças na pele
Marcas da vida
O suave sabor da bebida
Uma imagem plana sob o olhar
Permita-se , diga-se de passagem
Viver!
Permita que o sol nasça, mesmo que não apareça
Permita que a janela abra, mesmo estando fechada
Permita a chuva cair, mesmo que la fora esteja tudo seco
Permita a flor desabrochar, mesmo que não tenha sementes
Permita o sorriso, mesmo que no coração existam lágrimas
Permita o choro, mesmo que seja de tristeza
Permita o som, mesmo que não seja o que imaginas
Permita a fala, mesmo que não diga o certo
Permita o perdão, mesmo havendo dúvidas
Permita o amor, mesmo que exista a dor
Permita a dor, mesmo que exista amor...
Permita a vida!

Thábata Piccolo

Curitiba, Outono 2016

http://suicidiodapaixao.blogspot.com.br/
 
Permita-se

Que sorriso é esse

 
Que sorriso é esse meu amor

Quanto encanto você transmite
Me diga quem é você
Nesse mundo frio e cheio de pesares
Você é a alma boa
Que sorri a toa
Tudo é tão perfeito com você
Que malícia eu tenho ao te ver
É lindo esse elo
Amo tanto você

Alma calma que paira sob a Terra
Voz doce, melodia para a audição
A paciência é sua maior virtude
Que essa vida não o desvirtue

Amo tanto
E amar-te me alegra
Cantaste-te sabiá
Mostrando tua grandeza
Que faceta é essa
Amar-te me leva a Marte
E o sorriso ao estelar!

Thábata Piccolo

Curitiba, Outono 2016

www.suicidiodapaixao.blogspot.com
 
Que sorriso é esse

Quesito de vadiagem

 
Quesito de vadiagem

Sumido dentre o espaço, desconheço o que tem ocorrido
Seria puro prazer e vaidade
Ou será que realmente estou apaixonado?
É querer viver de vadiagem
Ou meu coração é tão fraco?
Que turbilhão de sentimentos
O que está se passando?
Mero problema de autoestima
Ou pregação de peça do destino?
Agora, justo agora?
Creio que deva ser um tombo que a paixão irá me dar
Seria um coração fervente de paixão
Ou um coração iniciando a amar?
O que é que é
O que é que tem
Tudo tentando me derrubar
Queres saber de um grande fato?
Vamos transar!

Heterônimo

Dalton Rios

Curitiba, Outono 2016

www.suicidiodapaixao.blogspot.com
 
Quesito de vadiagem

Volúpia

 
Se eu não lhe amasse tanto
Pouco caso faria eu
Não adianta dissertar poemas de Bilac
Nem adianta seguir as sínteses de Foucault
Já o dizia, quando a riqueza é exacerbada
Algo errado só pode estar
É o mundo indo à baixo
Com tremenda voluptuosidade
O meu amor anda cabisbaixo
Pobres reis efêmeros, pouco podem pensar
Ninguém mais sabe o que é amar
Nesse mundo de giro capital
O que não traz lucro fica para trás
Mas a vida, bendita vida, anda para frente
Enquanto o tempo voa, quem não acompanhar
Para trás ficará
Essa é nossa sociedade
Triste realidade
Ninguém quer estudar
O lucro gira somente para quem o comanda
E as pessoas retrocederam no tempo
Já não sabem mais amar.

Thábata Piccolo

Curitiba, Outono 2016

www.suicidiodapaixao.blogspot.com
 
Volúpia

Frequente nostalgia

 
As noites passam e ainda me lembro
Meu relógio marca os restantes segundos
Meu pensamento vaga no tempo e adormece nas lembranças
Os sons da vida já não conduzem mais nossas danças

Enquanto minha alma passeia em lugares sem fim
Buscando a outra metade de mim
Encontro você...
Viajo sozinha tendo nostalgias do passado

Em meu quarto escuro ouço as batidas do coração
Vivendo novamente momentos eternos
Vivendo o nosso para sempre
Em meu quarto escuro vejo flashes do nosso amor

As lágrimas salgadas umedecem a boca seca
Logo fecho os olhos parecendo sentir e viver tudo novamente
Seus olhos ao encontro dos meus
Pupilas dilatadas representando a paixão

Mãos entrelaçadas sustentando a direção
Bocas unidas provocando tesão
Lugares secretos e nós,escondidos da multidão
Era ali,bem ali,no rosto dele,a nossa perdição.

Thábata Piccolo

Curitiba,Inverno 2012
 
Frequente nostalgia

A vida continua

 
Eu achei que tudo estivesse acabado.Pensei que o nosso amor havia terminado.Tive quase certeza que havias me abandonado.Fiquei por um momento,só...Ou melhor,achei que estivesse ficado.

