https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Pêndulo de Foulcaut

 
Tags:  introspecção    foulcaut  
 

gostava de saber em que lugar se morre primeiro,
em que momento do corpo (ou da alma) anoitece o sol
e, vegetativo, num enclave boreal, não ousa sequer amanhecer…
(houvera pois quem me soubera dizer…)

pressinto que seja
no instante inaugural em que o gesto ternurento
se entretece de um luar sempre crescente,
alheio a tudo sem mote ou regra e,
arrestado por velas rotas, desordenadas, desaparece,
socumbe cobiçoso de ser. não acontece.

contudo a dúvida permanece e mina minh’alma
ensandecida.

reflicto e ouso acreditar, que a morte começa quando,
olhos famintos não encontram de si espelho
na íris profunda doutro olhar. tudo é frio, vazio.
o mundo gela, congela iceberg, calote polar.

de microscópio em punho pipeto o líquido da
minha própria salinidade.

cogito sobre memórias e lembranças duma brochura
desfolhada e tão lida, analiso nervuras dérmicas
em busca de que as células moribundas
não faleçam irreversíveis.
para que, em irreversibilidade de si, me não amputem
definitivamente até os terminais dos dedos…

alieno as lembranças, num pêndulo de foulcaut,
instinto de ritmo irregular.
confiro-lhe total liberdade d’oscilação
em busca do Infinito, da latitude zero, o equador…
e não o acho.

o tempo passa, enregelando tudo sem recato,
na vaga que me arresta. já nada resta…


insana, dobro-me de novo
no desejo de beber a água límpida
p’la concha de tua mão.

dobro-me a um amor maior enrolada na tua cinta,
campina cinta. vermelha cinta desta lezíria em flor.
em mar de fogo consumida, sou de ti,
já morta, quiçá vaga, a louca, resquício de lembrança.

e tu de mim, eterna esperança … meu amor!


MT.ATENÇÃO:CÓPIAS TOTAIS OU PARCIAIS EM BLOGS OU AFINS SÓ C/AUTORIZAÇÃO EXPRESSA

 
Autor
Mel de Carvalho
 
Texto
Data
Leituras
1096
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
14 pontos
6
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/06/2008 13:28  Atualizado: 19/06/2008 13:28
 Re: Pendulo de Foulcaut p/ Mel de Carvalho
É em vão que se procura comentário à altura desse poema. Não é prá ser entendido, mas compreendido como algo que se transmite pela epiderme, pela íris que na leitura reage, dilata buscando a saída.
Teu poema aprisiona o leitor, parceiro da sua viagem. Sempre superior, teu nível literário e tua emoção.
Beijo.


Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 19/06/2008 13:35  Atualizado: 19/06/2008 13:35
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4528
 Re: Pendulo de Foulcaut
É amiga eu também gostava de saber em que local se morre primeiro...talvez esteja dependente de cada ser humano...

Como sempre impar, menina Mel

Beijinhos poetisa
Tudo de bom para ti

Enviado por Tópico
MariaSousa
Publicado: 19/06/2008 17:47  Atualizado: 19/06/2008 17:47
Membro de honra
Usuário desde: 03/03/2007
Localidade: Lisboa
Mensagens: 4096
 Re: Pendulo de Foulcaut
Olá Mel,

Já estava com saudades de vir aqui para te ler e deixar um beijo.

Gostei muito.

Enviado por Tópico
josejorgefrade
Publicado: 24/07/2008 09:38  Atualizado: 24/07/2008 09:38
Participativo
Usuário desde: 07/07/2008
Localidade: munhozfrade@gmail.com
Mensagens: 44
 Re: Pendulo de Foulcaut
Estou encantado! Obrigado!