https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

* Inspiração - Último Poema *

 
Tags:  inspiração    partida    último  
 
Estou vazia!
Já não te tenho mais amor…
E tortura-me esta dor,
Pela qual anseio e amo,
Com tanto ardor…

Já não! Já não me espreitas amor!
Os nossos dias acabaram,
Já não têm Mais cor,
E esqueci o que senti,
Quando te esbocei ao rubor.

Já nada resta,
A nossa parceria,
A forma como te alinhava na minha poesia,
Acabou!
Não te amo mais…

E dispo-me de ti,
Enterro ainda em sangue o que vivi,
Aqui e ali,
Enquanto te escrevi….
Morri amor!

Estou de partida,
Vazia e amargurada…
Deixo-te para sempre,
Não te quero encontrar mais!
Espero que não me voltes a tocar…


Marlene


Open in new window


 
Autor
Ghost
Autor
 
Texto
Data
Leituras
910
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
37 pontos
13
0
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/07/2011 22:26  Atualizado: 27/07/2011 01:45
 Re: * Inspiração - Último Poema * - Para Marlene
Li aqui um poema-despedida, um "adeus-não-posso-mais-ficar-ao-teu-lado"...
Nem mesmo o amor é eterno e nem nós podemos controlar a loucura do sim-não que é o amor.
Mas não é só o amor que preenche nossos vazios.
Muito bom, Marlene!

Um beijo e uma alegria pra você, minha querida.

PS:
Confesso que tomei um susto com o título...


Enviado por Tópico
EuniceContente
Publicado: 27/07/2011 01:39  Atualizado: 27/07/2011 01:39
Colaborador
Usuário desde: 06/07/2009
Localidade:
Mensagens: 532
 Re: * Inspiração - Último Poema *
"Estou vazia!
Já não te tenho mais amor…
E tortura-me esta dor,
Pela qual anseio e amo,
Com tanto ardor…"



Parece-me controverso e que desdenha de algo que não quer mas nao consegue largar, porque ama e não quer amar...

gosto*


Enviado por Tópico
AdTe
Publicado: 27/07/2011 01:48  Atualizado: 27/07/2011 01:51
Da casa!
Usuário desde: 28/03/2011
Localidade:
Mensagens: 340
 Re: * Inspiração - Último Poema *
"como te quero, mas tive de partir para que vivesses a tua vida"

uma contradicao que é a certeza mais certa da sua vida, um dissipar de todas as dúvidas
" nao te amo mais"
achei este poema Extrondoso Marlene,
parabens.
Meu favorito.
Beijinho minha amiga


Enviado por Tópico
BerloquesImaginários
Publicado: 27/07/2011 11:10  Atualizado: 27/07/2011 11:10
Da casa!
Usuário desde: 19/07/2011
Localidade:
Mensagens: 241
 Re: * Inspiração - Último Poema *
Primeiro pensei:
-o ultimo poema e ainda agora eu comecei/entrei e estou a conhecer/descobrir.
(espere mais um pouco...rsss)

Depois de ler voltei a pensar ;)
não vou comentar, apenas absorver e sentir!!
Levo comigo! Beijo


Enviado por Tópico
And.Marques
Publicado: 27/07/2011 16:04  Atualizado: 27/07/2011 16:04
Super Participativo
Usuário desde: 23/07/2011
Localidade:
Mensagens: 148
 Re: * Inspiração - Último Poema *
Olá tudo bem? Apreciei bastante seu poema, gosto de coisas intensas assim!!!Parabens, um bom dia!!!

Enviado por Tópico
msrdany
Publicado: 28/07/2011 20:29  Atualizado: 28/07/2011 20:29
Da casa!
Usuário desde: 18/10/2010
Localidade: Monte Carmelo - MG
Mensagens: 392
 Re: * Inspiração - Último Poema *
Li nestes maravilhosos versos a triste despedida que deixas para alguém que muito amou, que tantos versos dedicou e que agora em palavras enterrou.

Adorei Marlene.
Beijos poetisa.

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 30/07/2011 02:05  Atualizado: 30/07/2011 02:05
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17658
 Re: * Inspiração - Último Poema *
Eu diria um eterno poema... bjs

Enviado por Tópico
P03tiza
Publicado: 03/08/2011 02:50  Atualizado: 03/08/2011 02:52
Da casa!
Usuário desde: 14/07/2011
Localidade: Lisboa - Portugal
Mensagens: 238
 Re: * Inspiração - Último Poema *
Querida Marlene,

É com toda a educação e com todo o respeito que me atrevo a discordar, não está vazia. O amor partiu, do amor se despiu, como se de um manto carregado se tratasse, manto esse que se torna um manto delicado de seda depois de despido, um manto vincado e rasgado que atira para longe. Já não quer que a envolva nem que a toque mais, pois já não sente que dele é dependente como em tempos foi. E fica assim indefesa, despida e a tua pele que aquele manto deixou àspera e esfolada tenta defender-se aliando-se à sua revolta, à sua raiva, aos seus gritos de despedida, ao seu 'basta!'. E termina assim, atirando-se para a domadora armagura que agora se apodera do seu corpo, da sua alma essencialmente, garantindo de que mantém portas fechadas àquele manto de seda, e certificando-se assim que será dela para sempre, será sempre da escuridão, escuridão essa que a irá manter sempre cega. E por isto friso, 'não está vazia', nem de amor, pois o seu amor persiste embora desigual, pelo que agora lhe dá segurança, pela solidão.

Muito atenciosamente,
Rute/P03tiza.