A vida me mostrou,que sua presença é eterna,e que o amor,revive a cada dia,mesmo a distância.Sendo cultivado com carinho,ele pode estar em qualquer lugar,mesmo que eu não enxergue.Mas posso ainda sentir....

O seu calor perto de mim,e sua respiração buscando ar puro.Disso tenho certeza,e ainda,descobri o meu maior dom...É prever o futuro.Olhar através do relógio e descobrir um novo tempo,olhar através das montanhas e descobrir um novo mundo.

Pensar em você,e como num passe de mágica,estar novamente ao seu lado...O tempo me mostrou,que ele não é um vilão,e sim,um esclarecedor,que nos mostra no que devemos dar valor,e descobrir que não posso viver sem você.

É dar um tempo,para aprender.Mais o amor é tão forte,que não há de se perder.Desse lado,ou do outro,iremos nos apaixonar novamente,e viver a vida,intensamente!

Thábata Piccolo

Curitiba,verão 2010.
 
A vida continua

A flor que nascerá

 
A flor que nascerá.

Eu te amo.não me passo de um simples ser humano,dominado por um sentimento Esplendor.Amedrontado,por medo de sentir dor.

Alucinado,por você e pelo amor.Você é o meu fascínio,meu vício,meu anjo e meu ídolo.Minha palavra de fé,meu companheiro amigo.

A angustia diária,uma grande ordinária...
Na busca de tentar acabar com o que há de mais belo.No mais profundo elo de confiança.

Sem destino,e na fiança.Seguirá a frente,confrontará abaixo de céu ardente.Em busca da jornada sorridente.Serei seu servente,apenas por um segundo.

Plantarei uma semente,irá nascer a mais viva flor,mais colorida e marcará a vida,até a mais longa despedida.E o nosso amor,irá florescer.

Thábata Piccolo

Curitiba,verão 2010
 
A flor que nascerá

A noite se cria

 
Nas sombras da noite,encontro-me só
Dentre as luzes do dia me escondo e viro pó
A claridade despersa meus sentidos
Onde sozinha me desperta os inimigos
Tão fria está a vida,aguçada e destemida
Essa minha mente tão sofrida,alma
Onde a cidade está vazia
O passarinho já não pía
O sol não nasce e nada se cria
Florestas negras e o vento assobia
Essa é a vida
Enquanto uma criança brincava
Uma flecha foi lançada
Chora a minha criança,machucada
Já não dança
Grita a criança,ensanguentada
Já não tem mais esperança.

Thábata Piccolo

Curitiba,Inverno 2012.
 
A noite se cria

Nos Permita

 
Que Deus nos permita,nessa forma de viver,
Uma nova e densa alegria,transformando em esquecer,
As palavras que um dia vieram a nos fazer mal,
Permitindo a nós uma melhor situação atual.

Que entre as horas esperadas,
Aconteçam histórias inesperadas,
Tirando a monotonia,
Dentre as questões do dia.

Que o amor seja incapaz de machucar,
Os dois corações que não querem chorar,
E seja capaz de evoluir e não fazer sofrer,
Um sentimento que deveria trazer felicidade,ao invés de nos fazer correr.

Que a amizade seja eterna e duradoura,
Como a vida intensa e encantadora,
Sem mentiras e traições,
Quando no final,todos aprendemos nossas lições...

Thábata Piccolo

Curitiba,Outono 2012
 
Nos Permita

Céu brilhante

 
Olho para o céu,ele está mudado.Diferente,não sei como explicar...Pela janela,dentre meus olhares,além do vidro,enxergo um céu,sumido de estrelas,mas lotado de nuvens.Não consigo notar estrelas,e a claridade da Lua não faz mais parte do céu.A brisa do vento gelado na noite.Noite estranha,onde o vento côa nas extremidades,e a janela que balança,com o vento que sopra.

Noite fria,vejo carros pela rua,barulho do movimento.Anormalidade no tempo,brigas no céu,mais não posso apartar.Novamente na janela,quero ver o luar.Vejo alguém...vagando pelos cantos,e um cigarro a fumar.Uma sombra surge na parede,uma mulher...Observando o céu escuro,triste e apagado.Mas minha lembrança de um céu estrelado...

E a noite de amor,estão aqui guardados,a procura de claridade.Respiro um vento puro,e sinto o conforto.Céu...As nuvens caminham rápido,fogem do meu olhar,a direção que não pode-se acompanhar.Perdidas estrelas,são mínimas.E no meu pensamento,o céu tem a imensidão do meu amor,as estrelas o seu brilho,as nuvens desenham o seu rosto.

A sombra sou eu,e quem vaga é a minha alma,na busca do céu perfeito,e com lembranças de você.Outra noite,há alguém aqui,zelando por ti,e na esperança que o meu céu volte a brilhar...

Oh Lua,aguardo teu luar.

Curitiba,Verão 2010.

