https://www.poetris.com/
Poemas : 

inimigo-irmão

 
inimigo-irmão
 



se bebo a quietude
a saciedade não mede
tempo;
no primeiro gole,
ápice ocorre
neste imediato, desperto.
sossego em plenitude,
eis que morte é.

o que vibra vida
deixa instinto em alerta,
aguça coragem
atiça percepção
forja força
ferve sangue
exercita coração

excit' ação












nada muito complicado... como atirar pedras em lagos

 
Autor
MarySSantos
 
Texto
Data
Leituras
112
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ALFA
Publicado: 05/08/2020 13:16  Atualizado: 05/08/2020 13:16
Colaborador
Usuário desde: 14/04/2015
Localidade:
Mensagens: 923
 Re: inimigo-irmão
Numa dúbia deambulação
Onde se adelgam sentidos
Da vida, fazendo equação
Em seus braços impelidos.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 07/08/2020 11:23  Atualizado: 07/08/2020 17:53
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1914
 Re: inimigo-irmão
Duas partes distintas nos apresentas:
Os primeiro oito versos, ou seja, a primeira estrofe é de desejo. Um desejo quase contra-desejo.
Explico, no primeiro o sujeito poético bebe. Há uma sede que leva a que beba. Ou talvez seja apenas uma questão de gula. Ou vício, de licor.
A quietude pode ser muito, muito doce. Relaxante.
A verdade, é que em diversas fases da vida a sede de silêncio é avassaladora, e como é uma forma, por vezes, de paz, nunca se sacia.
Nem a paz, nem a sede de quietude. A palavra quietude, para mim, tem uma incerta beleza...

"...no primeiro gole,
ápice ocorre
neste imediato, desperto..."
A sensação de alívio dada pela quietude é imediata e intensa, assim como o desejo de permanecer.
Descansa em paz, é a última mensagem numa lápide.

Na segunda estrofe, um pouco mais descritiva, reparo que, ao nível formal, foi mais trabalhada.
As aliterações foram repetidas em algumas palavras, dando-lhe sonoridade.
Mas ela fala da vida e além dela, da vivacidade. Essa sonoridade, colocada de modo inteligente, contrasta com a da primeira estrofe.
"aguça-atiça, forja-ferve, exercita-excit-ação"" são, com as rimas em ão, as aliterações que me despertaram a atenção.
Coragem, percepção, força e sangue, tornam o poema vibrante, como aparece no primeiro verso.

O título, também, é um claro oxímoro que entra com tanta facilidade nas nossas vidas, e no quotidiano...

Gostei.
Obrigado
bj