https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Relógio

 
Tags:  vida    tempo    destino  
 
Open in new window

Relógio

Olho sempre para o relógio
Para ver se o tempo para
Não quero ouvir necrológio
Ou mal que alguém dispara

Mas eis que o tempo não para
E acelera tão continuamente
São duas vidas que separa
E a desconhecida vem à frente

Um dia uma vai e a outra fica
E o meu medo se multiplica
De partir e ficar tão ausente

Mas esse medo é passageiro
Pois há um destino derradeiro
Não fica ninguém pra semente.

jmd/Maringá,24.11.17


verde

 
Autor
João Marino Delize
 
Texto
Data
Leituras
208
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
sisnando
Publicado: 25/11/2017 10:52  Atualizado: 25/11/2017 10:52
Colaborador
Usuário desde: 21/10/2008
Localidade: Fafe
Mensagens: 590
 Re: Relógio
Ninguém fica para semente, disso podemos ter a certeza. E o relógio continuará o seu TIC TAC! Gostei de ler abraço amigo