https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Sangue azul-moreno

 
Dia após dia
via
ir dos braços a tez albina.
Das veias antes cianosadas,
da nobreza arterial
dissipar-se a neblina.

O tronco desnudo banhará o Sol.
Jornaleiro é o seu apelido
e magro dote.

Vergado sobre o centeio fino,
alimenta-o a terra que o tem
submisso.

Desde adulto a menino.

Via
as garras
dos pés e das mãos, tão escuras do frio,
negras
do pó, da lama primaveril.

Entre
a palavra de honra,
a leitura do arado e do coice do cavalo,
é Homem de letras.

(O pão da minha Senhora
este ano
será doiro)


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
428
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.