Thábata Piccolo
 
Céu brilhante

O POETA

 
O poeta

O poeta sofre sozinho lendo
Perde-se em sua própria escrita
Que reluz a dor e o amor da alma
O poeta se priva relendo
Suas meias palavras como se fosse uma obra literária
Não é qualquer junção de letras que acalma
O poeta desobedece regras
Não é soneto, haicai nem sátira
Ele escreve conforme der
O poeta anda por sob as pedras
E não se deixa levar por asneira
Nem sempre é fácil entreter
E conquistar a confiança
Sofre pela mudança
E nada esclarece o sentido
Se perde sem saber o motivo
E logo se vê com uma caneta e um pedaço de papel.

Curitiba, Outono 2016

Thábata Piccolo

http://suicidiodapaixao.blogspot.com.br/
 
O POETA

Instintos

 
Não sou como deveria ser
Certas vezes sinto vergonha de meu modo de agir
Tenho ciência de que não deveria ser assim
Mas não consigo controlar os meus instintos
Meu bem me ame, me abrace
Me dê carinho, cuide de mim
Meu bem me adore, me explore
Meu bem me queira, meu bem me esquente
Por dentro sou tão carente
Não quero deixar o desejo me ferir
Não quero deixar que ele me destrua
Que destrua nós dois
Não quero cometer erros sem volta
Não quero ter que bater na porta
Meu coração é tão menino
Como um garoto e sua bola
Só tem espaço para você
Mas meu corpo pede mais
Tem tudo mas ainda insiste em querer mais
Nunca está satisfeito
Meu bem não me deixe
Ainda que o pior aconteça.



Thábata Piccolo



Curitiba, Outono 2016

http://suicidiodapaixao.blogspot.com.br/
 
Instintos

Infinito em mim (2)

 
De longe árvores enfeitam as ruas
Paisagens vivas despertam amor
Vago em becos e estradas sem saber onde estou
Enquanto luzes ofuscadas trilham o que não sou

Muros esculpidos e algumas almas ainda vivas
Modelam o formato de um típico vilarejo
Caminhando do outro lado o cenário se altera
Almas mortas acompanham o trajeto

Já não existe mais a árvore de Ipês
Onde na calçada escondem-se estranhas pegadas
Nem crianças brincam nas ruas hoje isoladas
De fora é tão bonito assim,por dentro está no fim

E ninguém consegue perceber
Pois cada um enxerga o mundo como sente
Nem sempre o mesmo caminho será igual
Quem está vivendo só entende

De perto é tão fácil falar
O problema é amar
De cada ângulo observar
Mas nunca sentir

Suicida no tempo presumir
Que a morte está por vir
Mas nem pra todos, o importante é sorrir.

Thábata Piccolo

Curitiba,Inverno 2012
 
Infinito em mim (2)

Riscos

 
Aqueles que hoje correm,
Amanhã serão os mesmo que pedirão perdão
E buscam ainda salvar os que morrem
Também podendo ser um único coração
Rezando de noite,chorando de dia
Clamando proteção,num local tênubre
De longe um deles sorria
Enquanto muitos acolhiam um nobre
Pobres reis,ricos servos
Pobres de emoção,ricos de ouro,prata e mineração
Reis de berço,servos da escravidão
Muitas lutas e pouca gratidão
O que temos hoje?
Uma porca nação?
Desrespeito,preconceito,infidelidade,falsidade e traição?
-Não,não se pode acabar assim,por isso imploro agora
Salve-se nessa hora
Sonego palavras de curta duração
Abaixo a cabeça e insisto em dizer...
-Pobre nação !

Thábata Piccolo

Curitiba,Outono 2012
 
Riscos

Breve amor, meu bem

 
O coração acelera quando sente sua presença
Ele sabe que você fala alto pra chamar minha atenção
O coração acelera quando vê mensagem sua
Ele chora porque sabe que pouco irá durar
Digito a senha e amplio a sua foto só pra saudade passar
Eu gosto de blues não de sertanejo
Mas canto alguns versos quando te vejo por andar
Acordo penso em você, conto minutos pra te encontrar
Reparo nas roupas e no seu cabelo
Coisa linda de se ver dançar
Na minha mente invento um jeito pra te namorar
Sei que você se arruma pra eu reparar
Eu também me arrumo pra te ver babar
É declarado entre nós
Pena que não estamos a sós
Você gosta do meu cheiro no seu lençol
Gosta,não é?
E eu gosto do seu perfume de final de semana
Escrevo os versos sorrindo pensando em você
Mas que bobeira a minha!
Nem sei o que está fazendo agora
Me namora!
A vida é feita de escolhas, mas não quero te escolher
Você é bagunceira, folgada, não tem nada pra fazer
Eu sou organizado, trabalhador e só penso em te querer.

