https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Surrealistas : 

Cega solidão

 
Pertenco á inóspita terra de nínguem,
sem passado ou presnte capaz de quebrar esta maldição de destinos traídos.
a vaguear pelas areias do tempo,
como xamã, de alma e corpo,
com os espíritos do fogo a possuire-me e
eu a beber as recordações dos antepassados.

Obrigado a reviver, cada lamento,
cada lágrima derramada enquanto evoco,
bem alto, para os Céus:
Naplam!,naplam!, oh agudo choro e doce grito do fogo!

Mas os espirítos,
também não me consiguiram acordar dos meus cem
anos de solidão!

 
Autor
deep felling
 
Texto
Data
Leituras
503
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Luz&Sombra
Publicado: 27/10/2008 22:48  Atualizado: 27/10/2008 22:48
Da casa!
Usuário desde: 02/10/2007
Localidade: Cantinho à Beira Mar Plantado
Mensagens: 410
 Re: Cega solidão p/ deep felling
Tão triste o teu poema, mas que belo é, na sua tristeza!...

Beijinhos.


Enviado por Tópico
sisnando
Publicado: 30/10/2008 18:47  Atualizado: 30/10/2008 18:47
Colaborador
Usuário desde: 21/10/2008
Localidade: Fafe
Mensagens: 587
 Re: Cega solidão
A solidao,a amiga mais que fiel. E que nos permite ter uma lucidez acutilante!
Muito obrigado pela partilha do teu espirito!
Sem mais despeço-me com amizade