https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Ecos

 
Tags:  livro    poeira    eco    aperto    fronte  
 
Eu já nada sou,
além de um eco de mim mesma.
Sou como livro que mesmo uma vez
deliciosamente folheado e lido,
descansa, esquecido, no pó da estante.

Sou vento que passa,
sou poeira levantada.
Trago no peito um aperto que dói.

Eu já nada sou,
além de um eco de mim mesma.
Me repito vez após vez,
insensatez.
Me cora a fronte e, a essa altura,
não sei mais onde foi que me perdi.


Cláudia Banegas

 
Autor
Cláudia Banegas
 
Texto
Data
Leituras
462
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.