https://www.poetris.com/
 
Dia do pai : 

Declaração de um pai dégua.

 
Declarações de um pai dégua.
Nesse cordel popular.
Venho aqui me mostrar.
Um cabra da gota serena.
Um tipo metido a besta.
Que no Nordeste nunca pisou.
Nem me pergunte quem foi Lampião.
Pois não conheço e vou mangar.
Mas o meu coração amolece.
Quando com uma rapariga bato de frente.
Parece inté que nunca vi muié.
Mas fico ressabiado.
Quando avisto na sintura de um cangaceiro.
Um punhal afiado.
Vigi meu Padim.
Saio de lado.
Igual a gato matreiro.
Afinal sou do bem.
Não meto a mão em cumbuca.
Nem compro fiado.
Sou do tipo.
Que dá um boi para não entrar numa briga.
Precisa-se for.
A boiada também.

Declarações de um pai dégua.
Nesse cordel popular.
Venho aqui me mostrar.
Um cabra da gota serena.
Um tipo metido a besta.
Que no Nordeste nunca pisou.
Nem me pergunte quem foi Lampião.
Pois não conheço e vou mangar.
Mas o meu coração amolece.
Quando com uma rapariga bato de frente.
Parece inté que nunca vi muié.
Mas fico ressabiado.
Quando avisto na sintura de um cangaceiro.
Um punhal afiado.
Vigi meu Padim.
Saio de lado.
Igual a gato matreiro.
Afinal sou do bem.
Não meto a mão em cumbuca.
Nem compro fiado.
Sou do tipo.
Que dá um boi para não entrar numa briga.
Precisa-se for.
A boiada também.
 
Autor
apegaua
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1310
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 08/02/2011 10:43  Atualizado: 08/02/2011 10:43
 Re: Declaração de um pai dégua.
Hehehhe...ainda bem meu amigo,assim tu se livra de ser pego!
Amei este!
Parabéns!
Beijos ternos!