Poemas : 

Mares Não Rasos

 
Em dias doentes, em meio a nuvens de tristezas,
os céus recuam e não oferecem doçura ou alívio algum.
Quando tudo parece não caber, tento traduzir o indizível
num desaguar de palavras a chover por dentro.
Onde a dor é livre e pura, subverte e despe qualquer ilusão do querer.
No silêncio, a minha voz, uma sutileza da minha loucura,
mundos surgem na minha mente, mares não rasos, sentimentos improváveis,
conversas profundas, paisagens imaginárias,
lugares onde possam morar os meus pensamentos cansados
e as melhores batidas do meu coração.
Que muito sente, pouco se guarda,
que é de verdade até pra quem é imaginação.
E assim, entre o dizer e o sentir, ou o não fazer de nenhum deles,
o sonho se vai todo dia, mas o absurdo fica,
na intensidade de quem sempre busca,
nos olhos que falam, no tocar de palavras não ditas,
que podem ser lidas na pupila, mas que raramente são.
Vontade inquieta, que não se distrai, nem se explica,
que pode levar uma vida inteira para passar ou que às vezes não passa nunca.
Sina de quem tenta ser poeta, sem nunca ter sido poesia.

 
Autor
Aline Lima
 
Texto
Data
Leituras
211
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
38 pontos
4
5
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
AlexandreCosta
Publicado: 27/05/2024 10:54  Atualizado: 27/05/2024 10:54
Super Participativo
Usuário desde: 06/05/2024
Localidade: Braga
Mensagens: 152
 Re: Mares Não Rasos
Bom dia :)
Entendo a humildade do último verso, mas discordo que só tente ser poeta e mais ainda não ter sido poesia...
No meu entender, humilde, está tudo aí, à flor dos dedos!

um abraço com poesia


Enviado por Tópico
Barbozza
Publicado: 27/05/2024 12:24  Atualizado: 27/05/2024 12:24
Membro de honra
Usuário desde: 24/07/2009
Localidade: Brasil - Alagoas
Mensagens: 1575
 Re: Mares Não Rasos
Aline Lima, minha escritora, que bom lê teus versos em sonetos sonoros de silêncio, mas que produz uma orquestra de interrogações, ademais, ao final da apresentação, os aplausos justificam a melodia-, belo, abraço.