Poemas, frases e mensagens de Edtrigo

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Edtrigo

CHINELO

 
Objetos

São, muitas vezes,

Reminiscências do passado.

Um chinelo velho

Trás de volta

Os primeiros passos

Quando ainda era novo.

Memorial de outros tempos

Perdidos no caos da memória.

Mas quando foi?

E aonde fui?

Olho com admiração

O seu desgastado

Estado.

28-11-2003
 
CHINELO

COCA COLA

 
A Coca-cola também pode ser derrotada

Basta um jato de tinta,

Um pouco de cola,

E um ponto-cego pedindo esmola.
 
COCA COLA

MINHA GATA

 
A minha gata é estranha,

Sempre me relembra

Que a comida ainda não chegou ao seu prato

E que é tão simples viver.

Quando não se é oprimido pela vontade.
 
MINHA GATA

No Calvário.

 
No Calvário.
 
Sem saber aonde ir
Fui até o calvário.
Preguei os meus cravos
Nas minhas mãos,
Carreguei a minha cruz.
Espezinhei cardos e saliva,
Tombei e expirei,
Depois tremi.
“Lágrimas não me afogam
Nem vinagre me fazem morrer”.
Só morro porque o meu coração
Se partiu pelo amor
Que nunca veio de ti.
Vem meu filho
Que o teu abraço te espera.
Descansa na paz do teu
Senhor.
 
No Calvário.

EM FRENTE À ESTAÇÃO SAINT-LAZARE DE HENRI CARTIER-BRESSON

 
EM FRENTE À ESTAÇÃO SAINT-LAZARE DE HENRI CARTIER-BRESSON
 
Num instante
Homem sobre a escada
Um salto
É jesus andando sobre as águas...
Jacó vê e diz:
"Ele não vai a lugar nenhum..."
A escada está deitada no chão.
Para mim é um milagre...
 
EM FRENTE À ESTAÇÃO SAINT-LAZARE DE HENRI CARTIER-BRESSON

NA VARANDA

 
NA VARANDA
 
Não tememos o que conhecemos, tememos o que conhecemos como terrível.

Sentados na varanda

Ouvimos sons na estrada risonhos

Indefinidos no passar da noite.

Na manhã seguinte de nada sabíamos

Talvez fosse alguém

A visitar a família

Indo pra casa

Um jovem a visitar a namorada

Todos passavam no caminho

Olhavam a varanda dos Abelardo

E nós olhávamos o invisível

Permanecia o mistério.

A velha casa foi tragada pelas chamas

E noutra estrada nos posicionamos

Nela ouvimos barulhos claros e audíveis

Sabemos exatamente o que é...



Outros caminhos se abrirão

E permanecerão a passar pelo caminho

Em sons claros e audíveis,

Sabemos o que passou.


Tudo é igual e sempre será...

Uma coisa, no entanto, não.

Não existe mais

Aquele antigo

Mistério.
28/02/2000
 
NA VARANDA

Aprendi.

 
Aprendi:
Falando, ensinando,
Andando, correndo,
Suando, rondando.
Aprendi.

Aprendi:
Que a vida é suave
Que a vida é amarga
Que o fel pode ser doce
Que o doce pode ser fel,
Aprendi.

Apendi
Que tudo é azul
Enquanto tudo não é negro
Que o negro é belo
E que o belo é azul
Aprendi

Aprendi
Que o cálculo calcula
Mas, o cálculo não copula
Caduco cálculo
Cálculo copula
Aprendi.

Aprendi
Que das fezes
Fazem casulo
Dos casulos borboletas
Das borboletas as flores
Das flores você
Aprendi.

Aprendi
Aprendendo
Ensinando, trabalhando
Falando, sofrendo,
Dormindo, comendo
Aprendi.

Aprendi
Que o poema
Não para nas palavras
Não para com você
Não para comigo
Vai aonde eu sigo
Que é onde você está
Aprendi.

Aprendi
Que este poema
Jamais pode ter fim
E se você que o lê
Quiser aumentá-lo
Escreva a frase
E depois
Aprendi.

Aprendi
Portanto,
Que aprender é tudo
Que aprender não é nada
Que cada dia aprendemos
Porque aprender é prender
E o que estamos prendendo
Aprendi.

Aprendi
Que te conheço
Aprendi que te quero
Aprendi que tropeço
Aprendi que te espero
Aprendi que te falo
Quando falo disfarço
Aprendi um abraço
O abraço me mata
Aprendi.

Aprendi
Que grande é a vida
E quão pequena é você
Quão falso é a vida
E quão grande é você
Quão sólida é a vida
Quão frágil sou eu
Aprendi.

Aprendi
Que as estrelas
Também caem do céu
Que você é descrito
Num simples papel
Que as estrelas me olham
E me vêem aqui
Em seguida me seguem
Aonde eu vou seguir
Aprendi.

Aprendi
Que uma prova
Não é aprender
Uma prova é uma prova
Que eu não vou saber
Mas se a prova é prova
Quão fútil ela é
Pois, prova a prova
É que o homem que aprova
Não aprova a prova
Aprendi.
 
Aprendi.

PORNOGRAFIA

 
Lambusada

Máquina barulhenta,

Pistões, arruelas, operários...

Pagam com suor

O gemido estrondoso

Dos seus filhos...

Que nasceriam

Se não fosse o mercado

Do sexo.

