https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Delírio poético

 
De tênue lamparina o lampejo,
De gotejante cacimba o marejo,
Induzem-me a letrar meu canto.

Descartáveis motivos, no entanto,
Inóspitos, suscitam tormentas
E irrompe do magma da sorte,
Alquimia densa e forte,
E excitante jornada antevejo.

Contida alma a revelar, ensejo,
No embalo e sem demora,
E a letra assinalando a hora,
Liberta, esguia, insinuante,
Abraça a verve por consorte
Na viva via da vida restante.

No estertor da raspa vigente,
De antanha vida inocente,
Desajeitada e bruxuleante,
Canta a velha cigarra,
Sentindo o temporal ir-se embora.

Na enxurrada a dúvida agora;
De poeta, esse delírio errante,
Por desgraça ou por sorte,
Será vida ou será morte?

 
Autor
Manito
Autor
 
Texto
Data
Leituras
606
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 04/02/2011 21:28  Atualizado: 04/02/2011 21:28
 Re: Delírio poético
Voce escreve muito bem! Abraco!