Poemas -> Desilusão : 

É SEMPRE ASSIM

 
É SEMPRE ASSIM
A vida vai escorrendo por entre nossos dedos,
Construindo com todo capricho, defeitos em nossos corpos
Fazendo da nossa memória o mais importante em nossos destroços
A parte fundamental de como contar nossa história
Para os mais moços
Vai destruindo nossos ossos
Com o mesmo carinho que entope
Nossas artérias
Vai devagar, sem alarde, fazendo da existência uma miséria
Até que viremos alimento para vermes famintos
É sempre assim,
A oração,
Não nos priva da destruição,
Muito menos da solidão.
24/5/2024



 
Autor
Frederico Rego Jr
 
Texto
Data
Leituras
67
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.