https://www.poetris.com/
Poemas : 

Pousio

 
A chama do verão no outono
arrefece,

a rara visão do pavio
como a calma com que morre um rio,
cobre o escuro, cabe o mar numa prece.

O chão cai saturado, a terra em fadiga,
em desgraça,
o arado passa, a nada se obriga.
Na muda a semente ferve,
de quente.

O montanheiro lê onde o monte se estafa
e
para que se solte novo verbo,
roda
como moda, como média, contas dum colar,
que avança sem parar num terrível sem-cor.
Desde a sementeira à colheita,
à pergunta achega-se a resposta,
à procura de nova paragem nova,
perfeita.

Manda a regra que esta se quebre,
que no frio da pele gasta
basta o pousio.

E é quando revejo os teus olhos
que sei
desse fulgor.


A minha pátria é a língua portuguesa.
Bernardo Soares

Saibam que agradeço todos os comentários, de coração...
Por regra não respondo.



 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
93
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.