Breve amor, meu bem

Dalton Rios

Curitiba, Outono 2016

www.suicidiodapaixao.blogspot.com
 
Breve amor, meu bem

A cura

 
A cura

A cura da doença,inevitável.A pura sentença viável,pregada no mundo para se viver.A criança saudável,correndo do medo de morrer.

Um mundo com uma condição certamente favorável,mas de agora em diante,a situação está precária e inabitável.

Um lugar com conseqüências do destino,marcas de um passado e um futuro inacabado.
Ir tão longe quanto for a sede da urgência,não irá adiantar,o caminho deverá terminar de se trilhar,tudo pode se esperar,menos um fim a chegar.

O que pode-se concluir,é o chão que está por vir,o caminhar pronto a servir para iludir o mestre,traçado de linhas e desníveis,a ponto de serem incríveis,para apenar chamar-se de futuro!

Thábata Piccolo

Curitiba,verão 2010
 
A cura

Muitas vezes

 
Muitas vezes buscamos um motivo
Mas nem sempre lembramos de agradecer
Tantos dias e momentos que passam e não notamos
Tantos anos voam e reclamamos
Enquanto segundos adormecem
Encontramos mais motivos
Esquecendo que o maior motivo é viver
Ninguém aprecia a chuva como gosta-se da lua
Sendo que o motivo para viver é especial
Longe ou perto
Tolerável ou proibido
Discriminado ou impossível
E nem assim o coração deixará de amar
Quem busca motivo raramente pode se apaixonar
Quem cultiva o tempo sabe cuidar
Aproveita,não deixa-o passar
Raio de luz,estrela ou luar,todos podem brilhar
Platônico ou real,breve será sua paixão
Eterno será o seu amar.

Quero viver,quero sonhar
Os que pouco sonham nada vivem
Só aguardam o despertar.

Thábata Piccolo

Curitiba,Inverno 2012.
 
Muitas vezes

Meus Heróis

 
Estou presa,ilesa,com meus defeitos morais.
A minha noção sobre o mundo não se equivale a frutos reais.
Diga não se desistes,quer parar?
Diga sim se insistes,vamos continuar?
Estou presa,depressa!Corra!
Nem sempre viver é uma dádiva fatal.
O acerto de contas é eterno,sim,todos sairemos mortos daqui.
Hoje,nem o amor salvará,aliás,eu o procurei,procurei e nada achei.Sumiu junto com nossos reis!
Onde estão meus heróis?Eles não morreram de overdose!Por favor,não me diga,eles morreram?
Assassinados,exterminados,me encontro em colapsos!
Disseminados!Por que fizeram isso com eles?
Meus heróis,corram,corram!Busquem-nos!
Necessito que venham salvar meu mundo.
Todos nós morremos de overdose,porém nem todos fomos heróis.
Nem sequer o amor nos salvou.
Somente a morte,que a todos calou.

Thábata Piccolo

Curitiba,Outono 2012;
 
Meus Heróis

MARINA

 
Marina

Tão linda e pura
Jovem e virgem
Menina doce
Que vive num castelo de algodão
Com seus cabelos loiros e pele clara
Mente tão sagrada
Ainda não descobriu a insanidade da vida
Com seu lindo vestido de cetim
A sapatilha abriga pés que por quase nada andaram
Menina pura
Se eu pudesse lhe manteria assim
Você jamais descobriria as maldades dessa vida
Menina doce, menina meiga
Seus olhos ingênuos exploram a multidão
Tão doce como açúcar
Mais pura que água cristalina
Seus longos cabelos loiros
Me recordam de uma época
Que a muito o tempo já levou
Menina doce, menina pura
Se eu pudesse lhe colocaria em uma bolha de vidro
Mas meu bem
Todas as borboletas devem aprender a voar.

Thábata Piccolo

Curitiba, Primavera 2015

www.suicidiodapaixao.blogspot.com
 
MARINA

Meu corpo Junto ao teu

 
Meu corpo junto ao teu.

Quero meu corpo junto ao teu,quero me perder em teu sorriso.Que lhe dar a mão e pular,desejando felicidade eterna.

Quero lhe dizer te amo,logo ao amanhecer.Te beijar de leve,no início do anoitecer.Me despir em sua frente,para ver você sorrir e me possuir.

Quero me entregar em seus braços,e deixar você me amar,me conduzir pela estrada certa.Em tempo de colheita,pela caminhada estreita,pular em seu colo se não houver espaço para nós dois.

Para tudo basta,uma palavra,um gesto e um olhar.Para difamar e machucar,basta um ato de imprudência.
Só não quero que esse amor,cause dependência.

Para mim e a você,basta um voto de confiança,e uma boa liderança.
Quero esquecer os problemas,e seguir adiante.Em busca de paz...

Thábata Piccolo

Espero que gostem,obrigada.
http://www.pensadorapoemas.blogspot.com/
 
Meu corpo Junto ao teu