https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

Deixa-me!

 
As coisas tinham-se tornado sérias. Ela parecia-me mais alta e severa e mais uma semana passada em “exílio” não ajudava.
- E o trabalho? Correu bem?
- Sim. Esperamos ter boa nota. Foi uma estafa do pior (só gajas a pendurar-se, pensava eu), mas acabámos por ter a coisa bem definida. Uma seca.
- Mas porque é que não ligaste?
- Ouve, Maria (Lúcia, Teresa, chaga do pior, não me fodas a cabeça, maria amélia, seca, gira como tudo, olhos de gato), ‘tivemos sempre a trabalhar que nem um loucos. Foi do pior. Se pudesse tinha ligado.
- Ainda gostas de mim?
- (Estas gajas não existem!) Querida, eu adoro-te! Bem, vou ter de ir.
- Outra vez? Já vais voltar? Mas assim? Não tens medo? Podes ter um acidente...
-Tenho aulas cedo, tenho de ir. Passo-me com estas saídas à noite, mas tu também podias ir ter comigo. As discotecas por lá também são do melhor...
- Oh! E os meus pais? Tás louco?
- Bem, tenho de ir. Um beijo:
- Beijos.
Fiz-me à estrada. No Golf II batiam as 2h35. Hora do caraças. Grandes acidentes que se deram por volta da meia-noite: os osgas, o charrua, o necas. Entre a uma e as duas: o Barata, o Laurentino e o Dias. ´Tou a arriscar, pensei. Liguei a ignição. O 1.6 ronronou baixinho. Sim, que nestas histórias há que manter o motor dominado. Arranquei em direcção à autoestrada. Lembrei-me do Ruas. Pendurava-se nos estendais a partir do quarto whisky. Mesmo acima do quinto andar. Desde que houvesse miúdas presentes, ele fazia-o. O funeral foi rápido, fizemo-lo em silêncio e no ano passado. Foda-se, tenho de ir, já é um quarto para as três! Foda-se Lourenço, ouviu-se num entaramelado banco de trás, arranca de vagar, foda-se!
A estrada foi rápida. Tinha de chegar antes das quatro.
Entrei. O momento era o ideal. A música convidava ao sétimo whisky da noite, para mim o segundo, pelo menos em comportamento. A música desceu. Os Foreigner (qué lá isso?) sussuravam “I’ve been waiting, for a girl like you...”. Tu esperavas, com um ar supostamente desprendido, que eu chegasse de Lisboa. Sem que me esperasses sussurrei-te ao ouvido: “Danças’? E dançámos. E ainda dançamos. Num movimento eterno que temos o prazer de descrever sem pueril prosa filosófica, no prazer imenso que a vida tem de trazer –e traz - a todos nós!


 
Autor
voronov
Autor
 
Texto
Data
Leituras
807
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.