https://www.poetris.com/
Sonetos : 

ÉDIPO, REI

 
Tags:  Sonetos 1998  
 
ÉDIPO, REI

Há-que se vazar, cego, as próprias vistas
Aquele cuja culpa imensurável!...
O Fado fez de mim o Inescusável
E reduziu a pó minhas conquistas.

Se falo é para o bem dos idealistas:
-- "Duvidai da fortuna d'um notável!"...
A vida é aforisma impenetrável,
Que resta ao escrutínio de sofistas.

Vago agora por uma noite eterna,
Onde as glórias se mostram relativas
Ao largo de palavras compassivas.

E ao vão das horas mortas me governa
Só a ânsia d'haver pela má jornada
A terra de meu túmulo sagrada.

Belo Horizonte - 15 05 1998


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
62
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.