https://www.poetris.com/
Sonetos : 

Soneto do calar torturado

 

Saiba que só me entristece a visão do veredito,
dolorosamente ao sentir essa realidade marejo,
desde as taças quebradas dum jogral transcrito,
prostrado à rés, não beber novamente do pejo.

Se da esperança emana alegria, vejo contriste
no ar decorrente se jamais surgir revigorado,
quanta toda devoção, viver remoendo o chiste,
daí, sussurrante como fonte do brilho avocado.

Ai! Arcaicos crentes, detratores de verdades
tolos quedarão a fazer rasas palavras antigas,
inobstante o senso tolherem-se nas herdades.

É pois que, vendo acenarem falsos, esbravejo,
não reconheço sequer soerem ocultos aurigas,
me calo impiedosamente torturado no ensejo.

 
Autor
ReflexoContrito
 
Texto
Data
Leituras
155
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.