https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

,geme a ondulação

 
.
.
.
.
.
.
.............................................
*********************************************

,refundem-se os ecos por entre núvens
em cirros adormecidos,
nesta procela sempre presente.

,os ecos presentes, agitam-se, agigantam-se.

(I)

,da afonia o grito estrebucha
pelas rochas escondidas em preia-mar,
qual vinho sorvido sem gestos,

dispensam-se palavras gastas,
tantas as ausências

que se atravessam, breves vaus abandonados
por um mar em calmarias, vazadas.

(II)

,quisera-se um dia o nevoeiro escondendo faróis,
imaginados,
sôfregos das inúteis salvações, naufrágios,

,quiseram-se apenas veleidades travestidas de vontades tantas,

e a vontade presente que seja absurda.

,os corpos, o mar, os náufragos, os outros,

que o outro seja, jamais um eu.

(III)

Afinal, acordo-me em sonho,
rendo-me, despojo-me, desnudo-me

nesse desfraldar das velas ufanadas, aprisionadas
ao estático mastro,

(IIII)

[geme a ondulação, regressa o tempo parado, presente,
presente...].



"Forfante de incha e de maninconia,
gualdido parafusa testaçudo.
Mas trefo e sengo nos vindima tudo
focinho rechaçando e galasia.
Anadiómena Afrodite? Não:"

("Afrodite? Não" Jorge de Sena)



...
“a vida é sempre a perder,
mais que uma onda, mais que uma maré”
(Xutos e Pontapés “O Homem do Leme”)


Textos de Francisco Duarte
 
Autor
F.Duarte
Autor
 
Texto
Data
Leituras
776
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 23/01/2013 02:14  Atualizado: 23/01/2013 02:14
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17658
 Re: ,geme a ondulação
tal silencio no meio do mar...
Gosto, desde a primeira palavra tua,
aquela que alcançou minha vista (como primeira)
bjs