https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Televisando

 
Televisando
 
Vejo as cores da loucura
Deslizando no aparelho
E contraio um vômito informacional.

São rostos, nomes,
Massas de espermas coloridos
Dançando rumbas
Num universo alucinógeno.

Empurro para o estomago,
Estragado por transgênicos,
O suplemento oriundo de Sodoma,
Produzido com orelhas muçulmanas,
Anunciado em meu canal de compras predileto.

Esfrego meu pau
Buscando um gozo verdadeiro
Enquanto outro novo reality-show inicia
Vendendo-me o novo “melhor de todos os tempos”
Para deleite do corpo amorfo.

Troco os canais,
Troco os sentidos,
Troco os sentimentos,
Troco minha insanidade,
Por outra qualquer,
Em nome do “religiosus-consumus”.

Aperto OFF e começo a existir.


Eu sou a vertente mórbida de um anjo bom. A poesia trágica, o constante inconstante, o sopro gélido de uma noite fria. Creio ortodoxamente no que duvido, abrigo extremos, escrevo poemas em meio a balas de canhão. Odeio o lirismo covarde, as frases sem ...

 
Autor
roniel.oliveira
 
Texto
Data
Leituras
429
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.