EDILSON TRIGO – 22/03/2010
 
PORNOGRAFIA

Vai até o prédio

 
Querendo destruí-lo,
Mas logo percebe
Que sua Onipotência
Somente chega
Ao primeiro andar.
“Por que andar” ?
“Por que falar” ?
“Por que pensar” ?
A paciência continua intacta,
Mas já não confia em ninguém.
É duro o parto de um
Homem.
 
Vai até o prédio

JOÃO E MARIA

 
Em sua condução para a eternidade

Sempre se fiam no amoroso pai da eternidade.

Pois com ouro, prata, e lealdade

Vivem assim:

Ouro os fia

No ouro confiam

O ouro os perdoarão

João e Maria.
 
JOÃO E MARIA

Viver Sem Poesia

 
Pode-se viver sem poesia?
Podemos viver sem aquele estado poético?
Sim, porém, sem ele somos simples vermes
Rastejando, rastejando no chão.
A vida tem que ser poética
O ar inalado tem que vir rimado
O coração bater firme, ritmado,
Podemos então nos satisfazer.
Isso sim que é viver...
 
Viver Sem Poesia

A Cura.

 
Pode um olhar transformar uma vida?
Podem palavras curar o coração?
Pode um leve toque trazer tanta alegria?
Pode o brilho dos olhos criar tanta fantasia?
A fria ciência diz que não.
Mas, meu bem,
Ao vê-la, ouvi-la, senti-la, apreciá-la...
Me desculpe a ciência,
Mas neste instante
Eu provo que...
...Sim.
 
A Cura.

POR QUE NÃO SE ARRISCAR MAIS?

 
Por que não sair sempre da rotina
Navegar em novos mares
Nunca dantes navegados?
Por que se humilhar nas convenções
Se se pode simplesmente voar?
Medo de interpretar do teu modo,
Modo de interpretar do teu medo.
Abandone isso
O que importa se alguém disse de outro jeito?
Ele estava em outra época
Você está vivo agora...
Viva a via viva da vida
Via de descobertas
Que só é possível
Fora das cobertas
Este é o meu manifesto...
Viva até morrer...
 
POR QUE NÃO SE ARRISCAR MAIS?

ÁLBUM DE FAMÍLIA

 
Meu avô derrubou árvores
Com machados de sonhos
Fez casa,
Construiu celeiros
Para que?
As árvores estão cobrando seu preço
Enquanto ele dorme entre elas
Todos mortos...
 
ÁLBUM DE FAMÍLIA

CONTATO COM DEUS

 
CONTATO COM DEUS
 
Ah! Como me sinto feliz!

Não tenho uma mulher!

Não tenho dinheiro!

Não tenho família!

Estou cheio de trabalho!

Mas como me sinto feliz!

Neste momento.

Quando todos dormem

E eu solitário

Vejo-me junto às estrelas

No azul de minh'alma.

Deve ser isto...

Estar em contato com Deus.
 
CONTATO COM DEUS

LIBÉLULA

 
LIBÉLULA

TOCA NA ÁGUA

LIBERANDO

ONDAS...
 
LIBÉLULA

Cenas de uma Guerra

 
Escalpos de homens

Vestes rústicas

Fumaças de fome

Fogo, miséria,

Vê-se ao longe

Canhões desgarrados

Vê-se distante

Calor e miséria

Já do meu lado

Um cadáver está.

Eu estou morto

E ninguém me virá

Serei moribundo

Em terra estranha

Pois, há uma bala

Em minhas entranhas

O sangue jorra

As traças corroem

Os trapos se espalham

Os dias se vão...

Nós agora somos vermes

Mas quão orgulhosos éramos!!!

Somos simples pedaços,

Mas quão unidos éramos!!!

Estes que agora são

Estilhaços espalhados

No chão...
 
Cenas de uma Guerra

Mares Encapelados

 
Dos mares encapelados

Surgem novos capitães,

Tão experientes quanto o próprio mar.
Das águas enraivecidas

Surgem seres corajosos,

E a alegria dos que suportaram a tormenta.
 
Mares Encapelados

Oh, Dia. Oh, Dia.

 
Oh, dia. Oh, dia.
De prantos e lamentos
Nesta vida estribrilha
Os calados sofrimentos.

Sofre, sofre coração
Tudo, tudo é ilusão
Ai, rotas milenares
Que sujam mentes às milhares.

Oh, noite. Oh, noite.
Acabaste comigo
Pois fizeste comigo
O chão de sua casa
E o imundo se fez limpo,
Pisando em meu cadáver.

Fico, pois, calado
Distante de tal Condado
Da condessa de Manágua
Que à noite como que
Sofresse as ilusões óticas
De um moribundo sem água
Fez a mente em cálices.

Épocas e eras se passaram
Sem que a mim mesmo encontrasse
Covas secaram
Sem que a mim encontrassem.

Nestes sofrimentos atrozes
Surgem sempre pra mim
Que ruminam nosso ser
Faz nascer ferozes
Feras, a destruir o viver

Ah, grandes lamentos
Quo Vadis?
Oh mente?
Por que não aquietaste?
Por que não falas apenas?
A mim que sou teu escravo?
Por que pensas em reinar em minh'alma, oh, carne?
Em minh'alma te digo:
"Sinto com todas as forças.
Pois, se dominares
Dias piores virão.
 
Oh, Dia. Oh, Dia.

FAZER

 
Faças o que fizeres

E terás feito apenas

O que todos fazem.

Faças o que nunca fizestes

E farás o que ninguém fez.

Viver de uma forma diferente

Pois, se é diferente

Há apenas uma forma,

A tua.
 
FAZER