https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Pousio

 
A chama do verão no outono
arrefece,

a rara visão do pavio
como a calma com que morre um rio,
cobre o escuro, cabe o mar numa prece.

O chão cai saturado, a terra em fadiga,
em desgraça,
o arado passa, a nada se obriga.
Na muda a semente ferve,
de quente.

O montanheiro lê onde o monte se estafa
e
para que se solte novo verbo,
roda
como moda, como média, contas dum colar,
que avança sem parar num terrível sem-cor.
Desde a sementeira à colheita,
à pergunta achega-se a resposta,
à procura de nova paragem nova,
perfeita.

Manda a regra que esta se quebre,
que no frio da pele gasta
basta o pousio.

E é quando revejo os teus olhos
que sei
desse fulgor.


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
408
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.