https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Surrealistas : 

Ossos do ofício

 
Vê aquela “pobre” criança?
Ela não é pobre
Muito menos criança
Ela é sei lá o que
Sem definição.

Vê aqueles ossos expostos?
Eles sim são alguma coisa
São os gritos de fome
Daquelas que deverião ser crianças
Daquelas que deveriam ser ricas
De conhecimento
De amores
De paixões
E de esperanças...


Preta
18/08/2008


"Poeta é o que tira de onde não tem e bota onde não cabe."

(Pinto do Monteiro)

Até quando entregaremos indifenreça como "sinal de contribuição" para que aqueles ossos passem a ser crianças???
 
Autor
Preta
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1354
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
willians
Publicado: 18/11/2008 00:33  Atualizado: 18/11/2008 00:33
Da casa!
Usuário desde: 18/07/2008
Localidade: são paulo
Mensagens: 240
 Re: Ossos do ofício
Belo muito belo,parabéns!

Enviado por Tópico
MarciaOliveira
Publicado: 19/11/2008 15:48  Atualizado: 19/11/2008 15:48
Da casa!
Usuário desde: 27/07/2008
Localidade:
Mensagens: 432
 Re: Ossos do ofício
Querida amiga,
Sou paulistana e esta cena que vc descreve me é muito comum por aqui. Aliás, comum DEMAIS para nós brasileiros, não?
Belíssima sua apresentação. Considero um grito e grito com você por todas as crianças tão indefinidas.
Carinho, sonhos e flores pra ti.
Salvador é MA RA VI LHO SA!!!!!!!!!! Que inveja!!!!Ai,ai,ai!!!
Beijinho,
Márcia.